Antes de falar da vida doméstica, começo pelo desabafo de uma mãe que decide sair à noite e desafiar as leis da maternidade. Pois, foram precisos dois dias – e estou a ser simpática – para recuperar da noite do Revenge of the 90s. Uma noite épica, é certo! Parece que o tempo não passou, mas a verdade é que temos já tantas memórias que fazem parte dos nossos anos noventa e, desde então, já muitos anos se passaram. Muitos anos desde que delirávamos com as Peta Zetas, a música dos patinhos, as Spice Girls, o programa da Ana Malhoa, Buerere, os palhaços Batatinha e o Companhia… ai tanta coisa!

E mesmo que o Vicente e a Laura não se tenham apercebido da noitada dos pais, uma vez que só saímos de casa com eles a dormir, mesmo assim, parece que eles pressentem as coisas e acordaram ainda mais cedo! Acordaram ainda com mais fome e a implicar ainda mais um com o outro.  Quem visse de fora, diria que tinham sido eles a deitar-se a altas horas da noite e a reclamar de terem que acordar cedo.

Pois que sair à noite e ter filhos à nossa espera, é saber que não podemos reclamar por ter que acordar cedo. Se não sabíamos, devíamos saber que aquela noite vai ficar perdida, porque as horas que não dormimos não vamos conseguir recuperá-las, com sorte conseguimos dormir a sesta com eles ou deitar-nos mais cedo com eles. Caso contrário, é aguentar o ritmo, a rotina e a energia de todos os outros dias, até porque criança alguma com um e cinco anos, vai entender o nosso estado!

A única alternativa será subornar os miúdos e deixá-los, por exemplo, ver mais televisão, lanchar na sala, desarrumarem o que quiserem e o que mais se lembrarem e servir para os deixar entretidos o maior tempo possível. E, confesso, que foi mais ou menos assim o nosso sábado.

Depois, há toda uma vida paralela (na nossa vida), que é a vida doméstica! Pelo menos, por aqui, por mais que tenha alguém que me ajuda com a limpeza da casa, isso é realmente apenas uma ajuda. Tudo o resto, que é ainda muito, fica por minha conta e ainda que tente ser o mais prática possível e não deixar que a vida doméstica nos atrapalhe os fins-de-semana, nem sempre é assim!

Depois de fins-de-semana mais corridos, outros fora de casa, aproveitei este para ir pondo algumas coisas em ordem! Afinal, há um certo jeito que apenas nós conseguimos dar à nossa casa e os dias sol, acabam por me inspirar a fazer estas coisas. Gosto de dar uma arrumação aos armários, mas especialmente, gosto de ir fazendo uma limpeza a tudo o que está a mais e contrariar ao máximo a tendência para acumular.

Por muito que nos esforcemos, a nossa vida tem uma série de rotinas e, por vezes, os dias são completamente preenchidos por elas. Fomos entretendo os miúdos, chamamos as avós para lhes dar uma atenção especial e tornar os dias diferentes. mas temos que assegurar determinadas coisas.

Quando mudei de vida achava que ia ter mais tempo, era essa uma das minhas premissas. Contudo rapidamente, apercebi-me que a vida adulta está organizada de forma a sermos engolidos pelas tarefas, obrigações e por tudo aquilo que se torna mais urgente na nossa vida. E por muito que vos possa ser difícil de acreditar, trabalhar em casa e ser freelancer poder ser tão ou mais exigente que um trabalho dito convencional. Quando digo mais exigente é porque uma das minhas principais dificuldades é saber gerir os horários. Quando paro para fazer uma coisa, mal olho para o relógio já estou em cima de outra coisa para fazer. E os dias passam-se comigo a saltitar de uma coisa para a outra.

Desde quinta-feira que não publiquei um post aqui. Algo praticamente inédito e que, a mim, me causa um certo desconforto. Contudo, um dos princípios que me impus para 2018 foi o de aceitar. Só assim vou conseguir não entrar nos desgaste físico e psíquico a que cheguei no final do ano passado. E porque não quero voltar ao registo de dormir apenas três horas por noite. Aceitei que há dias em que outras prioridades se impões e que, ao mesmo tempo, os meus filhos precisam sentir uma mãe presente em casa e não uma mãe que está em casa sempre com outra coisa para fazer.

Sei que os dias de sol nos puxam para sair de casa, mas os dias de sol deste fim-de-semana serviram para nos aquecer mesmo dentro de portas. Foram inspiradores para a nossa vida doméstica, para o tempo para os filhos, para descansar cada instante que foi possível e para organizar mais uma semana que aí vem… e que semana! E foram bons para simplesmente desfrutar da nossa casa, já que passo a vida a organizá-la e raramente desfruto dela! 😊

O vosso fim-de-semana foi bom?

Comentários

comentários