Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Os Vs | As dores de crescimento... dos pais!

07.10.15 | Vera Dias Pinheiro

Educar não é nada fácil... educar não é fácil mesmo quando se lêem os bons livros sobre a matéria, quando se ouve falar quem percebe do assunto... educar não é nada fácil quando estamos a viver as situações no momento. 
Quando somos desafiados por estas pessoinhas de palmo e meio, quando temos que ser firmes no "não" - e também no "sim", porque da mesma forma quando o não é não, quando é sim, deve ser mesmo sim - quando temos que os fazer ver que certas atitudes têm uma consequência, educar não é nada fácil.

Com quase três anos, o Vicente tende a afirmar mais do que nunca a sua personalidade, por vezes, acho que ele só está a ser do contra para nos provar que tem a sua opinião. Ultimamente, tem como primeira reacção a tudo o que se lhe pede, a de dizer "não"; diz que está chateado quando é chamado a atenção; começa a comer com as mãos só para nos desafiar; responde em voz alta e ri-se quando lhe ralhamos. 

Mais do que nunca, sinto que tenho que ser firme e não ceder à irritação ou ao que pode parecer mais fácil no momento - e não tanto educativo -; sinto que há atitudes que têm que ser repreendidas e que, às vezes, é mesmo necessário haver uma consequência e que isso será preferível a uns quantos berros; tenho que ser ainda mais firme quando, nessa altura, o Vicente se desfaz em lágrimas, pede desculpa e diz que gosta muito de mim. 

Educar não é nada fácil... não é nada fácil quando o nosso coração transborda de amor por alguém e isso interfere na forma como lidamos com certas atitudes e reacções... educar não é nada fácil quando a balança oscila entre resistir a vê-lo chorar e insistir na nossa responsabilidade de educar uma pessoa segura emocionalmente e com os valores certos. Ainda hoje, ao deitar, tivemos que lhe explicar que não iríamos contar-lhe uma história como habitual, que não se tinha portado nada bem ao jantar, nessa altura agarrou-se a mim e pediu desculpa... por momentos, senti-me a vacilar, mas não cedi.

Educar leva tempo e paciência. Educar leva tempo porque o nosso investimento na educação nos nossos filhos não tem o retorno imediato - que, às vezes, tanto desejamos - e exige muita paciência para estarmos junto deles, dar-lhes o seu espaço para serem ouvidos e compreendidos; predisposição para nos colocarmos no lugar do outro e tentar compreender porque está a reagir de certa maneira, em vez de , reagirmos imediatamente. E, sobretudo, temos que ser conscientes porque, por muito que nos seja difícil de admitir, muitas vezes eles só estão a reflectir aquilo que vivem em casa, são o nosso espelho, por vezes, o espelho daqueles traços da nossa personalidade que não queremos ver.

Ser perseverante na educação dos nossos filhos é um desafio diário, um mar de contradições constante.. mas aquilo que me guia, em todos os momentos, é convicção de que, seja em que idade for, a transmissão de valores, exemplos e ensinamentos às nossas crianças é o que fará deles adultos mais preparados para o que a vida nos traz.


E por aí, quais são os vossos maiores dilemas enquanto pai e mãe?</p>