Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Decorações de natal | Deixamos tudo pronto na nossa casa

08.12.18 | Vera Dias Pinheiro

decorações de natal ikea

 

De acordo com a tradição, hoje é, então, o dia em que se montam e iluminam as árvores de natal em nossas casas, assim como todas as outras decorações da época. Em casa dos meus pais sempre foi assim e, na altura, nem se sequer se via a loucura que é com o natal logo em novembro.

 

Mais tarde, isto é, quando fui mãe e os filhos começam a crescer, antecipei um pouco e passamos a fazer as decorações no dia um de dezembro, até para dar o arranque ao Calendário do Advento. Este ano, não fugimos muito à “nossa regra”, até porque optamos por deixar tudo feito antes da nossa viagem. É que, entretanto, até chegarmos ao natal, é um instante.

 

Ainda assim, o Vicente, este ano, já me pedia há algumas semanas para fazer a árvore de natal. E, talvez, até tenha a sua razão. Afinal, como uma seguidora partilhou “é algo que dá tanto trabalho para o pouco tempo que fica montada”.

 

O nosso natal fica mais predominante na sala e continuo a adorar ver as luzes da árvore com tudo o resto às escuras… E com decorações, a maioria das coisas já têm anos. Aliás, o que é “novo” são as lembranças que trazemos das nossas viagens e dos mercados de natal que visitamos.

 

Por exemplo, este conjunto de Pais Natal, que veio do mercado de natal de Verona, no ano passado, um enfeite que trouxemos da Irlanda e este, ainda não há foto, mas comprei um presépio peruano lindo, que se irá juntar a tudo o resto. Sem falar da nossa estrela que já tem quatro anos e que eu comprei em Bruxelas, pelo valor sentimental que tem, acho que não me irei desfazer dela tão cedo – e é inclusivamente guardada com mil cuidados. As cores predominantes acabam por ser o branco, o dourado e o encarnado. Para mim, natal tem que ter encarnado, embora eu goste de vários estilos de decoração, mas, para mim, para a minha casa, há sempre encarnado.

 

 

 

Temos também alguns enfeites personalizados, uns assinalam o primeiro natal da Laura e do Vicente e, agora, temos os nossos nomes nestes enfeites tão bonitos que foram uma oferta da Ana da Storin – aliás, devem visitar esta página, pois é uma excelente opção para as lembranças que queremos oferecer, nomeadamente na escola dos nossos filhos. O que também não pode faltar também são as botas, mesmo que não haja uma lareira em nossa casa. Contudo, no dia 24 de dezembro ficam todas à janela. renas e velas – para além das bolachas e do copo de leite.

 

enfeites de natal personalizados storin

 

 

Para mim – e, se calhar, também para vocês, o natal é sinónimo de ambiente acolhedor e quentinho, luzinhas brilhantes e intermitente. Mantas, manhãs longas pela casa de pijama, chá ou café com leite.

 

Mas este ano tivemos uma pequena (grande) surpresa e, mesmo antes da nossa vinda para Itália, a Ikea deu-nos uma ajuda a completar a nossa decoração que, basicamente, é a mesma desde que sou mãe, portanto, mais ou menos cinco anos. Foi aí que bateu a vontade de recuperar tradições, mas também criar as novas.

 

 

 

Adereços novos, apontamentos com personalidade, luzes e as cores que nos dizem, foram algumas da novidades que se juntarem às antigas, que muito provavelmente vão substituir outras e que tem sempre aquele estilo mais nórdico, portanto, são os apontamentos certo para aquela “pequena” mudança que eu já andava para fazer desde o ano passado.

 

As nossas tradições, essas, são feitas à nossa medida. Esta viagem, nomeadamente, nesta altura do ano, é uma delas, como os presentes que hajam são abertos na manhã de 25, pois os presentes são do Pai natal e não de uma pessoa em particular… enfim… gosto de alimentar a magia e envolver tudo num certo mundo imaginário.

 

tradições de natal

 

 

Não há melhor sentimento do que o de pertença a um lar, de nos sentirmos em casa e de nos revermos na casa na qual habitamos. E isso, não se resume a ter mais ou menos luxo. Tem a ver com cada família e cada pessoa. Com filhos as casas não são museus, são casas desarrumadas, com muita vida e, muitas vezes, pouca paciência para “arrumar essa vida” que mais parece um furacão em certos dias. Os filhos trouxeram-me isso… um lar! E, neste momento, a minha casa, depois de tantas mudanças, é o nosso lar. Gosto muito de tudo, mesmo das coisas que gostava de melhorar.

 

ACS_1707.JPG

decoraçõs de natal

 

 

E agora falem-me vocês das vossas tradições, sim?

 

UA-69820263-1

Viajar em família: é preciso deixar o tempo fluir!

07.12.18 | Vera Dias Pinheiro

viajar com crianças em veneza

 

São precisos uns dias para olear a máquina “família” e para que a dinâmica entre todos flua para que o objectivo principal seja alcançado: desfrutar das férias, afinal, é disso que se trata. Contudo, é só nas férias – que infelizmente não são a maior parte dos nossos dias - que passamos 24h juntos, que temos que aceitar o outro com aquilo que gostamos e não gostamos em todo o tempo. Depois, há os gostos e os interesses, existem dois adultos e duas crianças que têm que convergir - sendo que os pais cedem mais aos filhos, mas os filhos também aprendem a ceder perante os pais.

E isto não é assim tão linear, porque cada um dá a sua sentença e tem a sua vontade, sobretudo os mais pequenos, com quem passar 24 h, é como andar numa montanha russo de atitudes, vontade e emoções. E isto só por si já nos dá bem que entender.

 

Contudo, nestas nossas férias anuais, palmilhamos as cidades de uma ponta à outra a pé. É assim que conseguimos desfrutar do ambiente, conhecer recantos menos turísticos e, afinal, o tempo estica porque cada segundo é aproveitado. E estas férias, em particular, não estão a ser excepção. Florença, Siena e agora Veneza são cidades que só pela sua arquitectura, monumentos e características peculiares nos enchem com passeios por ruas e ruelas.  

 

Portanto, andamos muito a pé, muito mesmo. E, se há momentos baixos nestas viagens e o desgaste físico pode ser grande, aquilo que recebo dos meus filhos e a equipa que faço com o meu marido, é talvez um dos pilares da nossa família e um dos ingredientes essenciais da nossa relação a dois - mesmo que as viagens sejam a quarto.

 

Já eles (Laura e Vicente), com as idades que têm, são, como dizem, autênticas esponjas. Absorvem tudo, especialmente para as línguas. A cada viagem que fazemos e, à medida que crescem, a familiaridade com línguas que não o português é cada vez maior. Por exemplo, pelo à vontade com que a Laura expressa/repete aquilo que lhe dizem, como, por exemplo, um Ciao Bella ou a naturalidade com que o Vicente responde com um grazie. Contudo, não posso deixar de falar da resistência e da resiliência com que os dois nos acompanham e até nos incentivam a ir sempre um pouco mais longe.

 

Por tudo isto e tantas outras pequeninas coisas, não tenho dúvidas em afirmar que este é o presente certo para eles e aquele que mais efeito tem nas suas vidas. O Vicente, por seu lado, diz que as férias são brutalíssimas e a Laura não hesitou em subir uma quantidade imensa de escadas pelo seu próprio pé para ver o que estava lá em cima.

 

Agora, claro que é dispendioso, muito, embora nós tenhamos os nossos truques para tentar economizar o mais possível – e, mesmo assim, vou passar os próximos 6 meses a viver de forma mais contida. Contudo, sabem que mais? Esta é mais uma experiência que ninguém nos tira, a nós e a eles. Temos as baterias carregadas para mais uns tempos, aprendemos a lidar com as dificuldades, a rir das peripécias e a festejar por cada etapa que alcançamos.

 

Neste momento estamos em Veneza e é por aqui que iremos passar os próximos dias até o nosso regresso a casa. Decidimos aumentar o grau de dificuldade desta viagem. E só para terem uma idade do espírito que por aqui se vive, a Laura pensa que esta a passar férias numa grande piscina, sem contudo puder ir molhar o pé e o Vicente está a viver uma autêntico episódio da Patrulha Pata Marítima. Já apanhamos autocarros que andam na água e subimos e descemos muitas escadas e pontes com um carrinho de bebé.

 

A cada sesta que não se faz aumenta a adrenalina e o cansaço, ao fim do dia estão elétricos, ao fim do dia nós estamos saturados, mas ainda assim, voltamos a acordar cheios de energia para um novo dia.

 

Boa noite!

 

UA-69820263-1

Se eles ficam felizes, nós vamos! A magia do natal no Almada Forum

05.12.18 | Vera Dias Pinheiro

natal forum almada

 

Uma das coisas (muitos) boas desta altura do ano são as variadas iniciativas dirigidas às crianças e todas em torno de alguma magia e muita alegria. De ano para ano, vou percebendo que os meus filhos vibram com o natal e entusiasmam-se com tudo o que lhe diga respeito. Portanto, vamos explorando o que há, contudo, quando sabemos que eles gostam de alguma “tradição” em particular, nós, obviamente, repetimos, como é o caso do “Natal” no Almada Forum.

 

É, por conseguinte, o segundo ano que atravessamos a Ponte 25 de Abril para fazer uma visita ao Pai Natal, mas não só. Uma visita à música e muita diversão, que, na verdade, capta inteiramente aquilo que os pequenos mais gostam, senão vejamos.

 

actividades de natal gratuitas

 

Numa só manhã ou dia, podemos “despachar” logo a carta ao Pai Natal com entrega em mão directa ao senhor de barbas brancas, que até a mim me convence de tão pitoresco que é e de barbas verdadeiras. E como se não fosse já bom o suficiente, todos os meninos e meninas recebem ainda o livro do Gui, a mascote do centro comercial. Ou seja, o motivo para sorrir é já muito grande, afinal, ainda nem é natal e já estão a receber um presente directamente do Pai Natal.

Relembro apenas que o Pai Natal estará por lá até ao dia 24 de dezembro, dia em que inicia a sua viagem pelos quatro cantos do mundo na missão mais importante que existe, a de satisfazer pequenos desejos de grandes sonhadores.

 

Contudo, o programa não se fica por aqui. Todos os anos o espaço infantil ganha uma nova vida e este ano tudo se passa na Floresta Mágica, onde até uma viagem a 3 dimensões é possível fazer. E imaginem qual será a reacção de uma criança na sua primeira vez numa realidade aumentada… Adorou, claro!

 

actividades de natal gratuitas forum almada

 

Para as mais aventureiras, como a Laura, o carrossel encantado é uma aposta segura, tão segura que o difícil é convencer que tem que acabar. Mas… adiante! Por fim, se estiverem já estafadas, nada como um passeio de comboio conduzido pelos duendes do Pai Natal. Claro que, no lugar do condutor e com acesso à campainha, é tudo mais divertido!

  • Imagens em galeria (carreguem na seta para ver mais):

 

 

 

E para que a animação esteja completa, tem que haver música. É um requisito obrigatório. Por isso, aos domingos, até dia 16 de Dezembro, a Floresta Mágica transforma-se num palco de concertos infantis. Acontecem sempre às 11h30, também são gratuitos, e o próximo, no dia 9 de dezembro, com As Canções da Maria. Portanto, aconselho a anotarem já na vossa agenda. O Vicente e a Laura, pelo menos, adoram e sabem as músicas de cor (as da Maria, do Panda, do Avô Cantigas…). Adoram cantar e adoram dançar.

showcase aurea

 

A mim, resta-me juntar-me à festa e gozar com eles estres momentos, afinal, o natal diz-me muito mais por estas experiências do que propriamente pela correria às compras de natal. É com estas memórias que quero que eles fiquem, são estes os momentos que quero que valorizem. Os presentes, esses, são apenas um extra, não o essencial.

Não é fácil passar esta mensagem nos dias de hoje, na sociedade em que vivemos, contudo, é por isso, que é de valorizar iniciativas como esta e, acima de tudo, desfrutar, sem referir (novamente) que é tudo gratuito e feito a pensar nas crianças e nas famílias. Afinal, o que podemos nós pedir mais?

 

Entretanto, só uma nota final, as actividades da Floresta Encantada (o carrossel, o comboio e a experiência a 3D) irão manter-se até ao dia 6 de janeiro de 2019. Por isso, mesmo que não consigam ir nesta fase, podem sempre aproveitar o início do novo ano.

 

Vale? 😊

 

UA-69820263-1

Viajar com filhos: não é tudo óptimo (mas também não é suposto)!

04.12.18 | Vera Dias Pinheiro

viajar com filhos

 

Podia remeter-me ao silêncio e optar por partilhar apenas as coisas boas e bonitas das nossas viagens com filhos. Porém, para quê? Para ficarem a achar que vocês são a excepção? Que só os vossos filhos fazem birras, que só vocês perdem a paciência, também quando estão férias, etc?

 

Viajar com filhos não é fácil, não é de todo fácil. Há muitas birras, há muita implicância, motivado também pelo maior cansaço. Há sempre uma alteração nas rotinas e isso, numa criança, reflecte-se tão somente no seu comportamento. Para além disso, há todo o nosso desgaste físico com toda a logística que este processo envolve. É o carrinho, primeiro trazíamos dois, agora, e face ao peso do Vicente, optamos pelo patim com assento, mas que não é assim tão prático quanto parecia ser. Os trajectos que nem sempre ajudam, os muitos turistas que complicam ainda mais a circulação, etc, etc.

 

Para mim, pode ter tanto de bom como de cansativo e stressante. É preciso que os adultos estejam também com a sua melhor disposição e o seu melhor temperamento. Como costumo dizer, neste “jogo”, os únicos que conseguem mudar alguma coisa, antecipar ou ultrapassar, somos apenas nós! Por isso, há que respirar fundo, muito fundo... e valorizar o que é o melhor e o melhor é sempre a experiência.

 

Se calhar também ajuda saber, de antemão, que não é suposto correr sempre bem ou às mil maravilhas. Por isso, o meu truque é tentar valorizar o que realmente é para valorizar. Relaxar, deixá-los também um pouco à vontade e ceder em várias coisas. Nem sempre se consegue fazer uma viagem centrada apenas nas crianças, aliás, lembro-me de ser pequena e achar certos passeios com os meus pais uma valente seca. E só agora, dou valor a isso.

 

Portanto, só posso colocar-me do lado das minhas crianças e perceber que são pequeninos e que sentem o mesmo que eu sentia, seja no Gerês ou em Florença. E muitas vezes, nem eles estão virados para os passeios, com paciência para se portarem bem ou, nem sempre acham graças às coisas que nós escolhemos para eles.

 

Mas, para alojamento, a nossa opção continua a ser o Airbnb. É o que torna a experiência mais confortável a todos, pois temos espaço e temos tudo o que precisamos. De certa forma, descansamos mais. Ao final da tarde, regressamos, não há necessidade de esticar os dias até ao limite, eles brincam e fazem o que lhes apetece, nós descansamos e pelo menos conseguimos que descansem à noite sem alterar muito as horas. As refeições são práticas, precisamente para não termos trabalho, isto se optarmos por jantar em casa – que é realmente aquilo que optamos por fazer a grande maioria dos dias.

 

E, pronto, cá estamos. Eu melhor, eles cansados e a Laura sem dormir a sesta. Florença não é a melhor cidade para andar com carrinho de bebé e o trânsito italiano também não ajuda, seja de carro, bicicleta ou mota. Portanto, andamos com toda a atenção. Mas é uma cidade lindíssima, em dúvida!

 

catedral do duomo, florença, itália

viajar com filhos, roteiro florença

 

 

Boa noite!

UA-69820263-1

Segunda volta em Itália, em família, Não foi fácil, mas chegamos!

03.12.18 | Vera Dias Pinheiro

viajar com crianças

 

Estamos de férias! Não são as primeiras do ano, contudo são aquelas que verdadeiramente nos fazem mais sonhar. É a nossa viagem em família, sempre nesta altura do ano tão especial, e é uma lufada de ar fresco nas nossas vidas.

 

Há alguns dias que me sentia em modo “piloto automático” e sem grande inspiração para escrever. Sentia-me igualmente com fraca criatividade e cansada. Depois, olhei para o calendário e percebi que seria normal.

 

Afinal, e embora até há pouco tempo a ficha tinha demorado a cair, estamos a poucas semanas do final de mais um ano. É normal que, na nossa cabeça, ressoe o balanço e a introspecção. No final de cada ano, há sempre um momento mais marcante da nossa, algo que acabou por determinar e condicionar muito o balanço que fazemos dele. E o que eu sinto - depois da evolução pessoal e profissional e um momento familiar marcante – é que agora é importante ajustar a mecânica filhos e trabalho. Diria, consolidar ambas as coisas. Por um lado, já não tenho bebés em casa, e sim, isso traz me um certo alívio e, por outro, o trabalho assume novos caminhos. Não se tratam de ciclos que se fecham, mas antes de degraus que subimos, de alguma complexidade que juntamos a vários níveis.

 

No final, olho para mim, e a imagem de miúda de antes, que parecia inalterada, está agora um pouco mais distante, reconheço um amadurecimento. O que é bom, atenção. Sinto-me mais segura de mim, mais realizada e isso acho que acaba por se reflectir à minha volta. Nesta altura do ano, com mudanças no horizonte, estas férias sabem a “pause” na vida. Reflectir prioridades e focar numa vida mais equilibrada e com mais qualidade. Mais tempo!!!!

 

Mas chegar aqui não foi fácil, nos últimos dias senti bem os efeitos do mercúrio retrógrado. Uma intoxicação alimentar de surpresa na véspera de viajar, as coisas de última hora que ficaram por fazer e que me relembram o quão importante é não deixar para amanhã. Depois, um voo que se atrasou, bem mais do seria de esperar, com tudo o que isso acarreta em nós, mas em especial nas crianças e uma aterragem complicada devido ao mau tempo.

 

É quase como testar a nossa resiliência e a nossa resistência. E a prova foi superada mais uma vez. Agora, é deixar ir, sem grandes planos, porque os astros ainda não estão a nosso favor, aproveitando aquilo que vamos recebendo à nossa volta. Voltamos a Itália e eu volto a duas cidades, nas quais estive há cerca de 14 anos atrás.  Vivia em pleno espírito do Erasmus, percorria as cidades que o escasso orçamento permitia, mas em que também a vontade de ir superava tudo o resto. Regresso, agora, com dois filhos, que andam e se expressam como gente crescida, todavia eu ainda consigo ver restos da miúda daqueles tempos, cheia de sonhos e a quem a vida mostrou que se acreditarmos sempre, esses sonhos concretizam-se… mesmo que demore.

 

Se bem que eu não trocava as “peripécias” da vida para ter encontrado um caminho mais rápido. E quanto mais o tempo passa mais eu me apercebo que o melhor é deixar que tudo aconteça a seu tempo… no tempo certo para acontecerem.

 

Boa noite!

UA-69820263-1

Pág. 3/3