Milão foi o nosso destino de férias e não podíamos regressar com as baterias emocionais mais carregadas. Admito que o facto de ter ido sem demasiadas expectactivas – para além da aventura em si – tenha contribuído para isso. No entanto, tal como a maioria de vós, eu sempre ouvi dizer que para além do Duomo de Milano e das Galerias Vittorio Emanuele, nada mais há para ver. Pois, de resto, são só lojas!

Obviamente que não podemos comparar Milão com, por exemplo, uma cidade como Roma ou Florença. Ainda assim, depois destes cinco dias, não posso concordar. Milão é uma cidade com muito para ver, para absorver, os “milaneses” são pessoas extremamente simpáticas e prestáveis, seja na rua, seja nos estabelecimentos comerciais – estivemos constantemente a ouvir se precisávamos de uma ajuda – e a cidade em si oferece óptimas condições para quem viaja com filhos pequenos – ao contrário de muitas outras.

É uma cidade que se faz muito bem a pé, é plana e tem bons passeios e acessos para quem anda com carrinhos de bebé como é o nosso caso. Ainda assim, se quiserem têm o metro à vossa disposição com elevadores em praticamente em todas as estações e que funciona muito bem.

Destes cinco dias, três (e uma manhã) foram passados nesta cidade – e os outros dois foram para fazer pequenas viagens, outras das vantagens é a possibilidade de apanhar um combóio e aproveitar para conhecer outros locais. Nós optamos por Verona e pelo Lago di Como.

Nos três dias de Milão, optamos por dividir o mapa da cidade em três zonas e em cada uma delas tínhamos mais ou menos uma ideia, mas também deixamos margem para a aventura.

  • No primeiro dia, percorremos o Parque Sempione, onde está situado o Arco da Paz, um enorme espaço, nesta altura do ano, com cores de Outono, localizado mesmo ao lado do Castelo Sforzesco. Este Castelo data do século XIV e actualmente é sede de vários museus. É ainda aqui que, por exemplo, a Pietà Rondanini, de Michelangelo, tem um lugar reservado só para ela.

Almoçamos num sítio bastante simpático, chamado California Bakery e dali, percorremos algumas das ruas mais conhecidas (Corso Como e Corso Garibaldi), para chegar à Piazza Gae Aulenti. Toma-se um café Illy e visitam-se algumas das lojas das marcas mais emblemáticas, como a da Chiara Ferragni, a única da Europa, mas também uma Pop Store dedicada ao icónico Jovanotti.

  • No segundo dia, começamos com uma ida ao Museu da Ciência e da Tecnologia Leonardo da Vinci. Reservem uma manhã para estar ali, porque há muito para ver e as crianças adoram. Desde uma ida ao espaço, com um pedaço da Lua exposto, até ao fundo do mar, num submarino. Foi fundado em 1953 para expor os elementos mais importantes que fizeram parte da evolução científica e tecnológica ao longo da história.

E à tarde, partimos em direcção ao centro da cidade, onde não podemos deixar de visitar o Duomo Di Milano, as Galerias Vittorio Emanuele e o teatro La Scala.

  • No terceiro dia, passamos parte da manhã na feira mesmo na rua do nosso Airbnb, uma das mais conhecidas da cidade e cheia de boas oportunidades… se é que me entendem 😊

Seguimos para almoçar no Bianco Latte e, à tarde, visita ao Museu de História Natural e brincadeiras pelos jardins.

Na manhã do dia do nosso regresso, aproveitamos para fazer umas compras, Afinal, é Milão e Milão é muitas lojas, comércio e também muito boas oportunidades para comprar a preços bem em conta. Não entrei em lojas como Zara, Mango e afins. Só fiz compras em lojas de marcas italianas e acreditem que a preços bem mais em conta que estas marcas que acabei de mencionar. Abri uma excepção para a GAP, porque gosto sempre de comprar as sweatshirts típicas da marca sempre que viajo para uma cidade onde haja esta loja.

Quando escolhemos como destino Milão, o objectivo era conhecer uma cidade diferente e não íamos em busca de “arquitectura”. Realmente, há cidades que nos basta passear para ficarmos a conhecê-las, tal é a sua dimensão e beleza arquetectónicas. Em Milão, fizemos diferente, entramos na vida da cidade, fomos aos museus, passeamos por todas as ruas e mais algumas, tivemos tempo suficiente para não andar a correr e é essa calma que nos fez disfrutar de uma outra forma. Saímos sempre cedo de casa, por volta das 10h00, e por volta das 17h30 já estávamos a regressar – convém referir que às 16h30 o sol já se estava a pôr. Para além disso, a proximidade geográfica com outras cidades, fez-nos tornar estas férias ainda mais interessantes.

Milão vale muito a pena, sim!

Comentários

comentários