Sem querer, ouvi hoje na rádio aquele que será o segredo da minha, da tua, da nossa felicidade. Num dia em que fiz particularmente viagens longas de carro e pelo meio das minhas mudanças frenéticas de estação de rádio, parei quando ouvi o locutor dizer que havia uma psicóloga que tinha descoberto que para sermos felizes bastava trocar umas palavras por outras. Sim, leram bem! Segundo esta psicóloga – de quem não me lembro o nome, peço desculpa, mas estava demasiado focada em perceber a sua teoria que o nome pareceu-me secundário naquele momento – há situações na nossa vida que são condicionadas pela forma como nos expressamos.

Basicamente, aquilo que devemos fazer é substituir o “porquê/porque” pelo “o que” e dou-vos um exemplo. Quando alguma coisa de menos bom nos acontece, a nossa reacção é “Porque é que que isto me aconteceu a mim?”. Certo? Certo! Mas, ao invés desta exclamação, aquilo que deveríamos dizer é: “O que é que eu posso fazer para que isto não volte a acontecer?” Desta forma, estamos a substituir a carga negativa pela positiva!

E, na verdade, reparem bem na diferença de conotação da primeira para a segunda frase? É algo de tão simples, mas que muda por completo todo o sentido, não só em termos de significado, como também da nossa própria postura perante as situações. Não concordam?

E eu acho que só acrescentaria uma outra coisa a este “segredo da felicidade”: deixar-nos de nos preocupar tanto com o que os outros têm ou deixam de ter e perceber o que é que NÓS podemos fazer de diferente para alcançarmos determinadas oportunidades na nossa vida.

E, pronto, hoje apeteceu-me partilhar com vocês esta teoria da felicidade, nem que seja para nos lembrar a todos que quase sempre a mudança está em nós!  🙂

Boa noite!

Comentários

comentários