Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Projecto Fitmom | Um projecto para a vida inteira

07.08.15 | Vera Dias Pinheiro


O bebé nasceu, mas a barriga continua lá; os dias passam, o aspecto melhora, mas a barriga continua lá... Recuperar a forma após a gravidez é, e sempre será, a grande luta de todas nós!

Se durante a gravidez existe todo um encantamento com a transformação do nosso corpo. Apaixonamo-nos cada dia mais pela nossa barriga e por tudo o que está acontecer dentro dela. O pós-parto torna-se num grande teste à nossa auto-estima. Aprender a aceitar o nosso novo corpo (e aprender a lidar com as marcas que ficam: as estrias, a cicatriz da cesariana...) e amarmo-nos a nós mesmas, após o nascimento do bebé, pode não ser uma tarefa fácil. 

Os primeiros meses do pós-parto, já de si bastante delicados por culpa do "baby blues" (andamos mais tristes, melancólicas e com fortes alterações de humor), são um período de aprendizagem, enquanto mãe é claro, mas também é muito sobre o que é ser mulher  - e que ser mulher não é ser perfeita, mas sim amar-se a si própria acima de qualquer outra coisa. É muito importante, nesta fase, conseguirmos o equilíbrio entre a atenção que temos que dar ao novo membro da família e a nós mesmas. É fundamental conseguir arranjar tempo para continuarmos a cuidar de nós.

Como já vos disse,  o Vicente nasceu de uma cesariana (se calhar, convém esclarecer que não foi uma escolha minha; teve ser e pronto! A razão nem eu a entendi muito bem...), o que torna todo processo de recuperação mais lento. O formato da barriga pode incluvisamente mudar um pouco, pois os músculos dessa zona são cortados e "recosturados" novamente. Posto isto, as expectativas eram bastante "animadoras"!

Depois, o Vicente nasceu em Janeiro, altura em ainda se apanha o Inverno rigoroso, com as chuvas e com o frio, olhar pela janela e pensar imediatamente em sair de casa com um recém nascido, era algo que dificilmente me passava pela cabeça. Durante o primeiro mês e meio optei por usar a cinta pós-parto, contudo, confesso que foi mais para conforto na zona da cicatriz e para facilitar os meus movimentos. Mas não estava satisfeita nem confiante que iria tirar dali alguma vantagem na redução da barriga.

Portanto, assim que tive autorização da minha obstetra, comecei a fazer tudo o que podia (com o Vicente sempre atrás, a chorar muito e a ser muito impaciente, mas eu sem perder a determinação). Foram as massagens de drenagem linfática, pelas mãos milagrosas da querida Ana Paula e a ginástica de recuperação pós-parto, no Centro Pré e Pós Parto, onde já tinha feito o curso de preparação para o parto. Quanto à alimentação, essa mudou por completo e mesmo não podendo fazer dietas, por estar a amamentar, só o facto de mudar muitas das coisas que vinham do supermercado, foi o suficiente para ver melhorias mês após mês. 

Só há bem pouco tempo é que sinto que deixei de ir ao ginásio com a missão "recuperação pós-parto" na minha cabeça e, apesar de estar numa melhor condição física do que antes de ter engravidado, a barriga continua a ser a minha luta diária! A zona abdominal é das mais difíceis de trabalhar, nomeadamente na recuperação da tonificação muscular. 
No entanto, por muito que tentamos desvalorizar, a verdade é que foram nove meses de transformação - NOVE MESES - que não podem agora mudar, no sentido inverso, de um dia para o outro! Para além disso, a rapidez dessa transição vai depender igualmente de como era o nosso corpo antes de engravidarmos, de quantos quilos engordamos, do nível de actividade física e de uma coisa que nós nunca vamos conseguir mudar: os nossos genes!

Mas eu acredito - e sou a prova - que, sem desistir - os resultados demoram a chegar - e com muita dedicação, podemos recuperar a nossa silhueta, podemos inclusivamente mudar de estilo de vida, para um mais saudável, que só nos trará benefícios a nível de saúde e de vitalidade. Por isso, nada de desmotivar e de se deixar ficar entregue à nossa nova rotina de mãe, nada como aproveitar essa oportunidade para uma mudança, para aprendermos a cuidar melhor do nosso corpo (e, ao mesmo tempo, estamos a tratar do bem-estar da nossa mente). Pensem no Verão seguinte; no biquini que querem voltar a vestir, sem qualquer problema; ou simplesmente pensem em como é bom olharmo-nos no espelho e gostarmos daquilo que vemos!

Esqueçam as dietas comerciais e adoptem um estilo de vida saudável.
É essencial aprender a comer com bom senso: sem saltar refeições (comam de 3h em 3h), dando preferência aos alimentos saudáveis e naturais (alimentos frescos). Aprendam a ler os rótulos dos alimentos, não se deixem levar apenas pelo "light" ou pelo "diatético"e não consumam as gorduras hidrogenadas, pois o nosso organismo não as consegue transformar.
Não compliquem: frutas, legumes, carnes brancas e cereais integrais e ponham de lado tudo o que seja processado!
Deixem-se levar por um estilo de vida activo, aproveitem todas as oportunidades para se mexerem. Enquanto não poderem ir ao ginásio, aproveitem para fazer caminhadas e passeios a pé. Encoragem toda a família a fazê-lo também e a vossa motivação será maior e os vossos objectivos mais facilmente alcançáveis.

Que tipo de exercício fisico devemos fazer:
Quando começamos a fazer exercício físico a sério, devemos ter em atenção que, os exercícios focados na região abdominal apenas são recomendados 6 meses após o parto, por causa da linha alba (a linha vertical mais escura que ganhamos na gravidez e que se mantém após o parto).
No entanto, não vamos ficar em casa à espera que essa linha desapareça, até porque antes de nos iniciarmos de redefinição da nossa barriga, vamos ter que acabar com a camada adiposa que está à superfície (e quanto mais cedo começarmos, melhor, pois evitamos que a gordura da gravidez se aloje por completo, tornando-se depois mais difícil e mais lento removê-la).
O ideal será conjugar um treino de cardio com um treino de força, que são, por norma, treinos mais intensos que ajudam a uma maior queima de calorias, mesmo após o exercício fisico. Têm igualmente a vantagem de serem treinos mais curtos, o que nos permite não afectar as novas rotinas com o bebé com grandes ausências. No cardio,  a corrida é o treino primordial no combate à barriga, sem dúvida, mas esta combinação é essencial para que se perca peso, assegurando a tonificação muscular do nosso corpo.

Quando nos for possível remoçar com os abdominais, também não devemos achar que passamos a fazer 300 abdominais por dia, todos os dias e ficamos impecáveis. Os músculos da região abdominal são músculos iguais a quaisquer outros e que, por isso, pressupõem igualmente: períodos de descanso/recuperação; fases de incremento de carga/peso; de diferentes cadências e de variação dos exercícios. E, em termos de recuperação da flacidez,  as pranchas isométricas são um bom exercício, sendo dos mais completos em termos abdominal.

Prancha Frontal

Prancha Lateral

Por fim, convém referir que o sucesso não passa apenas por fazer exercício fisico ou pela alimentação. A chave para o sucesso deste projecto #fitmom é apenas uma: ter cuidado com a alimentação, beber muitos líquidos e ter um plano de exercícios adequado a nós (nunca devemos dispensar o aconselhamento com um profissional, especialmente nesta fase). 

Queridas mães, se fosse para ser fácil, não seria para nós, certo? :)




*Este texto foi escrito com a ajuda técnica e experiência da Personal Trainer Diana Marques (Holmes Place, Alvalade).