Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Dezembro: Pai Natal ou Saint-Nicolas? || Décembre: Père Noël ou Saint-Nicolas?

04.12.19 | Vera Dias Pinheiro

*Scroll Down For French.

brunch com crianças hotel sheraton lisboa

 

Dezembro chegou e o entusiasmo com o reviver das tradições natalícias é grande, especialmente nos mais pequenos da casa. E a verdade é: o que seria do natal sem a sua magia envolvente?

Por esta altura, já começamos a pesquisas onde estão a decoração e as iluminações de natal mais bonita, assim como os mercados de natal - vantagens de ser vivermos um pouco mais a norte da Europa – e, inevitavelmente, que também já ouço falar na carta ao Pai Natal, chovem os pedidos que coisas que “precisam mesmo”, dizem eles.  E, este ano, acrescentam uma nova tradição, com ambos os filhos na escola torna-se inevitável adoptar-se algumas tradições da Bélgica e, sem dúvida, que a tradição do Saint-Nicolas é uma delas.

Na Bélgica, celebra-se a 6 de dezembro e, mal termina o Halloween, só se respira Saint-Nicolas, também ele é um velhinho de barbas brancas, mas, em vez de um trenó, chega com o seu burro e alguns ajudantes.

 

  • O que diz a tradição: 

Assim como na Holanda e outros países do norte da Europa, as crianças na Bélgica acreditam que Saint-Nicolas lhes traz presentes no dia 6 de Dezembro. As crianças deixam um sapato junto à janela, com algum desenho ou biscoitos e uma cenoura para o cavalo de Saint-Nicolas. A distribuição dosp resnetes nesse noite é feita com ajuda dos Zwartepiets. Então, na madrugada do dia 6, Sain-Nicolas chega no telhado com seu cavalo e os ajudantes, para deixar os presentes dentro e ao redor dos sapatos. Mas apenas para os obedientes, já que Sinterklaas tem um livro onde mantém todos os nomes das crianças e sabe se elas se comportaram ou não. As guloseimas tradicionais deixadas também pelo Saint-Nicolas incluem tangerinas, pães de gengibre, chocolate e “mokjes” (biscoitos feitos no formato de letras). As crianças geralmente conhecem diversas canções a seu respeito e, dependendo da região do país, os costumes e tradições sobre Sain-Nicolas podem variar. Diz, ainda, a tradição que o Saint-Nicolas chega de barco vindo de Espanha com o seu cavalo e os seus ajudantes.


Já familiarizados com esta tradição e fartos de perguntar quando é que podiam encontrar o Saint-Nicolas, preparei-lhes uma surpresa. E, portanto, aquilo que era para ser apenas um mero pequeno-almoço fora de casa, tornou-se no programa mais incrível do últimos tempos.

E onde fomos? Fomos conhecer um espaço chamado La Frabbrica Tour Et Taxis que, todos os domingos, proporciona um brunch a pensar nas necessidades das famílias quando desejam fazer uma refeição fora de casa. Como tal, um dos aspectos de maior relevância são os eventos, diversões e atracções a pensar nos mais pequenos que existem sempre - para mais informações acerca do programa, o melhor é seguirem as Redes Sociais, Facebook e Instagram.

ACS_1034.JPG

 

ACS_1020.JPG

 



O espaço em si é bastante interessante, faz lembrar uma antiga fábrica, e o La Fabbrica tem um terraço e um espaço interior e o brunch é servido em dois turnos - o das 10 horas e o das 12 horas - em regime de buffet com bastante variedade e tudo feito no local. E não falta mesmo nada, desde a oferta para os mais adeptos de uma refeição mais ligeira ao género do pequeno-almoço, até a opções mais compostas para quem quer aproveitar para um pequeno-almoço mais reforçado, já a pensar no almoço.

 

 


Ainda assim e para além de tudo isto, diria que o melhor mesmo é o facto das crianças poderem estar à vontade enquanto os pais podem continuar a sua refeição, porém sempre com os filhos dentro do seu campo de visão. E é este tipo de oferta da qual eu sinto falta, que seja equilibrada para a diversão e entretenimentos das crianças, mas também agradável para os adultos.

ACS_1033.JPG

 

ACS_1017.JPG

brunch de famillie la fabricca tour&taxis

 


Tenho que referir igualmente que, o facto de ficar fora do centro da cidade, junto ao canal, também é bom. É uma zona mais calma e sem o stress e a confusão que, muitas vezes, outras zonas da cidade acabam por continuar a ter aos fins-de-semana.

 

Contudo, o domingo passado era especial. E porquê? Precisamente porque o Saint-Nicolas tinha passagem marcada pelo La Fabbrica. E, tal como eu esperava, foi a alegria quando o viram, a ele, ao burro e aos coelhinhos “de verdade” que estavam por lá. Os mais corajosos deram inclusivamente de comer ao burro, mas o que a maioria quis foi conversar com o Saint-Nicolas e perceber como é que eles estavam em matéria de avaliação de comportamento, já que isso é determinante para o presente que eles irão receber.

 

 


Depois do Saint-Nicolas, o Vicente e a Laura foram a correr para o insuflável e, para o meu espanto, eles adoraram! Acho que prometi qualquer coisa inclusivamente, no momento de negociar a saída deles, e agora estou a rezar para que não se lembrem!


Para quem está desse lado e me segue de Bruxelas ou dos arredores – e que já são algumas pessoas – deixo-vos com esta sugestão. Desta primeira vez, fomos apenas os três, mas brevemente repetimos com o pai também.

 

Nota: Ainda sobre esta tradição e o facto dos meninos poderem ficar baralhados, continuamos a manter a nossa tradição do Pai Natal que viajam pelo mundo inteiro na noite de 24 de dezembro e que esse sim, traz as prendes mais especiais. Em relação ao Saint-Nicolas, para nós, acaba por ser uma graça, não oferecemos presentes mas apenas pequenas lembranças para assinalar a sua passagem, pelo menos, enquanto estivermos por cá, será assim . Sem excesso materialistas, mas magia, muita magia nesta quadra! Para aqueles que têm uma família com dupla nacionalidade, penso que acabam por celebrar os dois igualmente, optando por confiar apenas num a responsabilidade de trazer os presentes "maiores".

 

 _______________________ FRANÇAIS _______________________

 

 

Dimanche dernier, nous avons découvert le brunch La Fabbrica Tour Et Taxis.

Tous les dimanches, il propose un brunch répondant aux besoins des familles. Les événements, les divertissements et les attractions pour les enfants sont l’un des aspects les plus pertinents. Pour plus d'informations sur le programme, il est préférable de suivre Facebook et Instagram.

L'espace en lui-même est assez intéressant et rappelle une ancienne usine. La Fabbrica dispose d'une terrasse et d'un espace intérieur et le brunch est servi à deux reprises - 10h et 12h - sous forme de buffet. Il est très complet avec beaucoup de variété et tout est fait sur place.

Au-delà de tout cela, je dirais qu'il est encore mieux que les enfants puissent être à l'aise pendant que les parents peuvent continuer à manger, mais toujours avec leurs enfants dans leur champ de vision. Et c’est ce type d’offre qui me manque qui est équilibré pour le divertissement et l’amusement des enfants mais aussi pour les adultes.

Je dois également mentionner que le fait d’être en dehors du centre-ville au bord du canal est également une bonne chose. C’est un quartier plus calme et sans le stress et la confusion que d’autres parties de la ville continuent d’avoir le week-end.

Cependant, dimanche dernier était spécial. Et pourquoi? Précisément parce que Saint-Nicolas avait un passage marque et ce fut une joie de le voir, avec l'âne et les "vrais" lapins qui étaient là. Les plus courageux ont même nourri l'âne, mais ce qui leur importait le plus, c'était de parler à Saint-Nicolas.

brunch de famillie la fabricca tour&taxis-saint-nicolas

Venez, venez, Saint Nicolas,
Venez, venez, Saint Nicolas,
Venez, venez, Saint Nicolas, et tra la la...

brunch de famillie la fabricca tour&taxis-saint-nicolas

 

Après Saint-Nicolas, Vincent et Laura se sont précipités vers le pneumatique et, à mon grand étonnement, ils ont adoré!

Nous nous sommes tellement amusés. Je le recommande!

 

"Inspira, Vera! E Confia! "... Foi Assim Que O Meu Dezembro Começou

02.12.19 | Vera Dias Pinheiro

dezembro-advento-natal-cancro

 

Inspira, Vera! E confia! É desta forma que recebo o mês de dezembro, marcado sempre com tanto entusiasmo, mil ideias para o advento e tudo para que a magia do natal prevaleça o mais possível na vida dos meus filhos e na nossa também. Mas este ano é diferente, dezembro chegou e eu não me sinto capaz de fazer planos para o advento, porque não sei que planos a vida tem para mim, para nós! Inspiro e repito, de forma muito lenta, para mim, “confia e aceita”, pois assim só consigo viver a outra parte da minha vida.

 

Dezembro chegou e o espírito com que se viverá esta contagem decrescente até ao natal será o mesmo dos últimos meses: viver um dia de cada vez! Viver um dia de cada vez, mas sempre com o coração fora do peito, numa espécie de bipolaridade entre encarar a realidade e a fé que ainda não me abandonou, pois “enquanto há vida, há esperança”. Repito, mais uma vez!

 

Todos os dias repito as coisas mais banais, faço as mesmas perguntas, ligo o mesmo número de vezes, olho para os meus filhos, para a minha família nuclear e agradeço por este ninho de amor e de cumplicidade que nos ampara as quedas e os dias tristes. Repito todos os dias, como se aquele dia pudesse ser o último. Limpam-se as lágrimas, mas não se esconde jamais a tristeza. Arregaçamos as mangas e fazemos a vida andar para a frente, 99% pelo Vicente e pela irmã, 1% por mim… é verdade! Com rotinas fica mais fácil manter a cabeça à tona, com a rotina e a distância há momentos, cada vez menos, em que consigo fingir que está tudo bem. Mas quando o esforço é grande, é preciso parar e depois recomeçar. É sempre assim, todos os dias! Vivemos como se aquele dia pudesse ser o último.

 

Mas nesta altura do ano sobrevivo com a magia do natal que o Vicente e a Laura me transmitem e que, desde que nasceram, eu fui construindo com eles. E é assim, nesta avalanche de amor genuíno e de alegria das crianças que eu arranco os meus sorrisos e a força para continuar. Ontem recebemos o Saint Nicolas e hoje a árvore de natal, é certo que é com esforço, mas é certo que vamos andando (mais) um dia de cada vez.

 

Mas não pensem que este é texto triste, porque não é. A tristeza virá com o vazio, por agora, aprendemos o valor da vida, dos sentimentos, conhecemos as pessoas que temos à nossa volta e temos a capacidade de saber exactamente de quem precisamos. E mesmo que este dezembro seja atípico, confiamos que os choros possam vir um pouco mais tarde para que estas duas crianças não percam a alegria no seu natal.

 

Rodeamo-nos de amor, do verdadeiro e sincero, mas não escondemos a tristeza, porque ela faz parte do processo. Mas alimentamo-nos de amor e ele tudo sara, tudo nutre, tudo regenera. Que não nos falta o amor verdadeiro e incondicional nesta altura do ano e em todas as outras. Porque os votos e os desejos, as promessas e as palavras bonitas não devem ser usadas com cerimónia. Não é no fim que fazemos os planos, que se pedem as desculpas, que se marcam os programas ou se espera para dizer aquilo que nunca tivemos coragem para dizer. No fim, esperamos (sentir) a paz de que todos os dias foram importantes e de que, perante a iminência de um fim, tudo foi dito e tudo foi feito.

 

A vida é rápida e efémera, não espera que tu decidas quando e como! Ela traça os planos por ti, sem aviso! Hoje, ontem, amanhã (talvez) é o teu, o meu, momento de agradecer, de celebrar e de viver!

 

Dezembro chegou no meio desta confusão de sentimentos, que se atropelam uns aos outros, mas com a tristeza presente em todos os momentos e o medo. O vazio assusta-me, o adeus para sempre ainda mais. Contudo, dezembro torna claro aquele que é o verdadeiro valor da vida e que, podemos ter todos os presentes do mundo, mas nenhum é tão valioso quanto este: o de descobrir quanto vale a vida e quão importante é termos à nossa volta o amor verdadeiro e incondicional.

 

Em dezembro, e em todos os outros meses do ano, que sejamos mais uns para outros!

 

Bem-vindo, dezembro!