Depois de ter assistido a uma das sessões do Cultura Alegro (de Outubro), no Centro Comercial Alegro Alfragide, sobre o Desperdício Zero, foi preciso tempo para digerir tanta informação nova para mim. Senti como se entrasse num mundo completamente novo, porque, a verdade, é que é uma filosofia de vida completamente diferente daquela a que eu estou habituada.

No início pode ser até ser desconcertante, pois somos confortados com uma série de factos sobre o mundo e o meio ambiente, em particular, que nos deixa a pensar muito seriamente sobre tudo aquilo que andamos a fazer. A Filipa Silva, a representante do projecto Maria Granela pessoa que está a dar estes workshops – é simplesmente fantástica, a empatia é imediata e, sobretudo, não tem uma postura nada fundamentalista, o que para mim é muito imporante. No grupo da passada quarta-feira, eu era muito provavelmente a pessoa mais fora deste universo e não senti nenhuma barreira, muito pelo contrário. Logo para começar e para vos tranquilizar também, o Desperdício Zero não existe. Ou seja, é um objectivo que traçamos para a nossa vida, sabendo que nunca lá chegaremos, porém é com isso que vamos, passo a passo, mudando pequenos hábitos e ir reduzindo todo o desperdício que produzimos.

E esses passos vão desde os mais pequenos, como por exemplo, passar a recusar todas as palinhas que nos oferecem juntamente com as bebidas ou passar andar com o nosso próprio copo, evitando os copos de plástico ou papel. Ou, então, ir muito mais além e passar a produzir os próprios detergentes, assim como os cosméticos. As opções são várias, aliás, há literatura muito boa e com exemplos práticos para aplicar no dia-a-dia sobre o tema. Na minha opinião, o que é importante é perceber em que medida, cada um de nós, consegue fazer essa mudança.

Vou dar-vos o meu exemplo. Utopicamente, eu produzir a menor quantidade de lixo possível, no entanto também sei que tenho as minhas limitações. Não me imagino (pelo menos para já) a fazer o meu próprio desodorizante, mas, por outro lado, já decidi substituir todas as escovas de dentes pelas que são feitas de bambu. E assim por diante. Não vou esmiuçar aqui todas as alternativas que descobri e que podem ser excelente forma de entrar nesta consciencialização de que é preciso pensar numa perspectiva mais ecológica e sustentável para não alongar o post. Contudo, já tenho programado um outro apenas dedicado a isso.

O que vos quero dizer é que vale mesmo a pena, havendo disponibilidade de tempo, inscreverem-se nestas sessões. Aliás, só têm mais uma oportunidade para o fazer, a próxima quarta-feira, dia 25 de Outubro, das 10h30 às 12h30, na Experience Box. 

Depois para quem quer entrar neste mundo, mas não sabe muito bem como, eis os meus conselhos:

1º Passo: 

Ganhar consciência de que é preciso mudar, mesmo que tudo o resto seja desconhecido ou pareça impossível de alcançar. As questões ambientais são mesmo importantes e, para além disso, a questão do plástico é mesmo bastante séria e preocupante. Da mesma forma que muitas pessoas deixaram de comer carne depois de terem assistido a certos documentários, acreditem que também os existe a falar sobre este assunto.

2º Passo:

A vontade de querer conhecer e de querer aprender mais. Fundamental para se passar depois à acção.

3º Passo:

Não entrar em pânico, porque, de repente, acham que a solução é “amanhã” deixar de produzir qualquer tipo de desperdício – já vimos que isso é impossível. 🙂

4º Passo: 

Não querer mudar tudo de uma vez, pois isso pode dar lugar a uma frustração e fazer-vos desistir por completo de tudo. A ideia aqui não é dar um passo muito grande, mas sim dividir em muitos passinhos pequeninos.

5º Passo:

Saberem esperar pelo vosso timing certo. Só assim vão conseguir ser consistentes na vossa mudança de atitude.

 

E eu só cheguei até aqui depois da manhã que passei com a Filipa, e todo o restante grupo, a falar sobre Desperdício Zero. Primeiro ganhei consciência de que quero ser uma pessoa melhor também neste campo e, sobretudo, é uma mensagem que quero passar aos meus filhos. E, agora, vamos aos pequenos passos.

Já agora, relembro-vos que estas sessões são gratuitas, mas é preciso fazerem a vossa inscrição. Deixo-vos o link: http://alegro.pt/blog/detalhe/cultura-alegro-desperdicio-zero

 

Boa noite.

 

 

Comentários

comentários