A forma como olhamos para a nossa casa é completamente diferente consoante a fase das nossas vida. Sem filhos, a viver com alguém, com um filho e com os seguintes, caso hajam, são tudo exigências e adaptações diferentes. Lembro-me bem quando comprei a minha casa, um T1 lindo e à minha medida. Quando o Bruno começou a ficar lá em casa, cheguei à conclusão que comprar um T1 é um erro. Passado cerca de um ano, já estávamos a fazer a mudança para o seu T2. Nessa altura, havia mais do que espaço. Mais tarde, quando Vicente nasceu, continuava a haver mais do que espaço. Porém, quando regressamos de Bruxelas, esse espaço tinha desaparecido. Voltamos a ter que mudar de casa e, desta vez, para um T3 bastante espaçoso. Decoramos a nossa nova casa sobretudo com tudo aquilo que já tínhamos. Tínhamos deixado (achávamos nós) espaço suficiente para um segundo filho. E, de repente, esse segundo filho nasce e não há espaço suficiente e, para além disso, a casa não me parece funcional – já para não mencionar que eu não sinto que tenha apenas mais um filho, a sensação que tenho é de são, pelo menos, mais uns três.

Neste momento, há um série de objectos de decoração que vieram connosco e que vão ter que dar lugar a outros mais funcionais, cuja finalidade seja guarda alguma coisa. Na sala, por exemplo. é preciso um aparador que sirva também de suporte quando recebemos amigos ou familiares para almoçar ou jantar. Depois, há outros objectos – três para ser mais precisa – que são herança da decoração da casa de solteiro do meu marido, mas que são tudo menos funcionais para uma família com filhos pequenos. Por exemplo, temos uma mesa de centro linda, porém é enorme, está arrumada a um canto, a ocupar mais espaço e sem cumprir qualquer tipo de finalidade que não encher – e o meu marido que não leia este post! Há também um candeeiro de pé alto que … enfim…. e uma secretária que ocupa demasiado espaço e não tem qualquer tipo de arrumação e onde eu não trabalho porque não me sinto lá bem.

Ainda assim, tenho a consciência de que TODOS precisamos urgentemente de destralhar: roupas de criança que eles já não vestem e que estão arrumadas a ocupar espaço, os brinquedos com os quais eles já não brincam e outras coisas que se acumulam. Por exemplo, coisas tão banais como os sacos. O que é que vocês fazem com a quantidade exagerada de sacos que vamos acumulando? Alguns deles muito bons, de facto. mas ficam guardados eternamente sem que algum dia venham a ter algum uso.

E foi desde que a Laura começou a andar e a ser parte activa nesta família e nesta casa, que sinto que temos que fazer alguma coisa. E hoje, num dia particularmente de pouca inspiração e sem vontade de ir ao ginásio – vejam só como é que isto me anda a perturbar – resolvi encher-me de paciência e dar uma vista de olhos em lojas de decoração. A ideia era não ir ao Ikea, mas acabei por ter que lá passar. Contudo, comecei por seguir as sugestões que algumas leitoras deixaram no meu post do Facebook e lá andei eu pela loja Deborla e Espaço Casa. E eis aqui algumas das minhas apreciações sobre cada uma delas:

DeBorla:

A última vez que tinha entrado numa loja Deborla tinha sido há muitos anos atrás, muitos mesmo, e não tem nada a ver com o que hoje encontrei. Achei uma óptima solução para comprar objectos “funcionais”, mais do que para decoração, nomeadamente utensílios de cozinha, para casa-de-banho e de arrumação. Os preços são super em conta e os saldos compensam.

O que eu comprei:

  • Uma caixa do pão;
  • Uma queijeira para guardar os queijos no frigorífico;
  • Alguns utensílios de cozinha como: uma tesoura, uma daquelas tampas que evitam os salpicos das frigideiras, um copo de silicone para a Laura
  • Uma toalha para colocar os pés na saída do banho.

Espaço Casa:

Esta já conhecia um pouco melhor. Acho uma loja mais confusa, com muita coisa e eu acabo por me sentir sempre meio perdida e sem saber muito bem para que lado me virar. Não é tão barata quanto a anterior, mas ainda assim tem preços simpáticos. Aqui a oferta de decoração é também superior. Uma coisa boa é que está praticamente tudo agrupado por cores/tons, por isso, se querem decorar a vossa cozinha com uma determinada cor, acaba por ser mais fácil encontrar coisas que se enquadrem.

O que eu comprei:

  • Um copo para as escovas de dentes e um outro igual para colocar o sabonete das mãos;
  • Comprei uns suporte para prender as cortinas da sala;
  • E…. comprei um carrinho de bebé de brincar para a Laura. Encontrou um e nunca mais o largou, teimosa como ela é, venceu-me literalmente para não ter que a ver aos gritos no meio da loja. E, porque, na verdade, os brinquedos delas são 98% do irmão e ela estava mesmo feliz com aquilo.

IKEA

Dispensa apresentações, não é verdade? Confesso que acabei por ter que passar por lá, porque algumas das coisas essenciais que queria comprar hoje ainda não tinha encontrado. Por exemplo, molduras de uma tamanho em particular e caixas para arrumação (para colocar dentro dos armários da cozinha) que não fossem somente aquelas de plásticos.

E, a verdade é que, em arrumação é invencível ainda que não seja tão barato quanto se pense. Mas vale pela oferta variada e porque há sempre alguma coisa que é possível adaptar à nossa casa, mesmo que ela não seja um “modelo” IKEA.

O que comprei:

  • Molduras;
  • Caixas de arrumação para a cozinha;
  • Cestos de arrumação para a casa de banho;
  • Uma planta artificial para a casa de banho – quem acaba por trazer sempre algo de não necessita verdadeiramente?! ME!!!!
  • Plastificado para forras as caixas, sobretudo aquelas onde quero guardar o azeite e outros temperos.

Continua a faltar-me:

  • O tapete para a sala
  • Uma secretária
  • Um aparador para a sala
  • Roupa de cama de casal (preciso renovar)
  • Uma solução qualquer inteligente para arrumar sapatos

Continua a ser urgente:

  • Destralhar!

Deixo aqui algumas imagens que retirei do Pinterest. Confesso que começo a perder mais tempo a visualizar os espaços e aquilo que se pode fazer deles., antes de ir às compras. Acabo por gastar menos dinheiro e por ficar mais feliz com o resultado!

Uma alternativa para a casa-de-banho
Podia ser uma hipótese para um roupeiro que temos, mas isso implicaria arranjar alternativa para os casacos que já lá estão.
Gosto desta solução para o escritório. Mas ainda não sei se será a definitiva.

Agora preciso de uma casa funcional, em que mesmo no meio do caos que eu finjo não me importar por ser normal numa casa com crianças, eu preciso saber que, quando (e se), eu quiser arrumar, tudo tem um lugar de origem. Preciso saber que consigo recriar o ambiente perfeito para, de quando a quando, eu sentir alguma tranquilidade – aquela que eu finjo não me importar de não ter por ter dois filhos pequenos, irrequietos e desarrumados como é próprio da idade.

Obrigada por todas as vossas dicas hoje! Vou partilhando as novidades por aqui.

Boa noite.

Comentários

comentários