Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Essa história da parentalidade positiva...

26.04.17 | Vera Dias Pinheiro

Ando em constante auto-controlo, enquanto mãe, sem tentar me esquecer de tudo o leio e aprendo sobre parentalidade positiva. O Vicente deixou de dormir a sesta por completo - escola incluída - e eu vivo em auto-controlo para que não entremos em confronto a todo o momento. Lido com ele como se tivesse uma bomba relógio nas mãos, o que implica termos todos os cuidados para que não exploda e, mesmo vivendo neste auto-controlo constante, há momentos, em que eu própria me canso de ouvir a minha própria voz.


Vicente, pára!


Vicente, não!


Vicente, já te avisei!


Vicente, por favor!


Vicente, não ouves a mãe?


Vicente, por favor, levanta-te do chão/não grites/não respondas mal!


Vicente! Vicente! Vicente!


Os bebés dão trabalho, mas não exigem este esforço mental e emocional que os quatro anos exigem - e suponho que, daqui para a frente, educar parta muito disto. Eu vivo em auto-regulação e tento ser o mais compreensiva e paciente possível. Mas... e quando eles fingem que não nos ouvem? Quando nos respondem com expressões impróprias para a sua idade? Quando gritam e esperneiam sem parar? Quando combinamos uma coisa e eles acabam por fazer tudo ao contrário? Quando cedemos em prol da paz do momento e, mesmo assim, eles tentam colocar-nos à prova? Quando é que a minha auto-regulação me vai ajudar a não gritar, a não dar uma palmada ou, então, a não dar algo em troca de um comportamento que eu quero? Quando?


Sei que, na prática, é tudo muito diferente daquilo que lemos nos livros sobre parentalidade positiva ou nos livros que nos ensinam a falar para as crianças ouvirem. Sei que, no cara-a-cara, às vezes, nada parece resultar e eu acabo por vacilar à grande. Ainda assim, conforto o meu coração de mãe, quando me apercebo que a base está lá, aquilo que ele finge não ouvir, fica lá e que, na sua relação com o mundo e os outros, ele é um bom menino e é um menino meigo.


No entanto, no meu profundo esforço de auto-regulação não deixo de me sentir encurralada no meio de tantos princípios educativos, face aos quais eu, muitas vezes, não consigo estar à altura. O não gritar, o não à palmada, o não à recompensa, o não a tantas coisas e o sim, à compreensão, ao diálogo, ao conforto, à segurança... aahhhh e eu que quero ser essa mãe carregada de mind-fullness e que, tantas vezes, sou uma mãe que gere o momento em função das exigências do dia-a-dia?


Ontem tive um dia muito difícil com o Vicente, talvez o pior. Não quis escrever a quente, não quis reagir no momento e deixar que a fúria - e também muita frustração - se apoderassem das minhas palavras. Mas foi um dia em que tive vontade de sair, passar a pasta de mãe a outra pessoa e deixar de sentir esta responsabilidade tão grande por alguém. Obviamente que não o desejo fazer, simplesmente, há momentos em que me sinto impotente na forma como hei-de resolver a situação.


Como é que anda esse equilíbrio por aí?


Seguem todos os princípios da parentalidade positiva?


 

Ô Hotel Golf Mar Vimeiro: O que é que o Oeste tem?

26.04.17 | Vera Dias Pinheiro

 

O Oeste tem a facilidade para quem, como nós, se desloca de Lisboa, de estar apenas a cerca de 50 minutos de distância. Para além disso, tem praias para as quais nos deslocamos, calculo eu, sem o trânsito que apanhamos para a Costa da Caparica e tem, ainda, uma paisagem bonita, que nos transmite alguma calma e tranquilidade - propícia a quem fugiu do reboliço da grande cidade.

 

Mas, o Oeste tem também o Ô Hotel Golf Mar Vimeiro, com uma localização privilegiada e uma vista magnifica, no qual só agora tivemos a oportunidade de estar. Havia imensa curiosidade e vontade de lá ir, pois já tinha ouvido falar muito deste hotel, especialmente pela sua característica de bem receber famílias com todas as comodidades que precisam.

 

Chegámos na sexta-feira santa, para passar todo o fim-de-semana da Páscoa. A viagem foi rápida e mal chegámos, percebemos que a vista é realmente qualquer coisa de extraordinária e de relaxante. O nosso quarto, não sendo uma suite, era bastante espaçoso e deu perfeitamente para nós os quatro, com: uma cama de casal, uma individual e ainda um berço para a Laura.

 

Como ainda era cedo, a primeira coisa que fizemos, assim que deixámos as malas, foi explorar o hotel.

 



    • Tem piscina interior e exterior, ambas bastantes agradáveis e convidativas a alguns mergulhos - de água natural sem cloro;

 

    • A praia é bastante próxima, acessível a pé - mas sem carrinho de bebé, pois a descida é feita em escadas. A praia que está mesmo ao lado é a de Santa Rita, mas tem outras;

 

    • Tem um kids club para os miúdos que se entretêm sozinhos a brincar com outros miúdos - o Vicente ainda não vai nessas coisas;



kids club



    • Tem o Club Aventura com várias actividades para as crianças, embora não seja exclusivo aos hóspedes do hotel. Os insufláveis, as balizas para jogar à bola, o mini-golf e os jogos tradicionais são apenas alguns exemplos;



    • E, no domingo de manhã, uma caça aos ovos no jardim, seguido de um almoço de Páscoa no restaurante.

 

Durante a nossa estadia, comentamos muitas vezes - regra geral, sempre que estávamos no restaurante - que é um Hotel de três estrelas muito acima da média, superando, sem dúvida, quaisquer que fossem as nossas expectativas. Já no regresso a casa, trouxemos muita vontade em voltar, mas da próxima vez para fazer a vida de praia e piscina a sério.

 

Despedimo-nos das paisagens do Oeste já com a próxima visita no pensamento. Como dizia, de forma inspirada e literária, um dos guias turísticos disponíveis no quarto: a Oeste, tudo de novo! Experimentem!

 

Percorram a galeria para verem mais fotografias.

 

 

Boa Tarde!

Giveaway: Oblumi Tapp, o termómetro inteligente

25.04.17 | Vera Dias Pinheiro

 

Falei-vos há algumas semanas atrás do Oblumi tapp, o termómetro que permitia medir a temperatura (da febre, mas também de líquidos) através do telemóvel. Quem não se recorda, basta aceder a este link e reler o post que escrevi na altura: Termómetro: Medir a Febre com o Telemóvel  Desde então, é verdade que usei este aparelho apenas uma única vez - o que, neste caso, é um bom sinal - mas tenho a aplicação instalada e só não me posso esquecer de colocar por perto o telemóvel uns minutos antes, para que tudo funcione na perfeição.

 

E para quem levantou a questão, este termómetro também funciona com o telemóvel em modo de voo. E para quem suspirou, pensando como seria bom poder ter um Oblumi Tapp só para si - pessoas que tal como eu, sabem que não se podem fiar nos termómetros comuns, eu pelo menos já tive uns três ou quatro - estejam atentos a este post!

 

Em colaboração com a marca, tenho para vos oferecer um exemplar deste termómetro inteligente, no entanto antes de passarmos às condições do passatempo, relembro apenas que devem ser portadores de um telemóvel com sistema IOS ou Android para que a aplicação seja compatível e funcione na perfeição. E agora sim, atentem naquilo que é preciso fazer para se habilitarem a ganhar um Oblumi Tapp.

Condições de participação no passatempo:



 

 

    • Partilhar o post do passatempo no Facebook e marcar dois amigos que gostassem igualmente de experimentar o Oblumi Tapp;

 

    • Preencher o questionário abaixo com os dados para depois procedermos ao envio do prémio ao vencedor:



 

Este passatempo que tem agora início, irá terminar no próximo dia 2 de Maio de 2017, às 23h59, sendo o vencedor apurado aleatoriamente via Random.org e anunciado no dia seguinte.

 

Participem! Partilhem! Boa sorte!!!

Hospital da Bonecada: Têm Mesmo Que Ir

25.04.17 | Vera Dias Pinheiro

 

Foi ontem que teve início a 16ª Edição do Hospital da Boneca, uma iniciativa da Associação de Estudantes da NOVA Medical School, mais uma vez acolhido pelo Centro Colombo. E eu, embora já conhecesse a iniciativa e tivesse bastante curiosidade, não achei que o Vicente fosse desfrutar da experiência como realmente merece antes dos quatro anos, conhecendo-o como eu conheço - e tinha razão.

 

Mas ontem lá fomos nós pela primeira vez e a verdade é que, o lado mais envergonhado do Vicente (e também mais agarrado à sua mãe) só durou nos primeiros gabinetes médicos. Quando dei por ele, já andava mais solto e com mais interacção. Obviamente que levamos os bonecos que estavam mais adoentados para observação: o bebé da Laura e o Thor (obrigada à seguidora que me corrigiu no nome certo deste senhor) que, segundo o Vicente, estaria magoado no braço, com dores de barriga e muita tosse.

 

E, como em qualquer outro hospital, começa-se pela Sala de Triagem, onde é determinado o nível de gravidade dos problemas de saúde. De seguida é feito todo um percurso em torno das várias especialidades, onde as crianças são recebidas por estudantes de medicina voluntários que fazem algumas actividades com elas, ajudando a cuidar dos seus boneca e, claro, com o grande objectivo de desmistificar o medo em torno do hospital e das batas brancas.

 

Tal como eu suspeitava, o único local que mais afligiu o Vicente foi o dentista - lembram-se deste episódio? Pois, desde aí que ficou algum medo. Aceitou ver tudo, mas recusou-se a sentar na cadeira. Em contrapartida, o que ele mais gostou foi de tirar sangue, observar as plaquetas, perceber os "bichinhos que estavam a fazer mal ao Thor e tratá-lo, mas também gostou dos exercícios de alongamento que aprendeu na sala de fisioterapia e de fazer radiografias.

 

Coisas boas que devo assinalar: não existe a confusão que eu pensava existir e que, embora a ideia fosse muito gira, na prática não deixasse que as crianças realmente usufruíssem de tudo. Mas não, as entradas são controladas no número de crianças de forma a evitar a confusão e garante-se que todas as crianças passam por todas as estações, fazendo todas as actividades. Por isso, não tenham receio.

 

À entrada, as crianças são identificadas (e quem está com ela também) já que no Hospital são entram a bonecada e a criançada. Na sala de triagem recebem o boletim de saúde, que vai sendo preenchido ao longo do caminho pela várias especialidades. Vocês podem ir acompanhando tudo do lado de fora, tirar fotografias e tudo mais. No final, as crianças recebem um saquinho com lembranças e os abraços dos pais, tão orgulhosos dos seus médicos de palmo e meio - eu pelo menos fiquei :)

 

Quem também foi connosco, foi a Laura que, atrevida e cheia de energia como ela é, ao contrário do irmão, estava em casa e correu aquilo tudo sem qualquer problema ou vergonhas. Houvessem braços e força para a segurar, pois por ela ainda hoje lá estaríamos.

 

E agora, algumas fotografias para vocês.

 

  

Não se esqueçam:

 

Hospital da Bonecada

 

Quando? Entre o dia 24 e o dia 30 de Abril

 

Onde? Praça Central do Centro Colombo

 

Para quem? Crianças entre os 3 e os 10 anos

 

Horário? Das 9h às 21h

 

Gratuito

 

APAREÇAM!

Boa tarde e bom feriado.

 


 

No meu guarda-roupa: essenciais #1

24.04.17 | Vera Dias Pinheiro


Há um novo modelo de jeans queridinho no meu guarda-roupa e que veio destronar as skinny jeans que há já algum tempo não me deixavam tão confortável como antes. Tudo demasiado apertado para que me sentisse verdadeiramente bem.
E foi nesta insatisfação que fui à nossa amiga Zara decidida a encontrar um novo modelo de calças favorito. E, embora não tenha sido uma missão muito fácil, pois a grande maioria dos modelos são todos muito marcantes e com características muito próprias que, à primeira vista, podem ser um verdadeiro NOT, vim de lá com dois modelos completamente diferentes - e talvez, um mais controverso que o outro.
Para já, mostro-vos aquele que será o menos controverso: as cropped flare jeans - se ainda se baralham com tantos nomes e tantos modelos diferentes, não se sintam mal. Só agora é que eu estou a prestar mais atenção também e tive que guardar as etiquetas para não me esquecer dos nomes técnicos. Mas explicando melhor, este modelo de calças é justo até mais ou menos à zona do joelho, para depois alargar, como se fosse uma espécie de boca de sino. Em termos de cumprimento, são mais curtas que as normais, ficam ali pela zona da canela, mais ou menos. E as minhas, têm ainda a particularidade de serem de cintura subida (na medida certa).
À primeira vista podem parecer um pouco estranhas e não agradar a toda a gente - eu também senti isso - no entanto, assim que as vesti percebi que são do mais confortável que existe. Farta de calças rasgadas, uma vez que, com o uso, os rasgões ficavam com um aspecto super esquisito, este modelo caiu em graça e veio comigo. E o facto das cropped flare jeans serem justas na parte de cima, faz com que sejam mais versáteis do que um outro modelo que seja todo mais largo e, por isso, adaptam-se a todo o meu guarda-roupa.
Não sei explicar-vos isto de outro maneira, que não seja, dizer-vos que são mesmo do mais confortável que existe e a silhueta ficam mais afinada com a cintura subida. Enfim, experimentem e depois, digam-me o que acharam.
Nota: Link directo para o modelo na fotografia onde está o nome deste modelo. O mesmo para o modelo dos meus ténis e da minha mala, outras duas coisas que uso e abuso!
Boa noite!
 

3 Sobremesas fáceis e rápidas para o feriado

24.04.17 | Vera Dias Pinheiro

 

Na semana passada estive no workshop "Happy Tastes" da Loacker, no Hotel Valverde, em Lisboa, pela mão da chef Carla Sousa, para experimentar três sobremesas. Foi um fim de tarde em boa companhia, no qual fomos todos surpreendidos com a versatilidade das bolachas wafers - que eu adoro - em formato de mini quadradinhos e que se comem como se fossem pipocas.

 

Em menos de nada, estávamos perante três sobremesas diferentes, todas elas feitas em poucos minutos, sem serem necessários demasiados recursos e em que o ingrediente principal eram, então, as Loacker Quadratini. A ocasião foi perfeita para associar estas três sobremesas às últimas novidades desta mesma marca: as quadratini cacau e leite, as quadratini de côco e as quadratini limão.

 

Quem me segue pelo Instagram - se ainda não o fazem, please do it: @veradpinheiro - teve a oportunidade de comprovar o aspecto maravilhoso de todas elas e eu posso comprovo-vos o sabor delicioso também de todas elas. Vão por mim! E como é natural, houve até quem me perguntasse se não poderia partilhar as receitas. Pois bem, embora eu tenha tentado poupar-vos a eventuais estragos na dieta, achei que, mesmo correndo esse risco, estas receitas são uma excelente forma de surpreender e de bem receber alguém em nossa casa.

 

E assim, para começar bem esta semana - que, aliás, nos brinda com um feriado já amanhã - convido-vos a experimentarem estas três sobremesas.

 

Preparados?

 

Apenas têm que seguir o slideshow até encontrarem as seguintes receitas:



    1. Tiramisú com quadratini de Cacau e Leite

 

    1. Salame com quadratini de Côco

 

    1. Mousse de Limão com quadratini de Limão




 

E que tal? Eu não vos disse que eram realmente fáceis de fazer? E aposto que ficarem igualmente surpreendidas com a utilização que se pode fazer destas mini wafers da Loacker, não foi?

 

Eu estou a planear fazer o salame com o Vicente hoje, já que ficou em casa - algo que ele agradece - e tem muita energia para gastar, ainda mais agora que deixou de dormir a sesta de vez.

 

Boa tarde.

Um fim-de-semana com as voltas trocadas...

23.04.17 | Vera Dias Pinheiro


Foi um fim-de-semana daqueles "assim-assim", aqueles fins-de-semana que eu sei automaticamente que, quando começo por desmarcar alguma coisa que tinha na agenda, isso é, a partida, um mau sinal. O improviso nestes casos não resulta bem!


 


Ainda assim, tentei compensar pensando que, em alternativa, este fim-de-semana seria o ideal para fazer algumas arrumações que tenho adiado; dar umas voltas que durante a semana não consigo dar; fazer algumas trocas nos guarda-roupa para a roupa mais fresca. Este tipo de coisas. Sendo que, havendo bom tempo, para os miúdos uma simples ida ao parque ao pé de casa transforma-se num programa espectacular! E por eles esse não seria o problema. Mas... e aqui começam aquelas coisas pequeninas que acabam por se transformar numa coisa muito grande e que condicionam por completo o nosso estado de espírito.


 


Para começar, o Vicente teve a sua primeira semana sem sesta na escola e os dias tem sido geridos com mil e um cuidados para que as birras permaneçam controladas dentro do possível - assim, como nós. Depois, fazer arrumações com filhos em casa, dá-me sempre a sensação que eu simplesmente tiro de um lado para colocar no outro, já que sou interrompida um sem fim de vezes, sem mencionar que está sempre na hora de fazer alguma coisa. Ou é a fralda que é preciso mudar; o lanche que é preciso preparar; ir à casa-de-banho; preparar e dar o banho; e, num ápice, está na hora do jantares, de adormecê-los e, no final, percebemos que estamos tão cansada que adormecemos com eles. Quando damos por isso, são três da manhã, logo, horas de... (continuar) a dormir!


 


A parte boa foi ter aproveitado para fazer uma espécie de "detox digital" e de ter aproveitado para pôr em dia o tempo de qualidade com os meus filhos, eles merecem e eu também. Tínhamos duas Bububox por abrir em conjunto cá em casa, uma para celebrar o primeiro aniversário da Laura e outra, uma Bububox Kids, cheia de desafios e brincadeiras para fazer-se em família. E foi com elas que passamos boa parte do nosso fim-de-semana.


 


Porém, não menos importante, é de referir os passinhos (pouquinhos ainda) da Laura totalmente sozinha,  ela radiante com ela mesma e nós, claro está, emocionados e a festejar esta sua grande conquista. Já vos disse, que ela já diz muitas coisas e que é danada para a brincadeira? Está sempre a desafiar-nos e as escondidas são a sua brincadeira preferida - e também, que o irmão é quem recebe mais beijinhos e abraços?


 


Estar em casa tem um lado bom, eu gosto e o Vicente é bastante parecido comigo (também) nisto, mas estar em casa e sentir que passamos o fim-de-semana sempre a trabalhar, isso é uma outra coisa bem diferente. Perdi a conta às maquinas da louça e às de roupa que foram feitas; à quantidade de roupa que há para passar a ferro; à sopa que entretanto também acabou, às refeições que são precisas planear minimamente e que nos obrigam a fazer algumas viagens ao supermercado.


 


No entanto, se isto significar que vou ter uma semana mais descansada a este nível, então, está tudo bem! Mas a questão é: nós sabemos que não vai ser assim, não é?


 


Bububox é uma caixa de descobertas destinadas a bebés entre um mês e os três anos de idade. Todos os meses recebem uma caixa diferente, com vários produtos cuidadosamente escolhidos a pensar no melhor para os nossos bebés/crianças - puericultura, higiene, roupa, alimentação, cosmética e jogos/brinquedos - e adequados à idade, à fase de desenvolvimento e ao sexo do bebé.

 


Mas o melhor mesmo é visitarem o site da Bububox (http://www.bububox.pt/) e descobrirem todas as vantagens que estas caixinhas vos podem trazer.


 


E, por aí, como foi o vosso fim-de-semana?


 


Boa noite.