Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Participei num Bookcast sobre livros infantis

07.03.18 | Vera Dias Pinheiro

 

Há uns tempos atrás a Helena Magalhães convidou-me para participar num Bookcast, juntamente com a Paula Cordeiro, para falar sobre livros infantis. A ideia era mais ou menos, juntar os livros infantis de agora e os da nossa infância.

 

E mesmo sem saber muito bem ao que ia, pois, na verdade eu sou aquele tipo de pessoa que diz primeiro que sim e só depois é que vai pensar sobre onde é que, afinal, se foi meter. Contudo, já percebi que é a minha técnica pessoal para aceitar desafios e sair da minha zona de conforto. E se querem saber, raramente me arrependo a seguir e sinto sempre que cresci mais um pouco ou que aprendi mais alguma coisa.

 

Ora, o mesmo se aplica à participação neste Bookcast, que, no fundo, faz parte do projecto da Paula Cordeiro de Podcats, autora do blog Urbanista que é apenas uma parte de tudo aquilo que ela faz e representa. E mesmo que tenha descoberto ontem (!!!???) que ela inicialmente torceu o nariz a esta colaboração - lá está, para não sair da zona de conforto dela - até acho que temos algumas coisas que nos aproximam. Somos, por exemplo, as duas mães, adeptas de um estilo de vida saudável, gostamos e praticamos desporto e temos até visões semelhantes em relação a vários assuntos. Aliás, vou deixar-vos o link para o site da Paula para quem procura conteúdos novos, interessantes e fora daquilo que habitualmente consumimos:   http://www.urbanista.biz/. E, claro, que o da Helena também: http://www.helenamagalhaes.com/


Bom, mas voltando ao tema dos Bookcasts, que é basicamente um Podcast mas sobre livros! E o que se passou foi que nos juntamos as três em minha casa, tivemos alguns minutos a conversar e ver os livros que cada uma tinha seleccionado para depois passarmos à acção - que é como quem diz, à gravação. Porém, deixo aqui a ressalva de que, ao contrário da Paula, que é uma mulher da rádio, nem eu nem a Helena temos experiência em colocação de voz, uso do microfone, etc.…, mas temos muita vontade em fazer coisas novas e diferentes, em tentar deixar algo que faça sentido para quem nos lê. Por isso, não vamos olhar para este Bookcast pelo ângulo da técnica, mas sim pelo conteúdo e pelo momento divertido e de improviso que passamos.

 

Eu gostei particularmente de participar, uma vez que os livros são, de facto, uma paixão cá em casa. E, sobretudo, nos primeiros dois anos e meio de vida, o dia-a-dia dele era preenchido com livros, de todo o género, e com música. E sei actualmente que isso teve um impacto bastante grande e positivo no seu desenvolvimento. E à medida que ele foi crescendo - e que agora com a companhia da Laura - vai havendo uma mistura cada vez maior entre a minha infância e a deles. E porquê? Porque fui recuperar todos os meus livros a casa da minha mãe. E adivinhem quais são os de maior sucesso? A ANITA!!!!! Sim, porque cá em casa fazemos questão de nos mantemos fieis ao original e não somos do #teammartina.

 

No entanto, nem de Anita de fez este Bookcast e, por isso, convido-vos a colocarem os headphones, aproveitem a pausa para o almoço e carreguem no play. 

 

Senhoras e senhores, eis o meu primeiro (de outros, assim espero) Bookcast sobre livros infantis:

 

 

Espero que gostem!

 

Boa tarde.

UA-69820263-1

Estocolmo: As dicas para uma visita de quatro dias!

06.03.18 | Vera Dias Pinheiro

 

Não levava muitas expectactivas para Estocolmo. Alguns dias antes da viagem fui guardando as dicas que alguns amigos partilharam e, mais tarde, juntei as vossas. Mas o grande objectivo (inicial, pelo menos) era tão somente o de desfrutar de uma cidade diferente, aproveitando a leveza e a descontração por não ter levado filhos.

 

Porém, após a primeira tarde que fui-me apaixonando cada vez mais. Talvez por culpa daquela moldura branca que dava um toque especial à cidade - sim, mesmo com todo aquele frio. Depois. apercebi-me também que, afinal, é uma cidade fazível a pé, tal como eu gosto, e que tudo era relativamente perto do nosso hotel. E, posto isto, se a primeira tarde foi apenas para reconhecimento do local, os restantes dias foram de turismo a sério que me fizeram regressar com a alma cheia e feliz por mais uns tempos.

 

E tal como o prometido, deixo aqui as minhas dicas que, no fundo, não são mais do que uma compilação de todas os inputs que fui recebendo de parte de vós e de amigos que já tinham visitado Estocolmo.

 

1.Museus e Monumentos

 

Vou começar por aqui e, sem dúvida, que os dois primeiros são de visita obrigatória se algum dia estiverem em Estocolmo.

 

VASA Museu: foi uma autêntica surpresa para mim, pois achava que não ia gostar assim tanto. Mas é surpreendente conhecer a história da reconstrução deste barco, especialmente numa época em que não existiam os conhecimentos, os apetrechos e os meios técnico-científicos de hoje. Impressionante é também ver a reconstrução que foi feita das histórias e da própria fisionomia de algumas das pessoas que estavam no Vasa no momento em que se afundou a partir dos restos humanos encontrados. E agora sim, graças à evolução da ciência, mais concretamente da osteologia.

 


vasa meuseet, estocolmo

 

Museu de Fotografia - Fotografiska: para além da parte do museu, tem igualmente, no último piso com uma vista em incrível sobre o mar báltico, um bar com música ao vivo, uma cafetaria e um restaurante. E eu não podia ter saído de lá mais inspirada. Foram três pisos com três exposições diferentes, mas todas tinham o mesmo denominador: o facto de serem o espelho do trabalho e da história de três mulheres que são uma referência no mundo da fotografia e na própria indústria. Três mulheres de personalidade e história diferentes, cheias de women power e provenientes de culturas completamente diferentes. Se tiverem curiosidade, sugiro pesquisarem estes três nomes: Chen Man, Zanele Muholi e Ellen Van Unwerth.


Palácio Real: acho que vale sempre a pena, especialmente quando se trata de um país que tem uma família real bem presente nos nossos dias. Para além disso, fica situado numa zona mais antiga da cidade que vale muito a pena conhecer.


2.Zonas/Ilhas da cidade a visitar:

 

Gamlan Stan: é, portanto, até aqui que o ponto anterior nos leva. É uma zona com uma arquitetura já um pouco diferente, onde, para além do Palácio Real, encontram várias lojas de designers suecos, misturadas com as lojas de souvenirs. Vale a pena percorrer as ruelas desta zona mais histórica e antiga. De referir, que Gamlan Stan fica já numa das ilhas da cidade, mas a qual se chega perfeitamente a pé.

 


gamlan stan, estocolmo

 

Sodermalm: esta é uma igualmente uma das ilhas da cidade e, desta vez, apanhamos o ferry para lá chegar. Encontram muito comércio (tem muitas lojas de rua e um centro comercial) num estilo mais diferente e alternativo. É uma zona mais urbana e com traços mais modernos, percebendo-se que é também mais residencial. É aqui que encontram o Fotografiska, por exemplo.

 

Um dos passeios mais bonito é feito junto do canal ao longo da Strandvagen, disseram-nos ser das zonas mais agradáveis de Estocolmo. E por aí que vamos em direcção à ilha onde se situam os museus VASA e dos ABBA.


Pela cidade vão encontrando vários centros comercias. E pela beleza do edifício em si, diria que têm que visitar o NK – Nordiska Kompaniet - mas preparam-se, pois, as marcas são mais caras. E, então, para fazer compras mesmo, acho que vão gostar do Centro Comercial Ahléns. Porém, se forem como eu e apreciarem mais as compras nas lojas de rua aconselho a Birger Jarlsgatan.

 

 



3.Parques e Jardins:

 

Kungstradgarden: Junto ao mar báltico e com vista para Gamlan Stan e o Palácio Real. Foi também aqui que encontrei a pista de gelo.


Parque Berziliipark: junto ao teatro Dramático Real e também perto do canal de onde saem os barcos de passeio.

 

4.Para comer:

 

Espresso House: para pequeno-almoço, lanche e refeições ligeiras. Há vários espalhados pela cidade e eu fiquei muito fã. A oferta é diversa, saudável e qualidade e o preço super em conta. Eu adorei o cappuccino com leite de aveia e as saladas de quinoa e bulgur. Mas também provei os deliciosos cinnamon rolls.

 

Ulla Winbladh: uma autêntica casa de charme e arriscaria dizer, um restaurante tipicamente sueco. Ambiente tranquilo e bem decorado, ideal para provar as famosas almondegas com molho castanho.


Koh Phangan: de comida asiática muito boa e com atendimento, mas vocês têm que ir pela experiência. Desde a decoração, que se assemelha a uma selva, até ao riacho e aos sons. Têm que ir!

 


koh phangan estocolmo

 

Restaurante Paul´s: Fica situado num hotel, tem um bar no piso inferior, bom ambiente, comida boa, mas um menu mais limitado e foi o mais caro de todos.

 

Restaurante Wagamma: eu não conhecia, mas parece que é uma cadeia de restaurante asiáticos bastante conhecida. Eu gostei muito!

 


restaurante wagamma estocolmo

 

De referir é a facilidade com que fazemos alimentação saudável e equilibrada, pois existe oferta! Existem opções sem glúten e para quem tenta fugir da lactose, ficquei contente por perceber que as opções que existem não se resumem ao leite sem lactose ou à bebida vegetal de soja.

 

5.Alojamento:

 

Nos ficamos instalados no C Hotel Stockholm, a localização foi perfeita, pois estávamos perto de todos os locais que referi acima, como também estávamos mesmo ao lado da estação Arlanda Express, onde param os comboios que veem diretamente do aeroporto. O pequeno-almoço entrou para os meus preferidos precisamente pela variedade e opções saudáveis que tinham.

 

Estocolmo pareceu-me ser uma cidade muito family e baby friendly e que ser ser igualmente muito agradável nos meses de primavera ou verão, Posto isto, digo-vos que ficou aqui na lista daquela a visitar em família (brevemente).

 

Gostei mesmo muito destes quatro dias em Estocolmo!

 

Não se esqueçam que os suecos não gostam de andar com dinheiro e, por isso, na grande maioria dos locais só aceitam pagamentos com cartão.

 


UA-69820263-1

Receitas p/ Sopa e Refeições Ligeiras | Pôr a comida na mesa

05.03.18 | Vera Dias Pinheiro

Vamos continuar na programação das refeições da semana e, desta vez, passamos ao prato principal, com a sopa e as refeições ligeiras. E, depois deste post, estaremos preparados para passar às refeições mais substanciais, o almoço e o jantar. E é, nesta fase, que percebemos a importãncia da organização e do planeamento, pois vão ser essenciais para termos as refeições prontas a tempo e horas, assegurando alguma variedade e equilibrio.


Lembrem-se: a azáfama diária, as multitarefas com os filhos e a vida profissional agitada tiram-nos a energia necessária para termos ideias fantásticas quando chega a hora de cozinhar. Assim sendo, se tivermos tudo à mão fica, sem dívida nenhuma, muito mais fácil.
  • Vamos começar então com as sopas.

São nutritivas, alimentam, ajudam a saciar e, quando prontas, bastam apenas uns minutos para as aquecer. Eu costumo fazer a sopa para dois dias de refeições. Por um lado para evitar que fiquem fartos do sabor e para que não associem a sopa a uma coisa chata e aborrecida.  Tenho cá para mim que a semana toda a comer mesma sopa é capaz de cansar, não concordam?


Na minha casa, o puré é o mais consensual, mas se preferirem não triturar é uma mais-valia. A mastigação ajuda no processo de saciedade. Podem também por optar por triturar uma parte e acrescentar, por exemplo, o agrião ou os espinafres e ficam com mais uma opção.


7 Receitas de sopas:


  1. Creme de abóbora amarela com cenoura cor de laranja: RECEITA
  2. Gaspacho Ibérico: RECEITA
  3. Creme de curgetes e couve-flor: RECEITA
  4. Puré de abacate e lima: RECEITA
  5. Creme de cenoura com curgete e manjericão: RECEITA
  6. Caldinho de noodles e cogumelos: RECEITA
  7. Creme de couve-flor com beterraba, a sopa Juliana e uma sopa de tomate e cebola: VÍDEO
7 receitas de sopa para o dia-a-dia

10 Receitas para refeições ligeiras: Estas opções podem ser úteis para levar para o trabalho ou então para os almoços em casa quando o tempo está contado. Associadas a um prato de sopa, as refeições ligeiras fazem uma boa e composta refeição.


  • Arroz integral salteado com muita cor. Pode ser com arroz de outra qualidade. É uma ótima forma de aproveitar sobras de arroz dando um toque diferente e tornando-o numa refeição completa.

RECEITA


  • Húmus com cebolinho. Óptimo e prático e pode-se levar como marmita de forma segura, ou seja, não transborda se bem acomodado e tapado. Aconselho a comer com tiras de cenoura ou outro vegetal que gostem de comer cru. Se preferirem, barrem o húmus numas bolachas “salgadas” ou mesmo em fatias de pão.

RECEITA


  • Vegetais assados. Podem-se fazer fornadas de vegetais assados. Versatilidade é a palavra de ordem. Conservam-se bem no frio e com um bife ou filete de carne ou peixe têm uma refeição saborosa. Vejam estas duas versões.

RECEITA 1


RECEITA 2


  • Noodles com curgete, tomate cereja e salsa. Os noodles, tal como o cuscuz, são ingredientes fantásticos para ter em casa, pois fazem refeições rápidas e saborosas.

RECEITA


  • Noodles com salmão e tomate:

RECEITA


  • Cuscuz com frango:

RECEITA


  • Cuscuz com gambas:

RECEITA


  • Cuscuz: opção vegetariana, outra com proteína animal e ainda uma outra sugestão surpresa.

VÍDEO


  • Queijo Frito. Não é lá muito light mas é lá muito bom!

RECEITA


10 receitas para refeições ligeiras

Antes de terminar vou repetir o que disse quando falei do pequeno-almoço:


As sugestões aqui apresentadas são para serem usadas na dose certa. Não vão cozinhar coisas que não gostam, nem muito menos traçarem um plano rígido que não haja espaço para um desejo do dia ou mesmo uma refeição no vosso restaurante preferido. Cozinhar, estar na cozinha, comer, é um prazer e se assim o for tudo será mais fluído.

Outras sugestões:


  • As doses de fruta, vegetais e ervas entram com destaque na vossa lista de compras. Pode-se dar atenção às promoções e também aos produtos de época.
  • As especiarias como os orégãos secos, a paprica fumada, o colorau, o louro, caril, cominhos, entre outros ajudam a dar outro “toque” aos vossos pratos.
  • Os frutos secos podem ser usados à vossa vontade tal como as sementes.
  • Ter a despensa bem recheada (ver o artigo da despensa).
  • Procurem cozinhar com mais quantidade na refeição que têm mais tempo disponível. Assim ficam com almoço ou jantar já pronto para a próxima refeição.
  • Não tem mal nenhum comer comida aquecida. A minha dica é ter sempre alguma coisa feita na hora, por exemplo, uma salada.
  • Guardar a comida, mesmo que seja só uma batata pode ajudar na refeição seguinte. E no dia que tiverem muitas sobras fazem uma refeição disso mesmo.

E para quem só agora chegou, é importante dar uma vista de olhos nos seguinte artigos:


  1. Como Organizar as Refeições da Semana
  2. Como organizar a despensa de casa: Lista de essenciais!
  3. Guia de compras na secção dos frescos | Mafabulous Cook
  4. Receitas fáceis para pequeno-almoço

Boa noite!


UA-69820263-1

Estocolmo: as primeiras impressões (e fotografias)

03.03.18 | Vera Dias Pinheiro

 

Este é o terceiro dia em Estocolmo, a maior cidade e capital da Suécia, e é uma completa estreia para mim. A viagem de avião dura cerca de 3h55 minutos e sim, entra naquele timing em que uma pessoa já se aborrece um pouco, especialmente se não conseguir adormecer, como é o meu caso. E, nesta coisa das viagens, eu sou um bocadinho como no toca aos filmes, ou seja, antes de repetir um destino, tento que o próximo seja sempre uma novidade. Mas claramente que tenho/temos um padrão, pelo menos ultimamente, que é o de andarmos sempre em destinos frios! - e por falar nisso, acho que foi Roma a última cidade em que estivemos numa outra altura do ano que não o inverno.

 

Consequentemente, a primeira impressão tem mesmo a ver com o tempo. Estocolmo é a cidade mais fria em que estive até hoje. No entanto, considero ter vindo bem preparado para o e enfrentar. Como sabemos, é essencial vestirmo-nos por camadas (tipo cebola), ter um casaco bem quente, luvas e botas de pelo, gorro e cachecol. Esquecam lá as modas e as tendências, pois o que eu quero é andar razoavelmente confortável na rua, o suficiente para aproveitar os dias ao máximo.

 

Depois, é seguramente uma cidade muito organizada, não há trânsito, as pessoas são na sua generalidade simpáticas e prestáveis quando pedimos algum tipo de ajuda ou informação. É muito fácil comer bem e de forma saudável, pois há oferta e uma oferta de qualidade. Estou muito contente com isso! Esta viagem está a correr muito bem também nesse aspecto.

 

As pessoas são bonitas e elegantes, a cidade é bonita - claro que a estou a ver com uma moldura à volta, a neve. Os sítios estão cheios de gente ao cair da tarde, e é isto que eu aprecio nestes povos do norte da Europa. E isto tudo misturado torna Estocolmo uma cidade apelativa e onde nos sentimos bem.

 

Tinham-nos dito que é uma cidade super cara, mas, na verdade, não estou a sentir um grande impacto. A título de exemplo, o preço médio de um jantar para duas pessoas tem sido 50 euros. Em termos de lojas, a única que fazia mesmo questão de visitar era a & Other Stories, que é sueca, que já conhecia de Bruxelas e que adoro, mas tudo o resto que tenho visto, anda igualmente dentro dos preços considerados normais. Contudo, não se esqueçam que aqui estamos fora da zona euro.

 

Temo-nos deslocado a pé - sim, mesmo com o frio - e o máximo que fizemos, foi hoje precisamente hoje, cerca de meia hora a andar. Mas calma, que uma pessoa vai em modo passeio e nem dá pelo tempo passar. As fotografias que vamos tirando é um pouco à sorte, porque não há condições para estar sem luvas durante muito tempo.

 

Entretanto, eu devo ser mesmo daquelas pessoas que se dá bem em climas frios, porque consigo desfrutar e passear, adaptando sem grandes complicações ou desconforto. Se estamos, é para a aproveita ao máximo. Esse é o meu lema.

 

As dicas vão ficar para um segundo post, pois ainda temos muito por descobrir!


P.s: E acho que foi uma decisão acertada vir sem o Vicente e a Laura, pois acho que, desta vez, não teriam tirado o partido esperado da viagem.

UA-69820263-1

Viver para além dos filhos (sem culpa)

02.03.18 | Vera Dias Pinheiro

Estou na Suécia, mas concretamente em Estocolmo. Vim sem o Vicente e a Laura numa espécia de fim-de-semana prolongado. E, à excepção da viagem de 24h a Madrid, é a primeira vez que estou tão longe fisicamente de ambos e por tantos dias. E sim, admito que desta vez custou mais. Embora, viajar sem filhos seja, a partir de um certo momento, uma vontade real que nós, pais, sentimos.


A despedida foi mais dolorosa com o Vicente. O facto de se expressar cada vez melhor e o facto de eu tentar que ele fale cada vez mais sobre os seus sentimentos, fez com que me dissesse várias vez que ia ter saudades minhas por meio de lágrimas. Mas também me disse que não iria ficar triste porque ia sonhar comigo todas as noite até eu chegar. E o facto de não me ter despedido da Laurinha, porque saímos muito cedo, tb fez com que saísse de casa não tão leve e tranquila como eu achava que iria ser.


Em contrapartida, foi muito estranho que toda a logística - de viajar de avião - fosse  tão prática e rápida. Sem falar que trouxemos muito menos coisas, com o bonús de ter a viagem inteira por nossa conta. E agora cá entre nós, todas as mulheres que têm filhos, liberdade é saber que não estamos controladas pelos horários deles e que vamos poder simplesmente estar e usufruir descontraidamente das coisas ao nosso ritmo. E isso são, sem dúvida, coisas boas (muito boas) e que me deixam feliz.


Eu adoro viajar com os meus filhos e claramente que é aquilo que eu realmente quero fazer com mais frequência. Porém, sabemos como é cansativo e exigente. E é especialmente desgastante mantermos o nível do “está tudo bem” sempre lá no alto, pois só assim conseguimos desfrutar de viagens, como aquelas que fazemos, com filhos tão pequenos.


Contudo, não sei se é por serem as primeiras vezes, mas, cá dentro, há como que um sentimento de culpa, como se estivesse a fazer algo de errado. Venho com a imagem do Vicente a choramingar, penso na Laura que acordou sem me ver e que não me vai ver durante os próximos dias. Bom, na verdade, fizemos uma chamada por Facetime com eles, mas não sei se terá sido uma boa ideia. Foi ontem, era como se precisasse de os ver, porque não o tinha feito.


Para além disso, sei perfeitamente que estão bem, sei que deixei todas as recomendações possíveis, sei que vão estar entretidos ao ponto de nem pensarem muito no facto de eu não estar (e o pai, claro). E sei igualmente que é importante haver um momento em que os pais fazem o seu próprio corte com o cordão umbilical e em que retomam as suas vidas, sem esquecer os filhos, mas conscientes de que há uma vida para além deles. 


É o tal equilíbrio do qual andamos todos a procura. É o equilíbrio da parentalidade, se assim o pudermos chamar, que faz bem aos pais e aos filhos. Sei que quanto mais “dependente” for dos meus filhos mais difícil vai ser deixá-los seguir o seu rumo e eles próprios vão sentir-se também mais dependente de nós.

E na forma como eu pretendo educar os meus filhos: seres independentes, autónomos, destemidos e aventureiros, eu tenho que fazer o (meu) trabalho de casa. Tenho que me educar a não deixar que o instinto de ninho e de protecção me condicione. E não é fácil. Fácil seria estarmos todos aqui. Mas também sabe bem sentir-me simplesmente... uma pessoa adulta! 


Muito Confuso?!


UA-69820263-1

Passatempo Nova Embalagem de Fatias Limiano

01.03.18 | Vera Dias Pinheiro

 

Fizemos um exaustivo teste à eficácia das novas embalagens ABRE E FECHA de fatias Limiano, como aliás, podem ver pelas fotografias. E em que o membro mais novo da família fez também questão de ela própria fazer o seu próprio teste – arriscaria dizer que foi o mais exigente de todos! 😊

 


E após termos tirado as nossas próprias conclusões a respeito da praticidade e facilidade deste novo sistema de abertura das embalagens, do qual vos falei em mais detalhe neste post: Meninos: afinal, quem tirou o queijo limiano daí?, convido-vos a fazerem o mesmo em vossas casas. E antes que corram para o supermercado, convido-vos a esperarem mais um pouco, continuando a ler este post.

 

As viagens dos Vs, numa colaboração com a Limiano, decidiu que o ideal seria convidar outras famílias a experimentarem a nova embalagem de fatias Limiano com o sistema ABRE E FECHA nas suas próprias casas. E como? Através da oferta de 3 Cabazes Limiano cada um composto por:

 

  • 2 embalagens Fatias da bola Limiano Originais (2 x 200g)

 

  • 1 embalagem Fatias da bola Limiano menos 50% de Gordura (1 x 200g)

 

  • 1 embalagem Fatias Limiano Amanteigado de Vaca e Ovelha (1 x 180g)

 

passatempo nova embalagem queijo limiano fatias

 

Assim sendo, aquilo que terão que fazer é muito simples. Estejam atentos á mecânica do passatempo:

 

 

 

  • Partilhar publicamente o post do passatempo no Facebook e marcar três amigos que adorassem receber este cartão oferta;

 

  • Responder à pergunta que consta no o questionário abaixo com os respectivos dados para podermos entrar em contacto com os três vencedores:

 

 

 

Este passatempo tem agora início e vai decorrer até ao dia 8 de março. O vencedor é apurado através de random.org e será anunciado no dia útil seguinte.

 

Participem! Partilhem! E Boa Sorte!!!

UA-69820263-1

Pág. 4/4