Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Os Vs | O (nosso) regresso à escola

07.09.15 | Vera Dias Pinheiro
Hoje é segunda-feira, começa uma nova semana que, por aqui, é igualmente sinónimo de recomeço e de mudança. Hoje foi o dia do regresso às aulas e foi, simultaneamente, o dia de começar uma nova etapa numa nova escola, com novos amigos, uma nova educadora e auxiliares e, ao mesmo tempo, novos desafios. Hoje sim, hoje sinto que o Vicente fez a sua entrada oficial no seu percurso escolar, que iniciou aquele que será o percurso mais longo da sua vida e que, paralelamente à educação que tem em casa, é fundamental e muito determinante para o seu crescimento e para o adulto em que se irá tornar. 

O Vicente sabia tudo, tinha consciência desta mudança - se bem que, no fundo, tinha a esperança que se fosse juntar aos seus melhores amigos, que também fizeram uma mudança de escola - mas quando chegou a hora de dizer adeus, agarrou a minha mão com força e não queria ficar, tinha os olhos cheios de lágrimas, mas foi, ao mesmo tempo, tão forte e tão crescido (pois sabia que ali era o seu lugar) e não chorou por um segundo. Eu aguentei-me, saí sem olhar para trás depois de um firme e confiante "a mãe ama-te muito!"

Saber que escolhemos a escola certa para os nossos filhos nem sempre é uma tarefa fácil. Mesmo com todas as recomendações de outras mães; de amigas que tenham os filhos na mesma escola; até de termos conhecimento de dados concretos de que aquela escola é, de facto, muito boa; de que os profissionais que lá trabalham são competentes e cuidadosos, esta tranquilidade com que ficamos é apenas aparente. Na verdade, o nosso coração continua apertado e um pouco ansioso. Aquilo que nós queremos mesmo é ver na expressão do nosso filho, quando o vamos buscar, que ele está feliz, bem disposto e sorridente. Queremos dar-lhe um abraço e senti-lo tranquilo. 

Quando o Vicente entrou na creche, pela primeira vez, passado pouco tempo, já tinha os seus melhores amigos - o Diogo, a Carolina e a Sara -  já se sentia em casa e não havia um dia em que ele preferisse ficar comigo, em vez de ir à escola. Rapidamente percebi que preferia que o fosse buscar mais tarde, para ter tempo de brincar com os seus amigos depois da sesta e do lanche. Porém, quando chegou o final do ano lectivo e por estar já na sala dos finalistas, os seus amigos iam partir para uma nova etapa e o Vicente iria ficar. De certa forma, achei que isso podia levar a uma certa estagnação do seu desenvolvimento ou, pelo menos, não tínhamos a garantia de que isso não fosse uma hipótese real.

Por isso, a mudança a acontecer seria, na nossa opinião, agora. A partir de daqui, os seus colegas de turma são os mesmos que o irão acompanhar nos próximos anos e, por conseguinte, o meu coração irá ter menos sobressaltos também. No entanto, nestes primeiros dias, andamos sempre com mil e uma perguntas na cabeça: Será que também vai ter os melhores amigos? Será que os outros meninos vão querer brincar com ele? Será que é uma escola segura? Será que a educadora lhe vai dar atenção que precisa? Será...? Será...? Será...?

Por agora, é esperar que cheguem as 16 horas para o ir buscar, para ver a sua carinha, que não consegue esconder o seu estado de espírito. E, por aí, também estão muitas mães com o coração apertado com o primeiro dia de escola? 


Algumas dicas que podem ser importantes na altura de escolher uma creche para os nossos filhos:

- Pedir referências a amigas e conhecidas, poisnada melhor do que a opinião de quem já teve (ou tem) os seus filhos naquela creche/escola.
- Considerem uma localização próxima de casa ou dotrabalho, especialmente para quem vive nas grandes cidades, atravessarquilómetros e quilómetros de trânsito com um bebé ou uma criança já cansada esaturada, no banco de trás do carro, é tudo aquilo que vocês não precisam paraterminar o vosso dia.
- Avaliar bem os custos envolvidos, por vezes, nãose tratar apenas da mensalidade fixa apresentada pela escola. Não se esqueçam de perguntar se existem "extras", nomeadamente, se a alimentação é paga à parte; se existematividades extra-curriculares; as visitas de estudo e, no verão, as possíveisidas à praia, já para não falar das fardas.
- Quando visitam a escola, vejam se têm acesso atodas as instalações, apesar de algumas delas preferirem agendar as visitas, éimportante poder entrar no espaço onde o vosso filho irá ficar. Só assim podemperceber como será o seu dia-a-dia, onde irá brincam, se asala é arejada, etc...
- Perguntar à direção da escola quantas educadorasexistem por criança (ou na sala) e que tipo de formação têm.
- Tentem saber como funciona a fase de adaptaçãoda criança, por exemplo, se podem ficar com ela durante umas horas ou, então, irá começar por ficar apenas uma parte do dia.
- Verifiquem as condições de limpeza e de higienedos vários espaços, incluindo a cozinha e casas de banho.
- Perguntem qual é o procedimento da escola emcaso de doença.
- Verifiquem se há locais para que osprofissionais lavem as mãos com frequência e se as crianças ficam confinadas emespaços muito pequenos em dias de frio ou chuva.
- O ideal é que não haja mistura de bebês comcrianças mais velhas e que os funcionários do berçário não atendam as outrascrianças, porque as doenças são diferentes de acordo com a faixa etária. 


E, agora, só nos resta desejar um óptimo regresso às aulas. Hoje é o primeiro dia de mais um ano, cheio de novos desafios para pais e filhos. Boa sorte a todos!



[Entretanto, já estamos juntos e, quando o fui buscar, agarrou-se a mim e disse: "mamã, estou feliz!"]