Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Responder às perguntas difíceis dos nossos filhos.

05.04.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  Quando é que as pessoas morrem, mãe? É que eu não quero esquecer-me nunca de ti…” Na minha cabeça formam-se as respostas, mas ao mesmo tempo sinto-me completa tonta porque nós os adultos complicamos as coisas porque racionalizamos demais. Falamos demais e (...)

Mood Board: Spring Flowers Arrangements!

03.04.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  Gosto muito de flores, embora procure sempre as plantas que sejam sobreviventes, ou seja, que não precisem de um cuidado e manutenção elevado. Porque eu – não sei como é com vocês – passo meu dia-a-dia completamente controlada por horários, rotinas e (...)

Vivemos constantemente a tentar esticar o tempo!

01.04.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  A mudança da hora fez mossa. Fez aos miúdos, mas também a mim. Hoje adormecemos e foi o Vicente quem nos acordou. Eu recordo-me de ter desligado o despertador, mas achava sinceramente que seriam apenas mais 5 minutos e não 1h30 como acabou por ser… Ainda assim e (...)

A Laura fez anos mas não se cantaram os Parabéns!

31.03.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  A Laurinha estava super feliz, pois, finalmente, tinha chegado o dia do seu aniversário. O dia de ter o seu próprio bolo cor-de-rosa e de ter os amigos em casa para celebrar com ela este momento.   E hoje, domingo à noite, posso afirmar que a Laura fez anos na (...)

Laura, a princesa cavaleira, faz três anos!

29.03.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  Em cada aniversário, de um e de outro, é já um costume escrever sobre aquilo que sinto e, a cada aniversário, reflectem-se igualmente as diferentes fases que vamos vivendo.   E a Laura que faz hoje três anos, portanto, escrevo precisamente na explosão da fase das (...)

Baptizado Vicente e Laurinha | A Cerimónia

28.03.19 | Vera Dias Pinheiro | comentar
  A pergunta que imediatamente me fizeram foi: “Porquê esperar tanto tempo para os baptizar?”. E embora eu ache que já tenha respondido, o motivo maior foi efectivamente o de querer que eles tivessem memória desse momento e que, de alguma forma, percebessem o seu (...)