Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

...

13.04.17 | Vera Dias Pinheiro
empre com um grande mal estar, idas frequentes ao hospital - e sempre com o mesmo diagnóstico: uma virose - sempre indisposta, inchada e com dores abdominais. Esta é a história da minha vida, cheguei a estar internada, pouco tempo antes de engravidar do Vicente, e com bastante gravidade, tendo acabado por sair do hospital sem saber exactamente o que tinha. 

No entanto, a gravidez, mais concretamente a recuperação pós-parto, foi o pretexto e a força para uma mudança dos hábitos alimentares. Uma alimentação mais equilibrada e verdadeiramente saudável ajudaram-me a perder peso e a sentir-me melhor comigo mesma, mas não a livrar-me deste mau estar, nem sempre fácil de correlacionar com um alimento/refeição em particular. Cheguei a fazer diferentes tentativas com diferentes nutricionistas, mas a resposta não estava ali. Por isso, há muito que desejava fazer um estudo mais aprofundado sobre mim e isso passava por um teste de intolerâncias alimentares, algo que sempre fui adiando - a questão do preço e o facto de não ser comparticipado pesavam. 

Porém, há poucos dias estive na clínica ICare, situada nas Twin Towers, em Lisboa, para fazer o teste de intolerâncias alimentares, com a Dra. Paula Henriques, directora da Clínica. Este teste é feito através de bioressonância. O que é que isto quer dizer? Durante 16 anos, vários alimentos foram estudados em laboratórios e a engenharia electrotécnica retirou a frequência vibracional desses alimentos. Para este exame, é usado, então, o biofeedback que vai medir a energia dispendida na absorção desses mesmos alimentos. Esta medição é feita nos dois polegares, por ser bastante prático, mas podia ser feita em qualquer outro ponto (de acupunctura) e, por isso, é não evasivo.

O resultados são apresentados em forma de gráfico e a interpretação dá-se da seguinte forma: todos os alimentos que aparecerem a encarnado encontram-se automaticamente na categoria daqueles a evitar. No entanto, dentro destes, há aqueles de tolerância moderada (< - 30) e aqueles que são de intolerância grande e muito grande (< - 50).

O custo deste exame é de 75 euros e, obviamente, o que não deixa de ser um investimento, mas pensar em alimentação é sinónimo de pensar em saúde e face ao preço do exame tradicional é consideravelmente mais barato. Cada vez mais, a ênfase deve estar no uso da alimentação não com o foco no emagrecimento, mas sim para a prevenção de doenças e para uma melhor qualidade de vida. mas para isso é preciso conhecermos o nosso corpo, o que lhe faz bem e o que o intoxica - porque o grande problema está no nível de "processamento" que os alimentos têm actualmente.


Quanto aos meus resultados, tive mais certezas do que surpresas e não, não saí de lá em pânico, apenas com a consciência de que as mudanças serão mais consistentes porque eu já tenho a certeza do que me faz mal, menos bem e o que é bom para mim.  

Mesmo para os mais cépticos, esta é uma experiência que pode mudar positivamente o vosso bem-estar e prevenir problemas futuros.