Sim! Eu desisto de ter a casa arrumada; desisto de andar sempre de um lado para o outro, chegar a casa e ter um ritmo alucinante à minha espera sempre, todos os dias sem parar. É sempre assim até que eu consiga deitar-me e, por umas horas, descansar. E, às vezes, nem isso, pois, se não é uma que acorda a chorar, é o outro que faz xixi na cama e leva de trocar pijama, cama… Eu desisto, pois a alternativa é simplesmente não parar um minuto.

Regra geral, eu costumo reservar umas horas do dia de sexta-feira para arrumar algumas coisas em casa, por exemplo, a roupa que foi ficando espalhada durante a semana; os brinquedos que foram ficando esquecidos; as roupas lavadas e engomadas – infelizmente, não é tanta quanto a que tenho para passar – arrumadas; os cacarecos que ficam aqui e ali; preparo os sacos da piscina para o dia seguinte. Enfim, tento dar uma arrumação geral para que a desordem não seja fatal com a passagem do fim-de-semana.

Porém, hoje tinha prometido ao Vicente que íamos dar uma volta a seguir à escola, e assim foi. Acontece que, antes disso não estive em casa as horas necessárias para fazer a dita arrumação. Quando chegamos a casa, já era mais que horas de pôr toda a gente a jantar, sem pausas para evitar as birras, porém, enquanto andava pela casa para despachar os miúdos, dei uma visão de 360º rápida pela casa, e nem quis acreditar no cenário Neste momento, não há uma única divisão da nossa casa que não esteja desarrumada, mas desarrumada à seria mesmo e a minha única vontade é a de não fazer nada – sem mencionar que devia ter feito a sopa para os miúdos e nem me lembrei de comprar os legumes. E perante isto, qual é a minha vontade, perguntam vocês? A minha vontade é a de me permitir jogar-me no sofá e ver um pouco de televisão ou, simplesmente, deixar-me adormecer a horas normais.

Não sei como foi convosco, mas eu estou a notar uma diferença enorme com os dois filhos. O trabalho não duplicou, não senhora! Actualmente, eu tenho quatro ou cinco vezes mais trabalho do que tinha antes. Já não sou aquela dona-de-casa tranquila que dá conta do recado sozinha, porque é impossível – só não o é se abdicar de tudo o resto que eu faço.

Desculpem o desabafo, mas eu estava mesmo a precisar desta “pausa” em frente ao computador – ou seja, desta desculpa – antes de levantar a mesa do jantar e o resto de destruição que fica com dois miúdos, cada um com as suas manias, a jantar.

Boa noite.

Comentários

comentários