Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Passagem de ano: Get ready with me!

31.12.17 | Vera Dias Pinheiro

 

A nossa passagem de ano é novamente passada em casa e, de forma alguma, acho que isso seja uma coisa aborrecida. Não posso dizer que sou daquelas pessoas verdadeiramente entusiasta por esta festa, pois de alguma forma sinto-me sempre mais nostálgica, sem mencionar toda a pressão que existe para termos um plano mega para a passagem de ano. Uma das perguntas que mais ouvimos (e fazemos) é "E para a passagem de ano, o que vais fazer?". E, se calhar, no fundo, todos nós pensamos o mesmo e ninguém quer “ter que” fazer alguma coisa para este dia. E com isto, acabamos por não usufruir realmente do espírito ao não permitirmos que haja um pouco mais de espontaneidade.

 

Para mim, o facto de passar em casa acaba por trazer alguma tranquilidade, acabo por passar mais tempo com os meus filhos e eles acabam por partilhar um pouco mais deste espírito e a perceber o que é. Tenho comigo as pessoas que realmente marcaram o meu ano e que marcam a minha vida por serem especiais e estarem sempre presentes em todos os momentos.

 

No entanto, o importante é não deixar que o conforto do lar se transfira para o resto. A mesa continua a ser arranjada com dedicação, são preparadas surpresas e há uma especial atenção para que a meia noite seja especial. Obviamente que apesar de cozinhar, pôr a mesa, tratar dos miúdos, entre outras coisas, não deixo de me arranjar. Por norma, estreia-se roupa nova, porque já se aproveitam os saldos. E, este ano, sem premeditar nada, acabei por marcar uma ida ao Lisbaeta só para dar um jeito. Não se pretendia nada de extravagante, mas ainda assim que fosse diferente do habitual.

 

Com a ajuda da Leelan acabamos por decidir que ontem faríamos a preparação do meu cabelo, mas que hoje seria eu a encarregar-me do penteado propriamente dito – medo!!! As primeiras impressões é que fazer a nós próprias é sempre um desafio, pois parece sempre muito mais fácil quando vemos um vídeo ou quando alguém nos explicar. E também que o penteado fica tanto melhor quanto mais praticarmos.

 

Ora sendo para mim uma estreia, desculpem se não ficou perfeito, ainda que eu goste muito do resultado final. E a minha ideia era mesmo esta, partilhar algo que qualquer uma de nós pudesse fazer se tiver vontade e sem precisar de nada em particular.

 

Sendo assim, deixo-vos esta sugestão de cabelo para passagem de ano, com todas as dicas importantes para concluírem esta missão com sucesso 😊

 

No dia antes ou no próprio dia:

 

  • Lavar muito bem o cabelo, mas com atenção a alguns aspectos:

 

  • Cabelos finos/lisos: não usar condicionador; secar de cabeça para baixo e certificarem-se que a raiz fica, bem seca.

 

  • Cabelos com baby hairs: usar a escova na parte superficial.

 

  • Cabelo forte: não precisam secar de cabeça para baixo.

 

  • Cabelos rebeldes ou encaracolados: usar condicionador.

 

"Regras" para todos os tipos de cabelos:

 

  • Usar protector térmico;

 

  • Cabelo 100% seco antes de fazermos qualquer outra coisa (babyliss, prancha, etc);

 

  • Objectivo é que os caracóis fiquem os mais natural possível e o mais natural é não serem perfeitos 😊;

 

  • “Regas” para o uso do babyliss:

 

  • Não encostar à raiz;

 

  • Fazer os caracóis alternados;

 

  • Ter laca para fixar - muito importante;

 

  • Fazer os caracóis na cabeça toda e só, no final, pentear para obter o efeito mais natural.

 

Passos para este penteado:

 

  • 1º Passo: Fazer caracóis na toda a cabeça

 

  • 2º Passo: Pentear o cabelo

 

  • 3º Passo: Separar o cabelo em duas partes, uma que vai do meio d cabeça para trás e a outra, do meio da cabeça para a frente

 

  • 4º Passo: Começam pelo cabelo da parte de trás. Vao pentear muito bem e prender com um elástico muito fino. Por fim, deslizam o elástico ligeiramente para baixo e dão uma volta (ao cabelo) para dentro.

 

  • 5º Passo: A parte da frente, que está solta, vão pentear também muito bem e puxar para trás. Juntam o cabelo como se fossem prender e torcem. De seguida, enfiam esse cabelo na secção de baixo.

 

  • 6º Passo: Pegam na ponta desse cabelo e é com essa madeixa de cabelo que vão esconder o elástico. Para finalizar, prender com ganchos essa ponta para fixar.

 

Nota: Os cabelos que ficarem desalinhados podem ser encaracolados com o babyliss e uns podem ficar soltos e outros prender com ganchos. O objectivo é mesmo ter um look mais messy e menos arrumadinho.



 

 

Quanto à roupa, ainda existem duas opções em análise. Uma é o vestido bordeaux em veludo, mais confortável e que me custou 18 euros numa feira em Milão. E a outra, um vestido mais festivo, com lantejoulas, já comprado nos saldos e que me custou cerca de 19 euros.

 

Opção A:


Opção B:


Nos pés, só são permitidos sapatos confortáveis, sobretudo se forem de tacão alto que tão raramente uso. Estes em particular são da colecção FW17 da Aerosoles. Mais uma vez, a marca a provar que além da qualidade e do conforto, a elegância é cada vez mais uma oposta.


E é desta forma que se dão por terminados os posts no blog de 2017. Agora é hora de preparar tudo o que falta para o jantar de logo à noite e de aproveitar o tempo com família e amigos. Vemo-nos daqui a nada... em 2018!

 

Boa passagem de ano!

 

Um feliz ano para todos! Que 2018 seja feliz! Acima de tudo, que saibamos agradecer tudo aquilo que recebemos em 2017 antes de pedir o que quer que seja para o próximo ano, não concordam?

Especial Ano Novo: 12 Mulheres | 12 Resoluções para 2018

30.12.17 | Vera Dias Pinheiro

Este ano voltei a convidar doze mulheres a partilharem comigo um desejo para o próximo ano. A pouco mais de 24 horas de se dar a virada do ano, penso que a maioria de nós encara isso como uma oportunidade de recomeço. Quiçá alcançar algo que desejamos muito ou simplesmente melhorar alguma coisa relativamente ao ano que está a terminar. Com efeito, é o momento ideal para nos rodearmos de coisas boas, inspiradoras… cheias de women power que nos alimente os sonhos (e nos incentivem às acções).


Em comum, estas doze mulheres têm o facto de serem mães, mas também o facto de serem empreendedoras. Para mim, cada uma ao seu estilo, personifica a mulher moderna que não desiste dos seus sonhos e que faz acontecer. Todas tiveram um recomeço, algumas deixaram mesmo as suas carreiras para começar do zero uma outra completamente diferente, porque a vida é curta demais para deixar de ser vivida e para nos sentirmos infelizes.


Para mim, o melhor exemplo que posso dar aos meus filhos, é mostrar-lhes como sou realizada na vida, a maneira como luto pelos meus objectivos, como não deixo que os meus receios me impeçam de mudar e de chegar onde quero.


Estas doze mulheres têm também em comum o facto de me inspirarem e o facto de serem os exemplos que procuro para a minha vida. E desengane-se quem acha que mudar é fácil. Mudar é seguir em frente, mesmo quando estamos cheias de medo, mesmo quando não temos certezas de nada, mas com uma capacidade enorme de acreditar em nós e no nosso valor (muitas vezes, lutando contra todas as expectativas ao nosso redor).


Todas nós merecemos ser felizes para além de todos os papéis que realizamos diariamente. Não me canso de repetir que “mulheres nutridas, famílias felizes”.


Muito obrigada a cada de uma destas mulheres, pois sei que a altura do ano é complicada. Contudo, isso não vos impediu de aceitar de imediato este convite.


 12 mulheres, 12 resoluções

Mafalda Freitas (Mafabulouscook)


A Mafalda tornou-se minha amiga por ser amiga do meu marido e tem um dom natural para a cozinha. Actualmente já a podemos encontrar na RTP Madeira e no JM da Madeira, como também já tem o seu blog, no qual as suas receitas ganham vida através das suas palavras. Mas até chegar aqui tem sido um percurso também ele cheio de inseguranças e incertezas. A necessidade de legitimar as nossas paixões perante os outros, por vezes, enfraquece-nos. Contudo, se dúvidas houvessem, desafio-vos a experimentarem as receitas da Mafalda e, de imediato, vão perceber que não havia alternativa possível e que o Mafabulouscook tinha que ganhar forma. E agora é vê-lo crescer.


O meu maior desejo é que todos possam ter saúde física, mental e espiritual. É um desejo grande! Desejo que 2018 seja sinónimo de um mundo mais brando, de um Portugal fora do lixo, de uma sociedade que entenda os valores da boa conduta, amizade e empatia. Para mim desejo o melhor de mim, fazendo desta mulher, mãe, cidadã uma peça suave mas diferente nesta máquina que funciona a todo o vapor. Feliz 2018.

Raquel Fortes (It's up to you)


A Raquel tinha a sua própria agência de comunicação, tinha uma equipa que trabalhava para ela e tinha o ritmo alucinado de vida. No entanto, chegou um momento em que quis mudar e mudou por completo. Fez formação na área da alimentação saudável e criou o seu próprio site que dá vida a estilos e formas de vida saudável. E uma amante da corrida e do desporto em geral e consegue conjugar tudo isso sendo mãe de três filhos. Mas 2017 ficou marcado essencialmente pelo lançamento do livro "Crianças saudáveis. Famílias Felizes", em conjunto com a Luísa Fortes da Cunha (do My casual Brunch). Se ainda não conhecem, é de leitura obrigatória para quem quer simplificar as refeições da família no dia-a-dia e, ao mesmo tempo, adoptar hábitos mais saudáveis.


Que 2018 seja um ano cheio de saúde e boas energias. Que os desafios pelos quais passei em 2017, e foram muitos, se traduzam em concretizações pessoais e profissionais. “Everything will be okay in the end. If it’s not okay, it’s not the end.” #thegoopquote.co

Patrícia Barreiro Carrilho (Menta Dourada)


Arrisco em dizer que actualmente todos nós conhecemos o projecto de organização de eventos Menta Dourada. E 2017 também ficou marcado de forma especial para a Patrícia, pois foi um ano de grandes decisões. Decidiu despedir-se para se dedicar de corpo e alma ao Menta Dourada e, desde aí, tem sido incrível o seu trabalho para se afirmar como uma referência nesta área - pelo menos, para mim já o é. O seu bom gosto e sentido estético são igualmente inegáveis, não concordam?


Sempre que penso neste tema, aquilo que me vem sempre à cabeça são os meus filhos... o que peço para mim é o que peço para eles em dobro... saúde, porque é sem duvida dos bens mais preciosos que podemos ter. Depois acredito que o amor, a gratidão e o respeito pelo próximo sejam também igualmente importantes, pois permite ter a estrutura para enfrentar e ultrapassar os desafios que a vida nos reservará em 2018!


Desejo para este mundo (que anda um pouco estranho...) Paz! Muita paz!


Para mim...  só peço ao Universo que me guie e ajude a continuar a crescer como pessoa, tendo sempre por perto aqueles que mais amo!


Para vocês, que 2018 seja um ano de muitas celebrações e festas e que a Menta Dourada possa partilhar alguns desses momentos convosco ;)


Andrea Schaefer (Mini Mi)


A Andrea é um exemplo a vários níveis para mim, mas aquele que mais me tocou foi quando, recentemente, falava sobre a sua mudança de vida aos 40 anos. Ser blogger, amante de fotografia, empreendedora e, sobretudo, procurar ser diferente num meio onde parece que tudo se já foi feito ou inventado, não é fácil. E muitas vezes, é também olhado de lado. Mas eu fiz questão de lhe dizer que a Andrea de hoje é muito mais rica e interessante de se ler e de seguir, talvez pela maturidade de fazermos aquilo que gostamos sem ligar aos que os outros possam dizer ou pensar. Claro que os dois filhos maravilhosos que tem e que ela tão bem fotografa, ajudam. O seu mais recente projecto ligo ao blog (Mini-Mi) foi o Mini-mi no Grilo. Quem foi?


Honestamente e sendo um pouco politicamente incorreta ou "egoicamente" falando, o que realmente desejo para 2018, para além do blá, blá, blá da paz, amor...é conseguir ser mais disciplinada com o tempo para mim. Sou mãe, com o blog, trabalho a partir de casa, este ano que passou de 2017, foi um ano de muito trabalho. Tudo isto foi sempre posto em primeiro lugar o que fez-me deixar de ir ao ginásio e muitas vezes comer a correr, por isso, é isso, em 2018 o objetivo é arranjar tempo (seja lá onde for!) para conseguir retomar as minhas aulas de Pilates e alterar algumas rotinas na minha alimentação. O ano do "eu" de fora para dentro. :)
12 mulheres, 12 resouções

Leonor Cício (Na cadeira da papa)


O blog da Leonor, mãe de três, foi talvez o primeiro que comecei a seguir mais a sério. Com um filho pequeno a começar a alimentação complementar e uma preocupação com a qualidade das suas refeiçoes, foi Na Cadeira da Papa que me fui inspirando e percebendo que, afinal, isso é bem mais simples do que pensamos. Sem pretensões de ser o que quer que seja, a Leonor só quer mostrar que não é assim tão difícil criar hábitos saudáveis e que as crianças até agradecem e, por isso, faz partilha das suas receitas. Este blog é um daqueles a guardar no favoritos do computador.


Não sou pessoa de fazer grandes desejos e resoluções para o novo ano (normalmente sai furado). Por isso, será um bom desejo para este ano conseguir manter-me fiel aos meus planos e ambições. Não deixa-los abandonados num post-it, algures na minha secretária, acreditar mais neles e em mim para os concretizar. Nem tudo é sorte e acaso. Muitos dos nossos objectivos conseguem-se com trabalho e perseverança. Este sim, é um bom desejo para mim, para 2018!

Catarina Miranda (Plataforma Catarina Miranda)


Conheci pessoalmente a Catarina este ano, quando ela dava início a um projecto seu que lhe permitisse mostrar mais dela própria e mais das suas paixões. E, assim, a juntar-se ao seu trabalho na rádio, junta-se a plataforma Catarina Miranda, uma mulher cheia de power, com muita vontade em aproveitar a vida ao máximo, contagiando aqueles que a rodeiam com a sua boa energia.


Sorrir a dar a mão. No Natal, no novo ano e sempre.

Beatriz Almeida (Responsável pela 17.com, agência de relações públicas e eventos)


A Beatriz mudou de vida na altura em que talvez a maioria de nós começa a sentir mais medo, mas a vontade de ter mais tempo de qualidade para si e para a família acabou por falar mais alto. Com a sua agência de relações públicas e eventos ainda muito bebé, é com grande alegria que tenho vindo a assitir de perto ao seu crescimento e às suas conquistas. A Beatriz é mais uma prova de que quando se quer muito uma coisa, consegue-se e que a recompensa vem para aqueles que se esforçam por alcancá-la.


Não é muito fácil escolher um só desejo para 2018, sendo que as 12 passas também costumam ser demais e me vou repetindo lá para a 7ª ou 8ª. Gosto sempre mais de agradecer pelo que tenho do que propriamente pedir, pelo que o meu grande desejo para o próximo ano é, "apenas", continuar a ser feliz.</p>

Apenas com aspas porque ser feliz não tem, de todo, nada de simplista. Lá no fundo, este desejo consegue abarcar uma série de outros que julgo indispensáveis à minha felicidade e dos meus: ter saúde (cada vez a dar-lhe mais valor); a família por perto (e que benção ter a que tenho, sobretudo agora que consigo acompanhar tão de perto os meus filhos de 6 e 10 anos); trabalho (que a 17Com - Public Relations & Events, meu bebé de 1 ano, continue a desbravar um caminho sério e a crescer com novos projectos); amigos (continuar a viver os "velhos" e a adorar conhecer "novos").


Ser feliz vivendo um dia de cada vez como se fosse o último. Ser feliz por ver os outros felizes. É esse o meu maior desejo para o ano que está a chegar.

Rita Sevilha (artesã na Rita Sevilha Weaving)


Rita, jornalista de profissão, mas que ganhou o bichinho pela tecelagem através da sua avó. Aliás, fui assim que tudo começou, com um velho tear e com a ajuda da sua avó. Hoje em dia, tem o seu próprio atelier e está ligada a vários projectos, entre eles os workshops. Espreitem as redes sociais para verem as peças lindas que faz. 2017 foi também um ano marcante para ela, pois - quando menos esperava - deu por si a aparecer com o seu trabalho na Vogue UK. Well done!!! :)

Manter o foco! Um dos meus desejos e principal intenção para 2018 é o de conseguir manter o foco no que para mim é importante e tornar isso a minha fonte de inspiração. Parece fácil, mas com a velocidade dos dias, ter a capacidade e discernimento de parar quando o estiver a perder, conseguir abstrair-me do ruído, ver em perspectiva e procurar em mim respostas é uma tarefa difícil que eu espero conseguir concluir com sucesso.
12 mulheres, 12 desejos

Joana Mota Capitão (Joana Mota Capitão Jewellery)


A Joana é uma mulher cheia de força e uma inspiração. É uma joalheira com uma marca nacional, com produção própria no seu atelier e que, para além, das peças de autor, aceita pedidos específicos para personalizar. Tem uma filha mais nova do que a Laura e sabe bem o que custa conciliar tudo: a maternidade e um trabalho por conta própria.


Mais um ano que passou e o meu desejo para 2018 é que as pessoas continuem a acreditar em mim e no meu trabalho e consequentemente, os clientes saiam sempre contentes e satisfeitos. O meu maior objectivo é o reconhecimento das pessoas e para isso irei sempre manter toda a minha dedicação e persistência, que é muito importante e sem elas o nosso trabalho não vai a lado nenhum. Naturalmente que outro dos meus desejos para 2018 é muita saúde, amor e muitas alegrias (um cliché, mas são realmente os meus desejos).

Paula Henriques (Responsável pela clínica iCare - Clínica Médica e Estética)


A Paula é de empatia imediata, foi ela que me deu a conhecer os melhores tratamentos estéticos que eu já tinha experimentado. O seu valor está na forma como procura sempre o melhor para os seus pacientes. os tratamentos escolhidos a dedo assim como os especialistas com quem colabora. Mães de duas jovens raparigas, tem uma história de vida que não esconde a mulher determinada que é e que se move pela paixão em tudo.


Desejo que as pessoas reclamem menos e agradeçam mais o que têm. Ultimamente tenho pensado muito nisto. Na minha opinião, as pessoas valorizam pouco o que têm. Projectam a felicidade com base no que hão-de ter...

Sofia Batista (Lovetography)


A Sofia é daquelas pessoas que já faz parte do meu circulo de amigos, e penso que ficou tudo dito neste post. É uma fotografa de mão cheia, mas acima de tudo, de coração a transbordar de amor pelo que faz. Tem dois filhos maravilhosos e tem muitos mais dotes que acredito que, mais cedo ou mais tarde, virão ao de cima.


Ser mais focada. Levar as minhas ideias até ao fim e não me perder no que acho que os outros esperam de mim.

Rubina Berardo (Deputada à Assembleia da República)


A Rubina é uma mulher num mundo ainda dominado pelos homens, a política. É uma mulher de convicções e de princípios. É madeirense e mãe do Benjamin que, diz ela, já se comporta como um pré-adolescente. Mudou-se de malas e bagagens com o filho para Lisboa para alcançar a sua realização profissional e dar o melhor ao seu filho. Actualmente como deputada e com um filho, o tempo não estica, mas mesmo assim, a Rubina prova que com força de vontade e muito amor por aquilo que se faz, tudo se consegue.


Entramos em cada ano novo com um conjunto de resoluções que olham para o dia de amanhã como o início de uma página em branco. Mas nunca é uma página completamente em branco. Tem sempre as impressões do ano que termina, tal e qual as impressões de uma caneta num bloco de notas depois de retirar a última página escrita. E por isso que quaisquer resoluções que tomamos, constroem sobre o ano que passou e sobre aquilo que ambicionamos para o ano seguinte. Eis as minhas para 2018: - Sair da zona de conforto e aprender sempre algo novo nessas experiências sobre o mundo e sobre o nosso interior: seja aprender uma nova língua, viajar sozinha para um novo país, ou começar um novo projeto profissional. - Fazer o bem nas mais pequenas ações do nosso dia-a-dia: no balanço final, fazemos sempre a diferença! - Sempre procurar sentido de humor nos locais mais inóspitos: aquela gargalhada diária é uma vitamina espiritual para afugentar cinzentismos.
 

Obrigada <3


Um excelente 2018!


Em 2016 | Especial ano novo: 12 mulheres, 12-desejos


(As minhas) Resoluções Práticas para 2018

29.12.17 | Vera Dias Pinheiro

Para além do óbvio, ou seja, da saúde, amor, do trabalho, etc etc etc… as minhas resoluções acabam por ser também um pouco o resultado da minha restrospectiva do ano que agora termina. É nesse balanço que eu vou encontrar alguns "dos desejos" para o próximo ano, numa espécie de trabalho interior para melhorar a pessoa que sou.


  1. Definir melhor os meus horários em relação a tudo na minha vida/dia-a-dia;
  2. Criar e definir o meu espaço de trabalho dentro da minha casa;
  3. Ter um planeamento mensal de forma a ter uma visão abrangente do que tenho para fazer ao longo do mês;
  4. Não deixar que o facto de trabalhar em casa interfira com o tempo de qualidade com os meus filhos;
  5. Ser mais assertiva e dizer não sem receio, mas explicando sempre o meu ponto de vista;
  6. Definir mais objectivos, pois isso torna-me mais proactiva;
  7. Não procrastinar!!!!!
  8. Não deixar um e-mail aberto sem ter respondido, pois isso acaba por me levar ao esquecimento;
  9. Quando não dá, não dá. Quando não posso, não posso. Muitas vezes, acabo por complicar a minha vida em prol dos outros;
  10. Ir ao ginásio 4 vezes por semana;
  11. Fazer um check-up médico daqueles em que fazemos análises a tudo e mais alguma coisa,
  12. Ser mais pragmática e mais criteriosa no trabalho. Este ano senti que, muitas vezes, perdi o controlo e acabei por ficar assoberbada de coisas para fazer, quando na verdade, podia ter a partida feito uma selecção. Menos é mais!!!
  13. Deixar de me preocupar tanto com os outros e centrar-me nas pessoas que realmente se importam de igual modo comigo;
  14. Separar tempo de qualidade para o casamento;
  15. Consumir menos e destralhar mais;
  16. Ler mais livros e ir ao cinema;
  17. Beber mais água;
  18. Fazer mais vezes as compras de supermercado online.

E penso que, assim numa primeira abordagem, é isto!


E vocês, também têm por hábito escrever as vossas resoluções de ano novo? Por aqui já é quase um "amuleto".


 

Boa noite.


Vencedores: Passatempo Kiabi

29.12.17 | Vera Dias Pinheiro

Está na hora de revelar o nome vencedor do último passatempo da série de Natal deste ano. Foi um mês inteirinho recheado de passatempos semanais a pensar em vocês e a tentar mimar-vos o mais possível.


E, em época de saldos, talvez seja caso para dizer que o melhor ficou mesmo para o fim. Numa parceria com a marca Kiabi, tenho um cartão oferta no valor de 50 euros em compras. E, sem mais demoras, quem vai receber este cartão é a Filomena Alpoim!!!


Muitos Parabéns! 


Vai receber um e-mail da minha parte a confirmar que foi a vencedora e a pedir também a morada para efeitos de envio do prémio.


A todos aqueles que foram acompanhando e participando nos passatempos, quero agradecer-vos e deixar a promessa que em 2018 haverá mais.


Boa tarde.


O nosso best of 2017 | Obrigada! Obrigada!

28.12.17 | Vera Dias Pinheiro

 

Primeiro, os filhos. Obviamente que era com eles que tinha que iniciar esta retrospectiva de 2017. São eles a parte mais importante do meu ano e da minha vida, a partir do momento em que fui mãe pela primeira vez. 2017 foi talvez o ano mais exigente em termos de maternidade. Fisicamente foi desgastante, eles absorvem todo o meu tempo e psicologicamente tem sido uma superação no meu esforço de ser a melhor mãe (de dois) que consigo ser. A nível pessoal tive alguns contratempos que nem sempre me fizerem estar à altura deste papel, mas sei que, na pureza dos seus corações de criança, pervalecem os momentos bons. Fico feliz por conseguirmos continuar a viajar e por perceber que eles são meninos que se adaptam e que gostam. Sou uma mãe (cansada) mas muito orgulhosa tanto de um como do outro. Em 2017 a Laura fez um ano e o Vicente prepara-se para uma nova fase, a dos cinco anos.

 

E embora não seja a maternidade que me resume, ela é fundamental na pessoa que sou hoje. Muita da força, enquanto mulher, e da minha determinação em ser feliz e realizada vem daí e do exemplo que eu quero passar para eles e para a sua vida.

 

Em segundo, o trabalho. 2017 foi o ano em que me tornei trabalhadora por conta própria. Algo que acabou por ter o efeito positivo de legitimar aquilo que faço enquanto profissão e com isso, um sentimento de orgulho por trabalhar na área que amo e na qual me licenciei, a Comunicação. Depois de ter deixado uma carreira segura, talvez nunca mais venha a sentir o que isso é e não é que me assuste. Na verdade, não tenho receio em trabalhar seja nesta área seja noutra. No entanto, não posso deixar passar a oportunidade de agradecer a todas as pessoas que, a nível profissional, marcaram 2017 (e os seguintes, espero) de forma tão positiva. Grande parte da minha confiança e motivação deve-se a cada uma destas pessoas e a todas as oportunidades e desafios que me lançaram. Chego ao fim deste ano mais segura, mais consciente do meu valor e com a certeza de que existe um lugar para mim neste mercado.

 

Agradeço ainda o facto de não baixarem os braços em mostrar (junto das marcas) que os números são mais um elemento de ponderação, entre tantos outros. Agradeço ainda por me deixarem sempre ser quem sou, por me permitirem escrever com a profundidade que eu aprecio e com o respeito por quem me lê. Agradeço por todas as críticas construtivas, conselhos e opiniões, é com isso que tenho crescido e aprendido. Do meu lado, quero que saibam que o compromisso vai continuar a ser o mesmo: dar o meu melhor com o sentido de responsabilidade com que encaro esta profissão. Obrigada do fundo do coração.


E por fim, eu! A mãe, a mulher, a filha, a amiga, a blogger... no fundo, a Vera que luta diariamente para ser feliz e para se sentir realizada com as decisões que toma. Chegar até aqui não tem sido fácil, mas tem sido compensador. Chegar até aqui tem me custado muitas horas de sono, mas tem valido a pena. Chegar até aqui, tem me feito acreditar que os nãos fazem parte do crescimento e que por muitos nãos que podemos ouvir, haverá sempre um sim. Chegar até aqui faz-me sentir orgulho de mim mesma, pois quando me despedi tinha apenas dentro de mim a enorme vontade de tornar o meu sonho realidade. Chegar até aqui tem sido com um esforço constante em manter a motivação mesmo quando rumamos contra a maré, quando nos sentimos sozinhas, quando nos decepcionamos, quando acordarmos e não há nada que nos incentive a escrever ou quando somos invadidas pelo sentimento de que somos apenas mais uma entre tantas.

 

Sem modéstias, gostava que soubessem que eu adoro o que faço, adoro contar histórias, adoro o desafio de encontrar em determinada marca o eixo de comunicação para com o meu público, percebendo o que tem de especial e o que tem a ver comigo. Gosto de conhecer pessoas, de conversar, mas que não seja apenas por circunstância - e não, o meu interesse não é forçado. Gosto de não ter propriamente uma rotina, de ter experiências diferentes e de experimentar coisas novas.

 

Sei onde quero chegar e não tenho presa, acredito no trabalho consistente e de valor e acredito que mais cedo ou mais tarde, o reconhecimento vem. E ele vai-me chegando e das mais diversas formas. Através dos leitores, das marcas, das agências, da família e até das pessoas que não conheço e que me dizem aquilo que eu encaro como sendo o melhor elogio para mim. Por exemplo, que me seguem porque gostam de me ler – porque eu não escrevo propriamente texto curtos - e que sou uma inspiração pela minha coragem (que escondeu todos os meus medos).

 

No fundo, sou uma mulher como tantas outras, tenho tanto defeitos e tantas qualidades como vocês, a minha casa também fica desarrumada e os meus filhos são tão normais quanto os vossos, eu também choro, berro, peço desculpa… Sou humana.

 

Talvez aquilo que eu posso fazer de diferente é a força com que me agarro ao presente e às mínimas coisas como grandes oportunidades para mim, sem pensar na recompensa, no pagamento ou no dia de amanhã. Eu sou daquelas que põe o coração e alma no que faz, para o bom e para o mau, porque não sonho com mais do que aquilo que me permite ser feliz. E eu já tenho muitos motivos para ser muito feliz e, por isso, estou grata a todas as voltas que o universo tem dado, mesmo as mais difíceis, para me fazer chegar até aqui.


Não me posso esquecer ainda de mencionar:

 

 

 

 

 

 

Não podia deixar de referir estes parceiros (amigos?) importantes que fiz ao longo deste ano e que contribuíram para que eu me sentisse melhor comigo e com o meu corpo, cada um dentro da sua especialidade. Afinal, “mulheres nutridas, famílias felizes”. Certo?

 

Assim como a psicóloga Tatiana Louro e a enfermeira Carmen Ferreira pelo importante contributo que têm dado para o blog.

 

Para 2018 desejo essencialmente continuar a fazer o caminho que tenho feito até aqui. Tenho projectos, ideias, objectivos. Tenho aspectos a melhorar e outros a valorizar. No fundo, é conseguir manter a força de vontade e motivação que tenho tido até aqui com a certeza que tenho muitos motivos para ser grata!

 

Feliz 2018 para todos!

Fiz extensão de pestanas e adoro!

27.12.17 | Vera Dias Pinheiro

Como o prometido é devido, hoje partilho com vocês que fui ao Dez Studio Nail&Lash Bar para (finalmente) colocar pestanas. Um assunto que já vem de há muito, muito tempo, mas que por um motivo ou por outro, ainda não me tinha sentido completamente à vontade para o fazer.

 

Do lado do contra os principais motivos eram: receio de perder as minhas pestanas; receio de se tornar uma prisão por gostarmos de nos ver de pestanão; não querer ficar com um olhar demasiado dramático ou demasiado artificial - pois tudo aquilo que eu faço no meu rosto tem que restringir ao estritamente essencial, sem que se torne demasiado evidente; e, por fim, não querer ter algo que me desse demasiado trabalho para manter.

 

Do lado dos argumentos a favor, estava a dificuldade em moldar as minhas pestanas por serem demasiado curtas e rectas (com a falta de comprimento nem com a melhor máscara de pestanas conseguia o efeito desejado); achar que umas boas pestanas transformam por completo o olhar/rosto; o facto do essencial da minha maquiagem diária passar por evidenciar as pestanas/olhar; querer tornar o meu dia-a-dia mais simplificado e querer muito estar de boa cara mesmo quando tenho menos vontade/tempo para me arranjar.

 

No entanto, na base da minha decisão sempre pesou muito o lado mais racional e do bom senso e como tal, nunca arrisquei até ter absoluta confiança no local e na profissional que o iria fazer. E isto acontece, talvez, quando menos esperamos e quando menos andamos à procura. E foi um pouco assim que cheguei até ao Dez Studio Nail&Lash Bar, na rua do Arco de S. Mamede, em Lisboa, recomendada por uma amiga e onde conheci a Sandra Luz, a responsável por tudo, que conhece (de saber fazer) todos os serviçis que os seus espaços disponibilizam, assim como por ensinar todas as suas colaboradoras. Um dos lemas da Sandra é que “para ensinar é preciso saber fazer”.


Contudo, depois vim a saber que a Sandra é uma mulher que mudou de carreira. É uma mulher que um dia decidiu deixar a arquitetura para aprender tudo o que tinha a haver com unhas. E, hoje em dia, é das profissionais mais requisitadas para dar formação fora de Portugal. Por algum motivo, o universo nos vai aproximando de pessoas com as quais temos algo em comum. Afinal, é sempre bom saber que há mais pessoas que arriscam tudo para se realizarem e serem mais felizes. A mim, são mulheres com esta garra e esta determinação, que me inspiram e que me fazer prosseguir o meu caminho sem receio do que larguei no passado.

 

E foi assim que a minha curiosidade despertou, procurando conhecer um pouco mais do seu percurso; qual o conceito que tenta incutir nos seus espaços; qual a sua forma de trabalhar e até o tipo de marcas representa. E, em termos de unhas, já perceberam pelas fotografias que oferta é muito variada e que podem fazer desde manicure normal até unhas de gel mais ou menos elaboradas. Os vernizes não são testados em animais e são o mais inócuos possível. E para as grávidas que prestam especial atenção a este tipo de coisas, no Dez Studio podem ir à confiança.

 

Depois, houve um outro aspecto que captou desde logo a minha atenção. Quando lá estive a primeira vez, para fazer verniz gel, perguntaram se podiam fazer uma sugestão e para isso tiveram atenção o meu tom de pele e até o meu estilo. Quer queiramos quer não, são estes mimos que esperamos quando queremos tirar um tempo para cuidar de nós. Acho que é legítimo querermos sentir-nos únicas e especiais.

 

Neste sentido, a decisão de avançar com as pestanas, foi o resultado de tudo isto. A minha intuição disse-me que desta vez é que era!

 

Todavia, confesso que as pestanas da própria Sandra também ajudaram. Foi o facto de serem super naturais, como se tivesse acabado de colocar uma máscara TOP, que me fez não ter receio de me olhar nos espelho passadas as duas horas, mais ou menos, de olhos fechados.


E, de facto, não há sensação melhor do que me ter olhado ao espelho e ter sentido que era realmente aquilo que eu queria e de me ter sentido imediatamente bem.

 

Em relação à habituação, é verdade que é preciso treinar o instinto para não esfregarmos os olhos, especialmente quando acordamos de manhã. Porém, como não sinto qualquer peso ou impressão nos olhos é praticamente como se não tivesse nada.

 

Relativamente aos cuidados a ter, durante as primeiras 24h não podemos molhar os olhos, para deixar que a cola seque por completo; ter atenção ao desmaquilhante de olhos, que não deve conter óleo. E claro que tudo o resto depende também muito do nosso bom senso, pois se temos algo "colado" nas nossas pestanas, temos que ter mais cuidado e essa atenção que vai determinar o tempo que ficamos entre uma manutenção e a seguinte.

 

Logicamente que agora nem penso em fazer eyeliner nos olhos e nem colocar sombras, para evitar esfregar, mas sinceramente nem preciso - mas podem fazê-lo. E, acima de tudo, adoro o resultado natural com que ficou. Talvez os menos atentos tenham notado algo de diferente, mas sem saber muito bem o quê e é precisamente esse o meu objectivo.

 

O Dez Studio Nail&Lash Bar é o segundo espaço da Sandra e foi recentemente inaugurado, mas arrisco em dizer que não tem nada a ver com o conceito tradicional a que estamos habituados (e eu gosto disso). A música ambiente é boa; há chá, café e até champagne para quem quiser. Ali encontram descontração e sinceramentee é isso que eu procuro. No pouco tempo que temos para ter disponibilidade para nós, para descontrair e cuidar de nós, nada melhor que ter um espaço onde ser consigam fazer estas três coisas em simultâneo.

 

Dúvidas ou questões, podem colocar-me a mim ou, então, façam-no directamente com a Sandra que acredito ter toda a predisposição para vos esclarecer. Ou então, façam como eu, marquem e tenham a vossa própria experiência.



 

Boa noite.

Adeus Natal. Olá Passagem de Ano

26.12.17 | Vera Dias Pinheiro

 

Fecha-se o capítulo “Natal” para se abrir o do ano novo. Por aqui, somos nós que recebemos a família e os amigos, em nossa casa, nestas festividades. Tem a parte que adoro que é mesmo a de receber e de algum conforto para nós e para os miúdos. Por outro, tem o lado menos bom por acabarmos por não aproveitar estes dias na sua plenitude. Todos os anos tenho imensas ideias, mas depois a força dos preparativos ganha! Há sempre também um pouco de stress, pois queremos que nada falta e que tudo esteja como nós queremos e, por fim, o "pós-festa" de termos a casa num pequeno caos à nossa espera.

 

No entanto, aquilo que, no final, importa reter é que foi mais um ano em que conseguimos juntar a família à volta da nossa mesa, em que as crianças mais do que nunca desfrutaram do espírito do Natal, fazendo-nos imensa companhia, que houve comida mais do que suficiente (como de costume) e que comemos mais do que devíamos (mesmo com as habituais promessas de que este ano é o ano em que vamos conseguir controlar aquilo que comemos).

 

Na noite de consoada, e no Natal também, não somos muitos. Junta-se a família directa e os miúdos para quem se dirigem todas as atenções. E embora tenha crescido a abrir os presentes à meia-noite do dia 24 de Dezembro, é na manhã do dia seguinte que se abrem os presentes. Obviamente que na noite anterior é imperativo deixar leite e bolachas para o Pai Natal repor energia para continuar a sua longa viagem e também uma cenoura não venha alguma rena esfomeada. Contudo, este ano houve uma menina madrugadora e também ela esfomeada, a Laura, que se encarregou de limpar todas as migalhas do prato. Enfim, com a forme não se brinca, certo?


Tinha-vos falado também da decoração, pois este ano queria algo mais clean e mais sóbrio em termos de cores. Mas acabei por não ter muito tempo para ir às compras, portanto tratei de tudo com o que já tinha e com o que encontrei na florista perto de casa.


À nossa mesa, gostando-se mais ou menos, há iguarias que não podem faltar. Por exemplo, o bolo rei, o bolo rainha, os sonhos, os coscorões e este ano até as rabanadas no forno (uma versão mais saudável da Raquel Fortes, Its Up to You). E como prato principal, para a noite de consoada reserva-se o bacalhau e para o dia de natal, o peru.

 

Entretanto, entre o natal e o ano novo, muda-se a decoração, a ementa e até os convidados. É a vez de recebermos aqueles amigos que são família com quem podemos acabar a noite de pijama se for o caso. A última vez que passamos uma passagem de ano fora de casa, estava eu gravidíssima do Vicente (se ele nasceu no dia 3 de Janeiro, imaginem 😊). Diverti-me e não foi o peso das 39 semanas de gravidez que me impediu de dançar até querer. Mas desde aí que temos passado em casa e ainda não foi este ano que nos apeteceu mudar. Fazemos a festa em casa e até consigo desfrutar um pouco mais da companhia das crianças e estamos bem, pois não nos deixamos de divertir por causa disso.

Pág. 1/6