Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

5 Quintas Pedagógicas onde levar as crianças

08.09.17 | Vera Dias Pinheiro

Já arrumei a roupa da praia e sei que é bem capaz de ali ficar até ao próximo verão, por isso, começa a ser altura de pensar em novos e diferentes programas para os fins-de-semana. Os dias ainda são de calor e sol e, como tal, é aproveitar para andar com os miúdos na rua.


As quintas pedagócias são capaz de ser um dos programas mais giros para levar os miúdos, pois o contacto com os animais da quinta é sempre motivo de grande felicidade. Os piu-pius, o porco, as galinhas, os coelhos... no fundo, animais comuns mas que a vida em cidade acaba por tornar-los espécies de contacto raro com as crianças. Eu, como desde sempre, tive contacto com animais, custa-me que os meus filhos não o façam com mais regularidade, portanto esforço-me para termos mais programas deste género.


Fiz uma pequena pesquisa na Internet e descobri cinco quintas pedagógicas na zona da grande Lisboa, das quais nós só conhecemos duas. Como é que é possível?


Assim, aqui ficam todas elas em jeito de sugestão para este fim-de-semana:


1.Quinta Pedagógica dos Olivais


Falei sobre ela há bem pouco tempo aqui no blog, portanto quem não viu o nosso post, volto a deixar aqui o link, pois tem tem toda a informação, assim como algumas fotografias da nossa última visita.


Férias de verão: Quinta Pedagógica dos Olivais


2.Quintinha Pedagógica de Monserrate


Uma quinta pedagógica situada a menos de três quilómetros do centro histórico de Sintra, em que se recria o tradicional e pitoresco ambiente agrícola da região para dar a conhecer a herança cultural local.


Foi, em tempos, uma pequena exploração rural que serviu o Parque e Palácio de Monserrate.


O conjunto de atividades disponível foi pensado, sobretudo, para crianças e jovens em idade escolar. Através da participação nas tarefas diárias e sazonais, os visitantes da Quintinha de Monserrate têm oportunidades únicas de aprender num espaço natural com uma refrescante linha de água, árvores autóctones e socalcos destinados a diferentes tipos de plantações e animais.


3.Quinta Pedagógica Zé Pinto


Criada em 2009, parte de uma iniciativa da Associação Nacional de Produtores de Cereias, com o intuito de aproximar a vida rural e do campo à cidade. Uma vez por mês realizam actividades gratuitamente para as famílias. Para saberem as datas das actividades, basta estarem atentos à página de Facebook, ao Blog ou, então, contactar directamente a Quinta (Contactos).


Localização: Rua de Campolide, Lisboa


4.Quinta Pedagógica Burros do Magoito


Uma associação sem fins lucrativos que visa promover actividades educativas e divertidas, estimulando o respeito pelos animais e pela natureza. Como o próprio nome indica, o maior atractivo sãos os passeios de burro e de pónei, sendo que os burros são actualmente umas das espécies que corre riscos de extinção.


Pode dar uma vista de olhos nos vários tipos programas em família que existem através deste link:  http://www.burrosdomagoito.com/programas-familiares/


Contactos e Localização


5.Quinta Pedagógica Armando Vilar


Situada em Cascais, visitamos esta quinta pedagógica uma única vez e gostamos muito, podem ver algumas fotografias neste post: Domingos.


Horários: Sábados e Domingos das 10h às 13h e das 14h às 18h. E de  2ª a 6ª feira entre as 14h e as 18h. Durante os dias úteis as visitas requerem marcação prévia e estão dependentes da disponibilidade da Quinta.


Nesta visita livre podem observar e interagir com as galinhas, patos, perus, gansos, o simpático burro de Miranda que se chama Eléctrico, a ovelha Merino, a porquinha “Minnie” e as nossas cabrinhas. É possível conhecer a nossa horta biológica e o sistema de rega tradicional!


Valor:  Crianças < 2 anos: Gratuito; crianças > 2 anos: 4€;  adultos: 5 €; bilhete família: 15€ (2 adultos e 2 crianças).


Não existe serviço multibanco.


E, pronto, por hoje é tudo. Esta primeira semana esteve cheia de compromissos ligados ao regresso às rotinas de todos nós. E se já não bastasse toda essa correria, o pai teve que viajar em trabalho. Já se sabe que, nesses dias, as crianças ficam mais carentes de atenção e mais exigentes... e eu mais cansada e sem paciência. Digamos que, na prática, são coisas que não se ligam muito bem e, por vezes, dá choque :)


Desejo-vos um óptimo fim-de-semana. E, se quiserem, partilhem nos comentários o que vão andar a fazer.


Boa noite.


10 Coisas que as mães juraram nunca fazer... até um dia!

07.09.17 | Vera Dias Pinheiro

Se ser mãe viesse com livro de instruções, todas nós seríamos, sem dúvida, mães exemplares. No entanto, isso não existe e nem os cursos e ou workshops nos preparam para o que nos espera na realidade. Os bebés, para os quais existem enúmeros livros que se propõem a decifrá-los e tantos outros que ensinam os pais a usaram a parentalidade positiva, nada disso nos salva de, num determinado momento, cedermos e fazermos precisamente o oposto daquilo que defendemos.


Não está errado que os pais e as mães estabelecem em conjunto aquilo que querem para base da educação dos seus filhos. Eu, por exemplo, sou uma defensora das rotinas e das regras e sou exigente com o cumprimentos dos horários. E, quando fui mãe pela primeira vez, funcionou tudo muito bem, pois o Vicente cedo começou a adaptar-se aos horários e eu sabia exactamente como eram os meus dias com ele. Estava super orgulhosa de mim mesma, acreditem!


No entanto, quando a Laura chegou, veio baralhar-me por completo, por momentos perdi o controlo da situação (por querer fazer exactamente o mesmo que tinha feito com o irmão). Havia dias em que questionava-me e penalizava-me por não estar a conseguir fazer o mesmo. Levei tempo até entender que a Laura era um bebé diferente e que, para além disso, agora eram dois em vez de um. Continuo a defender  os mesmos princípios, mas tive que abrir margem para um equilíbrio de todos. Às vezes, sinto-me mais permissa com a Laura e não sei se gosto disso...


No entanto, a única coisa que sei com segurança é que o caminho da maternidade não se faz por linhas rectas e o que hoje achamos ser o errada, mais tarde pode parecer-nos a única solução. E acredito que isto seja a realidade de todos nós, mães e pais, mesmo se tenhamos receio de o dizer, mesmo que seja mais fácil críticar os outros do que admitirmos que também passamos pelo mesmo.


Admitir junto de outra mãe que sim, sim é normal que um dia vás fazer aquilo que antes juraste a pés juntos não fazer. Não te penalizes, nem te culpes por isso. És e continuarás sempre a ser a melhor mãe para o teu filho.

E foi precisamente numa conversa com outras mães, umas de primeira viagem e outras não, em que o tema era precisamente dizermos uma coisa que tivessemos feito - enquanto mães - e que achavamos que nunca iríamos fazer, que chegamos rapidamente à conclusão que somos todas iguais. Todas passamos pelos mesmos dramas. Oram vejam:


10 Coisas que as mães já fizeram, pelo menos uma vez, e que juraram que nunca iriam fazer:


  1. Usar os tablets nos restaurantes para distrair os filhos e conseguir ter uma refeição tranquila. E eu vou dar o meu exemplo, durante as férias fizemos todas as refeições os quatro, sem nada destas coisas. Ora chegamos ao último dia e eu e o meu marido nem precisamos de conversar, levamos o Ipad, que colocamos na mesa depois do Vicente e da Laura jantarem. Só queríamos uma refeição em que conseguissemos estar os dois à mesa ao mesmo tempo e ter uma refeição com um pouco de qualidade.
  2. Ligar a televisão durante as refeições como forma de conseguir convencê-los a comer.
  3. Deixar que o bebé durma na cama com os pais.
  4. Dar aquele alimento proibido antes de determinada idade. Ou, simplesmente, porque não conseguimos dizer não enquanto nos vêm a comer. Ou, então, como desespero porque o bebé em causa não come rigorosamente nada e já se tenta de tudo só para vê-lo comer.
  5. Deixar de amamentar o beber quando começasse a andar.
  6. Continuar a jantar fora com amigos, levando o bebé (saiu um birrento e os programas passam a ser mais agradáveis se forem em casa).
  7. Achar que o nosso filho nunca vai fazer uma birra DAQUELAS no supermercado. Só apetece dizer: LOL :)
  8. Achar que as olheiras nas crianças eram culpa dos pais que deitavam as crianças demasiado tarde. Diz a mãe que, mais tarde, teve um filho que não prega olho.
  9. Dizer que sim a tudo o que eles dizem, só porque estamos demasiado cansadas e só queremos que eles terminem o que estão a dizer - esta pode sair-nos cara a partir de uma certa idade :)
  10. Ligar a televisão ao fim-de-semana só para podermos dormir mais um horinha, em vez de estar a fazer puzzles ou a fazer construções de lego.

E a próposito das manhãs (madrugadoras). Antes de ser mãe, lembro-me de um amigo nosso dizer que, ao fim-de-semana, deixava um pacote de leite em cima da mesa da cozinha e o comando da televisão preparado. Dessa forma, os filhos acordavam, ligavam a televisão e bebiam o leite sem ser preciso ele se levantar. Óbvio que, na altura, ouvi aquilo e pensei... "olha-me este artista. Onde é que já se viu?!" Hoje em dia, embora não o tenha feito exactamente assim, o n. 10 é nosso! Os meus filhos chegam a acordar antes das 7h da manhã... há um dia em que é preciso accionar medidas extra...


E agora que já se devem sentir mais à vontade, querem acrescentar alguma coisa a esta lista?


E tenho a certeza que irão gostar de ler também:


Essa história da parentalidade positiva


12 Mandamentos para sermos uma mãe amiga de outras mães


 

P.s: Um grande obrigada às mamãs do costume :)


Boa noite.


O meu verão em fato de banho

06.09.17 | Vera Dias Pinheiro

 

O fato de banho entrou definitivamente nas tendências e eu agradeço. Comprei os primeiros no ano passado, quando estava em plena fisionomia de pós-parto e, este verão,  voltei a comprar mais alguns. Na verdade, contaram-se pelos dedos de uma mão as vezes que vesti um biquini e porquê? Pelo conforto, acima de tudo. De seguida, porque sinto-me mais composta e preparada para as lides na praia e na piscina com duas crianças pequenas e, por fim, sinto-me mais elegante, deixando de pensar tanto no que me possa incomodar. Ou, então, simplesmente, com a idade, tenho vontade de andar "mais vestidinha" ou, pelo contrário, ando a ficar demasiado exigente. Não sei bem! No fundo, sinto-me muito mais descontraída e à vontade de fato de banho.

 

A parte mais aborrecida são as marcas que ficam com o bronzeado, mas também já liguei mais a isso do que ligo actualmente. Estou numa fase em que gosto de cuidar de mim - e vocês sabem que o faço - mas que isso é uma algo mais pessoal e para me sentir bem a nível psíquico. Todos passamos por várias fases de auto-estima e de bem-estar connosco próprias e eu acho que estou a passar pela fase em que me apercebi que já não tenho vinte anos :) Não é nenhum drama, porém ainda levamos um certo tempo a aceitar a "nossa nova pele" sem precisamente fazer disso um grande drama.

 

Levamos um certo tempo a olhar para nós e reconhecer a idade que temos, ou não?

 

Para além disso, obviamente que, de férias, reparamos todos muito mais uns nos outros, nos corpos mais concretamente e sem maldade. Reparamos porque estamos mais expostos fisicamente. E, de facto, chego à conclusão que ser mulher é difícil e que é díficil manter a nossa auto-estima sempre lá no alto quando o nosso corpo passa por tantas alterações físicas e hormonais. Muitas delas deixando marcas para a vida e, muitas vezes, sem conseguirmos que ele corresponda às nossas expectativas. Quando nos defrontamos com a realidade pode acontecer termos que aceitar viver com um corpo que não era aquele que nós tínhamos idealizado, temos que aceitar aquela barriguinha que ficou depois de sermos mãe, a flacidez, as estrias e já nem vou falar da celulite aqui - até porque isso tem sido o tema em outros posts (podem acompanhar a minha guerra declarada à pele casca de laranja aqui e aqui).

 

E consigo chegar ainda a uma outra conclusão: a mulher devia ter direito a um apoio no pós-parto mais completo, sobretudo no que toca à sua recuperação física. Sobretudo porque isso não é um mero detalhe, é algo que nos afecta e, consequentemente, acaba por afectar a nossa forma de estar na maternidade e na nossa relação com o bebé. Gostar do nosso bebé, não substitui o amor que temos que ter por nós e pelo nosso corpo. Não temos que exigir a perfeição, nada disso, mas também não nos podemos resignar e aceitar certas coisas.

 

E, para além disso, existe o factor idade e aquilo que eu sinto é que, a partir de um certa momento, tudo conta. Conta aquela batata frita que comemos num determinado dia; conta os dias em que a perguiça fez com que não fossemos ao ginásio; conta aquele dia mais cansativo em que adormecemos sem tirar maquilhagem; entre tantas outras coisas que até há bem pouco tempo atrás eu nem sequer perdia tempo a pensar nelas. Se calhar é a isto que se chama uma crise de idade. Será? :)

 

Bom... mas tudo isto para vos dizer que adorei andar de fato de banho e que espero que seja uma tendência que tenha vindo para ficar, que continuem a fazer-se modelos giros e modernos e, se possível, amiguinhos da nossa carteira. Não gosto da sensação de gastar mais dinheiro num fato de banho (ou biquini) do que que propriamente em roupa que uso um ano inteiro. E porque esta parte do nosso guarda-roupa já está quase toda arrumada no seu devido lugar, pois dúvido que voltemos a fazer praia, deixo-vos mais algumas fotografias para encerrar o capítulo férias!

 


 


 

 

Agora é tempo de pensar em abrir os roupeiros do Vicente e da Laura e dedicar-me à árdua tarefa de fazer a triagem no guarda-roupa. Quem já começou a tratar disso? Eu ainda só abri a gaveta das calças do Vicente e de todos os (vários) pares que lá estavam, só ficou um... só para terem um pequena ideia!

 

Bom dia!

 

Para quem pergunta, este hotel fica nos Salgados (no Algarve) e chama-se Vidamar Hotels&Resorts. E já agora, deixo-vos alguns dos motivos pelos quais decidimos que parte das nossas férias são passadas neste tipo de hotéis: O porquê de investir neste tipo de férias?

Limpeza de pele: o príncipio de tudo!

05.09.17 | Vera Dias Pinheiro

Ontem, finalmente, fiz aquilo que já devia ter feito há muito tempo atrás, talvez há um ano, quando começei a sentir que a minha pele estava a mudar. Quando senti que os cremes não estavam a fazer o devido efeito e quando os sinais de envelhecimento começaram a ficar mais evidentes. Fui fazer uma limpeza de pele, aliás, foi a primeira que fiz na vida, na Clínica iCare. Foram cerca de duas horas dedicada à minha pele, ao meu rosto e, no final, sai de lá até com a sensação de respirar melhor.


limpeza de pele

Para ser honesta, cheguei a um momento em que nem estava a ser capaz de escrever sobre a minha experiência com os cremes que estou a usar. Lembram-se que vos falei da gama da Eisenberg Paris indicada para peles com manchas? Missão: Rosto limpo e livre de manchas, era assim que se chamava o post. E sei que é um assunto que vos interessa, porque muitas de vós também ficaram com as manchas da gravidez e é algo que é realmente difícil de tratar. Também queria fazer-vos uma review da Foreo Luna 2, que uso para limpar o rosto todo os dias e que até vos sugeri num post dedicado a sugestões para o Dia da Mãe.


No entanto, não estava a conseguir escrever nada. Acima de tudo, sou transparante e sincera na minha opinião sobre os produtos que uso e experimento, como em tudo o resto. E, seguindo esse princípio, a verdade é que estava numa fase em que nada estava a funcionar na minha pele e a culpa era apenas minha. Não prestei atenção a uma série de sinais e cometi o erro básico de não ter preparado devidamente a pele para tudo o que andei a fazer. Fiz inclusivamente um peeling e um tratamento de laser que sei terem ficado aquém dos resultados por não ter a pele verdadeiramente limpa. E, por essa razão, também ainda não vos falei de ambos.


Entretanto, com tudo isto a mexer comigo há já algum tempo, antes de ter ido de férias, decidi deixei logo marcada uma limpeza de pele daquelas à séria, na clínica, para o início de Setembro e ontem foi o grande dia. E não foi preciso ter dito nada para que, com uma mera observação do rosto, se percebesse que efectivamente o ponto de situação não era dos melhores. A pele baça, sem brilho, desidratada, que é já uma característica minha e que se agrava sempre nesta altura do ano, acentuado por tudo o resto, poluição, poucas horas de sono, etc...


A primeira coisa foi preparar-me para a limpeza de pele, é preciso tirar a parte de cima da roupa, colares e brincos. Depois, é deitar, fechar os olhos e aproveitar para relaxar. Ter alguém a cuidar de nós tem sempre essa vantagem. O primeiro passo é, então, a limpeza da pele, seguida da aplicação do tónico e da esfoliação. O passo seguinte são os vapores para abrir os poros e facilitar a extracção, como também permitem a melhor penetração dos cremes que serão aplicados. A fase de extracção não é assim tão dolorosa quanto se possa pensar (e olhem que os meus pontos negros eram dos resistentes). De qualquer forma, não se preocupem, pois logo a seguir vem a parte da massagem e garanto-vos que se esquecem rápido de tudo o resto. Terminamos com a aplicação de uma máscara - que nos permite descansar entre 15 a 20 minutos - seguida da hidratação.


 limpeza de pelelimpeza de pelelimpeza de pele genértic

Convém referir que os produtos são sempre escolhidos de forma personalizada a cada pessoa, ao seu tipo de pele e necessidades específicas. Na Clínica iCare, a marca eleita é a Gernétic, da qual eu tenho muito boas referências e feedback.


Idealmente, é um procedimento que devíamos fazer sempre a cada mudança de estação, ou seja, quatro vezes por ano - disse idealmente! O importante aqui é sentirem a vossa pele e perceberem em que momento é realmente importante agir.


Uma pele verdadeiramente limpa é, sem dúvida, essencial para qualquer outra coisa que façamos e eu nem vos consigo explicar de uma outra forma a minha sensação, que não seja dizer-vos que me sinto a respirar melhor. E hoje, quando retomei os meus cuidados normais, já senti o creme a penetrar de uma outra forma na pele.


Ainda assim, o meu processo ainda não ficou por aqui, pois esperei demasiado e agora é preciso tempo (e paciência) até conseguir que a minha pele volte a ter brilho e o grão mais fino. Só assim ficará naturalmente com um aspecto mais bonito e, consequentemente, libertar-me-a da obrigação de usar base todos os dias. Esse é também um dos compromissos que quero ter: conseguir ter uma pele bonita naturalmente e deixar as bases só para ocasiões mais especificas.

Portanto, o meu grande conselho é: tenham atenção ao sinais de mundança com o vosso corpo, pois é muito mais fácil prevenir do que corrigir. Uma boa limpeza é essencial e tem que ser diária, façam o teste do algodão e só descansem quando ele sair limpinho do vosso rosto. Apostem numa boa hidratação da pele. Como? Através de bons cremes, adequeados ao vosso tipo de pele e com a ingestão de água - é fundamente para termos uma pele bonita, hidratada e, inclusivamente, ajuda a prevenir o envelhecimento da mesma. Não há milagres e se a prevenção deve começar as 25 anos por algum motivo é. Sinto que, nesta fase dos 34, tudo se torna mais lento e difícil. 


A feito este desabafo, acho que já me sinto preparada para vos falar de tudo o resto a seguir.


Para mais informações, aquilo que vos recomendo é contactarem directamente a Clínica iCare - Contactos, sei que o atendimento é de excelência e que vos ajudar em tudo. Só tenho as melhores referências para vos dar.


Boa noite.


 

Vencedores | Passatempo kids Natural

04.09.17 | Vera Dias Pinheiro

Sem grandes demoras, venho partilhar os nomes dos três vencedores do Passatempo em parceria com a marca Kids Natural, os novos purés 100% fruta. E sem qualquer ordem de relevância, aqui estão eles:


Stela Silva (da Covilhã)


Sofia Oliveira Amaral (da zona de Lisboa)


Elisa Esteves (de Olhalvo)


Cada uma de vós irá receber, no endereço que deixaram no vosso formulário, um cabaz cheio de produtos Kids Natural, contendo 10 embalazes de purés 100% fruta (sabores morango-banana e pêssego-manga).


 

E para todos aqueles que tem perguntado onde comprar, sugiro que vejam este link (http://kids-natural.com/onde-comprar/), pois, para além de poderem comprar directamente no site, existem alguns locais (grandes superficies) onde poderão comprar directamente.


De qualque forma, eu prometo tentar trazer mais novidades desta marca aqui para o blog em breve. Parece-vos bem?


Resta-me, agora, agradecer a todos aqueles que participaram e, claro, dar os parabéns às três vencedoras. Os vossos contactos já foram dados a quem de direito, por isso, é só aguardar que o Cabaz Kids Natural vos bata à parta :)


 

Boa noite.


O fim das férias e o regresso às rotinas |Dia 1

04.09.17 | Vera Dias Pinheiro

Na verdade, nem tivemos muito tempo para sentir aquela "ressaca" do fim das férias, uma vez que no dia seguinte ao regresso (hoje, portanto), o despertador já estava sintonizado na hora normal. E o nosso domingo acabou por ser passado a desfazer malas, a organizar o regresso à escola, a organizar a casa (nomeadamente, não deixar de ir ao supermercado). Enfim, vocês sabem tão bem como eu, o que este recomeçar significa. Não é verdade?


E tirando o cansaço, de quem não teve tempo para descansar das férias (o sono não é o nosso problema, uma vez que os nossos horários são praticamente sempre os mesmos), todos nós estavamos felizes com a chegada deste dia. Bom, todos tirando a Laurinha que não percebeu porque é que o pai e o irmão se estavam a ir embora sem ela. Pois, efectivamente, hoje não houve pequeno-almoço de hotel e nem nos preparamos para passar o dia na piscina. Hoje, as roupas eram outras - aliás, acordamos com uma chuvinha boa - haviam sacos à porta e uma mochila pronta do dia anterior, cheia de sonhos lá dentro, cheia de histórias para contar e uma enorme ansiedade de reencontrar os amigos. Com efeito, no nosso regresso não houve choros, nem hesitações, muito pelo contrário.


Eu e o meu marido, por sua vez, assumimos a nossa necessidade de ter algum tempo sem filhos por perto. Ansiamos por uma  uma refeição calma, sem sopa por todo lado, sem pedidos ou exigências, sem deixar a nossa comida ficar fria, sem pedir 13 987 para terem calma, outras 23 988 para não atirarem comida para o chão (a Laura) ou, então, para que coma sozinho (o Vicente); e não ouvirmos chamar pelo nosso nome em modo "non-stop" e ganhar algum "easy living", porque as crianças consomem todo o nosso tempo e atenção - são um autêntico "full-time job".


Ontem, no regresso a casa, comentava que vivia em dois pólos opostos: oscilo entre a vontade que tenho de os comer com beijos e abraços e a vontade de me tornar invisível :) Afinal, não há como não sentir, ao dia de hoje, uma certa sensação de "missão cumprida" e o melhor barómetro para avaliar os últimos dias é olhar para as crianças, a pele morena, os pés que já mal cabem nos sapatos, as roupas que ficaram mais justas, os corpos mais esguios... Sem dúvida, as crianças crescem mais no verão e eu fico tão feliz que o façam junto de nós.


E, para quem aproveita até à última, a semana a seguir ao fim das férias, é sempre uma correria porque vamos fazer tudo aquilo que não tivemos tempo para fazer durante as férias: cortar o cabelo ao Vicente urgentíssimo; organizar o guarda-roupa; e eu própria, claro, que preciso de cuidar de mim e esta é a altua ideal, na minha opinião, para alguns cuidados extra: cabelo, mãos e pés e pele!!!!


Eu sei que vocês não gostam nada que eu diga isto, mas, cá dentro, já só penso no Outono e nos dias mais frescos. Se os dias demasiado quentes continuam, já fico sem saber o que vestir, pois já vesti tudo centenas de vezes e, para além disso, acho que as idas à praia já terminaram. Enfim, chega Setembro e, na minha cabeça muda o chip e eu começo a pensar na estação seguinte e com a cabeça focada nos planos para este "novo ano".


E por aí, o que significa este mês de Setembro? Partilham do sentimento de recomeço de ano, pensam nos dias mais amenos... ou sou apenas eu? :)


P.s: As mensagens e os e-mails por responder, assim como apurar os vencedores do passatempo Kids Natural vão ser a minha prioriade para o dia de hoje. Fiquem atentos, especialmente quem participou no passatempo.


Bom dia!


Hotéis para famílias | O porquê de investir neste tipo de férias?

01.09.17 | Vera Dias Pinheiro

hotéis para famílias

1.Porque torna as férias em família mais ligeiras.

 

Sabemos que, independentemente de serem férias ou não, a verdade é que, com filhos, temos sempre uma série de obrigações e rotinas inerentes que nos impedem de aproveitar as férias como antes (dos filhos). Estes locais estão pensados para aliviar os pais dessa responsabilidade, nomeadamente no que toca a arrumar a casa, pensar nas refeições e confeccioná-las, além de estar constantemente e pensar em programas para distrair as crianças.

 

2. Por causa da sua localização e polivalência.

 

Regra geral, são locais bastante próximos da praia e com pelo menos duas piscinas. Com efeito, deixamos de ter que pensar nas várias deslocações ao longo de um dia (todos os dias). Uma das coisas que mais cansa (pais e filhos) é o constante entra e sai do carro, muitas vezes, por apenas duas horas. Com horários mais apertados, os dias acabam por parecer maiores, pois acabamos por poupar muito tempo. Podemos acordar mais tarde - quem não tiver filhos madrugadores - aproveitar a hora da sesta para finamente apanhar um pouco de sol.

 

3. Por causa do Regime de meia pensão ou pensão completa.

 

É sempre muito interessante aproveitar as férias também para fazer novas descobertas gastronómicas, no entanto, com filhos pequenos , a procura de restaurantes e incerteza de quanto tempo iremos esperar, é também uma condicionante - como pudemos comprovar durante as nossas férias em Lagos. Nestes hotéis, é realmente um ponto a favor saber que não temos que nos preocupar com o que as crianças vão comer, a que horas, se há tempo de espera e se a oferta vai ser mais ou menos diversificada. Para além disso, o facto da alimentação estar já incluída no preço, retira-nos um peso e permite-nos controlar melhor o orçamento, pois grande parte do investimentodas férias é gasto em alojamento e alimentação, como sabemos.

 

4. Por causa do convívio e as actividades para crianças.

 

De uma forma ou de outra, acabamos sempre por conviver e conhecer outras pessoas, ou porque estamos sempre na mesma zona da piscina, ou por que nos cruzamos no buffet váias vezes, ou porque as crianças simpatizam umas com as outras. Depois, há todo um conjunto de actrividades pensadas para as crianças das várias faixas etárias. Obviamente que, a partir dos quatro anos é a idade recomendada, mas esta semana levámos a Laura à "discoteca" (entre as 21h e as 21h30) das crianças e ela dvertiu-se como tantas outras mais velhas do que ela. Aliás, está muito bem pensado, pois gastam aquela energia após jantar e ficam prontas para ir para a cama a seguir.

 

5. Por causa da proximidade de tudo o que precisamos.

 

Do quatro, dos restaurantes, do KidsClub, das piscinas, da praia, das casa-de banho torna o dia a dia muito mais relaxado e tranquilo. Sem correrias para nada e sem ter sentir o cansaço de ter que andar com a casa praticamente às costas.

 

Este ano tivemos as duas versões de férias. Depois de uma primeira semana mais à aventura e com toda a logística (casa, cozinhar, ir e vir da praia, etc), chegar aqui é como que o nosso relaxamento antes de entrar novamente na rotina. O Vicente não podia estar melhor, pois tem o que mais gosta de manha e à tarde: piscina! Tem sido bom para aperfeiçoar o que já aprendeu na natação, por isso decidi não fazer muita pressão para irmos para a praia. Eu e o meu marido "só" temos que nos preocupar com o básico que, mesmo assim, já é tão intenso e exigente.

 

Claro que são destinos que implicam uma certa disponibilidade financeira, mas, nesse caso, o meu conselho é que logo no início do ano estejam atentos a todas as promoções que existem. Eu já vos disse que este semana de férias está reservada desde fevereiro, não foi?

 

Na minha opinião, as ferias não são um luxo, mas um bem necessário no seio de uma família, são dias mais relaxados, dias em que estamos totalmente disponíveis uns para os outros, dias importantes para construir memórias e para fortalecer os laços entre todos.  Portanto, a alinea férias é uma parte importante quando pensamos o nosso orçamento familiar.


 

Também poderão gostar de ler: 10 Factos sobre os hotéis para famílias

 

Pág. 4/4