Antes de vos explicar o porquê, volto a referir que não sou fundamentalista na alimentação, como também não sou a favor de extremismos. Acho saudável o equilibrio, acho importante a educação alimentar (de todos em geral, mas das crianças em particular) sem privação, mas com a consciência de que é parte fundamental da nossa saúde. Com efeito, é importante explicar o porquê de devermos comer determinados alimentos, evitar outros e o porquê de não podermos comer determinadas coisas todos os dias. Mas, acima de tudo, com o tempo é essencial aprendermos a ouvir o nosso corpo e a perceber o que nos faz ou não bem e, com base nisso, então, definirmos um regime alimentar.

No entanto, a grande maioria das crianças come mal e isso é algo que começa logo desde o momento em que passam a ter um prato de comida à frente. E constato isso de cada vez que estou de férias, e em particular neste tipo de hotéis para famílias. Esta é a quinta vez que ficamos no Vidamar Hotels & Resorts, nos Salgados, e sempre vos falei dele por minha iniciativa – não, não sou convidada a fazê-lo nem nos são oferecidas estadias.

No ano passado, enquanto cá estive, partilhei um post em que vos falava precisamente desta questão da alimentação das crianças e também dos menus infantis. Ou é de mim, que tenho sempre demasiada expectativa em relação a eles, ou, então, estou com uma visão completamente errada sobre o tema. Mas menu infantil é 98% das vezes sinónimo de alimentação pouco saudável e pouco rica a nível nutricional. Desde os fritos, às bolonhesas, terminando nas sobremesas, cuja oferta mais saudável é, muitas vezes, a gelatina. Por isso, o menu infantil acaba por ser uma não opção para nós.

Este ano, na nossa primeira refeição, eu nem ia dirigir-me à zona das crianças não fosse a sugestão do staff e, entre as várias mudanças naturais que acontecem de um ano para o outro, fiquei agradavelmente surpreendida com a melhoria significativa do menu infantil. Mudanças em dois dos restaurantes do hotel que, arriscaria dizer, têm um menu bastante completo, pensado desde os 8 meses até… quererem: sopa sem sal, peixe e carne e os acompanhamentos normais e simples, arroz, batata e massas. 

 

No Vidamar Hotels & Resorts é um daqueles hotéis pensados para as famílias, como tantos outros, talvez encontrem no máximo um ou dois casais sem filhos e, quando assim é, aquilo que eu espero é ver uma preocupação especial com as crianças e com a vida em família. Com efeito, para mim, a alimentação é um dos aspectos principais e, talvez, o “detalhe” que me faz dizer se um hotel, dentro destas características, é bom ou muito bom. 

Ainda assim, constato que as crianças comem (muito) mal e a culpa não é delas. Parece que a oferta equilibrada continua a ser muito pouco apelativa por comparação às batatas fritas, aos molhos – é incrível o número de crianças que come ketchup – os gelados, as gomas e os chupa-chupas. E não é por estarem de férias que todos estão mais relaxados, são os hábitos normais extrapolados para ambiente de férias e não é apenas numa refeição, é ao longo de todo o dia. Uma criança fazia birras porque não havia gomas ao pequeno-almoço, todos os dias vejo miúdos a comer batas fritas com ketchup e gelados duas vezes ao dia… Obviamente que, com isto, não pretendo criticar ninguém, mas tenho lido cada vez mais sobre alimentação, eu própria tenho questões para resolver com o meu corpo relacionadas com aquilo que eu como e sei que, ao longo da minha vida, não fui exemplar com a alimentação, não sabia cuidar de mim. E é difícil mudar tudo já em adulto, é difícil tirar o vício de determinados alimentos que são veneno para o organismo. 

O meu filho come gelados, chocolate, pipocas, batatas fritas, gelatinas… a Laura, como segunda filha, já acabou por experimentar coisas muito mais cedo do que o irmão, contudo, hoje em dia, com tudo aquilo que eu sei, sou incapaz de não ter em atenção a alimentação deles mesmo quando estão de férias. Quero que sejam o mais saudáveis possivel, no entanto, o que me move é que eles sejam livres do vício que determinados alimento criam, que lhe seja muito mais fácil para eles do que é para mim comer de forma saudável e com equilibrio.

No entanto, esta mudanca no menu pode, por outro lado, ser o reflexo da preocupação de outros pais e, se assim for, é possível que as coisas estejam (lentamente) a mudar. Será?

Boa noite.

Comentários

comentários