Vivam os fins-de-semana! Vivam dos dias de sol! Vivam os filhos que não estão doentes! E vivam os dias em que podemos transformar as refeições principais numa continuidade do pequeno-almoço. E talvez seja precisamente esse o motivo pelo qual gostamos tanto de ir ao brunch: passar os dias à volta de um saboroso e prolongado pequeno-almoço.

O Delidelux foi talvez do primeiros locais de sempre onde tomamos um brunch por cá e, na altura, era ainda considerado uma espécie de “modernice”, à qual eu aderi por completo pela mão do meu marido que trazia essas ideias quando me vinha visitar aos fins-de-semana. A sua localização privilegiada, junto a Santa Apolónia e ao rio Tejo, assim como o facto de ter uma mercearia “gourmet” no próprio espaço, contribuíam para que fosse diferente daquilo a que estávamos habituados, no entanto, com o tempo, com as mudanças de casa e com o aparecimento de cada vez mais espaços com este conceito, passamos a ir lá muito menos vezes. 

Entretanto, soubemos que há relativamente pouco tempo tinha aberto um novo Delidelux mais no centro da cidade, junto à Avenida da Liberdade, o qual já tivemos oportunidade de conhecer. O conceito é idêntico, também tem uma parte de mercearia, mais pequenina, mas com uma excelente selecção de produtos e o menu brunch mantém a mesma combinação.

Porém, houve algo que fez os meus olhinhos brilharem assim que olhei para o menu que foi ver opções sem glúten e sem lactose, pois, embora não tenha “oficialmente” alergias alimentares, a verdade é que eu já fiz várias experiências e o meu organismo dá-se muito melhor se eu fizer uma alimentação retirando a lactose e o mais possível o glúten. E de tudo aquilo que vêm nestas fotografias só as panquecas não são isentas de glúten. 
Estava tudo óptimo, ao estilo a que já estávamos habituado, numa localização diferente, mas igualmente privilegiada e que, de certeza, irá contribuir para que voltemos a frequentar o Delideux muito mais vezes.
Se ainda não conhecem, marquem na vossa agenda uma visita!
Sei que a hora do brunch já passou, mas o domingo é mesmo assim: um dia que se quer sem horários, para se levar nas calmas, sem correrias e, se possível, passado com pequenos mimos. 

Boa continuação de domingo.
Beijinhos.

Comentários

comentários