A primeira viagem, as primeiras férias ou, simplesmente, o primeiro fim-de-semana fora com um bebé pode causar-nos alguma ansiedade, pois, por um lado, não sabemos ainda muito bem tudo aquilo que é necessário levar connosco, como, por outro, estamos um pouco ansiosas para garantirmos de não nos esquecemos de nada - ainda que praticamente tudo possa ser adquirido no destino, dá-nos alguma segurança saber que saímos de casa com tudo o que o nosso bebé precisa. Depois, consoante as idades: se já não é o primeiro filho; e com a prática, claro, as coisas vão-se tornando mais fáceis - ou pelo menos, mais automáticas.  Com o Vicente, a logística está, hoje em dia, bastante facilitada, pois ele come de tudo o que nós comemos, deixou as fraldas para trás (só mesmo de noite e, ultimamente, já nem em todas), até já decide as coisas que quer levar consigo e opina (muito) sobre a roupa. Mas, no início, lembro-me que levei algum tempo a tornar-me uma mãe "desenrascada" e sem precisar de viajar com a casa inteira praticamente atrás. Mas consegui! Agora, volto a reviver tudo com a Laura, e a primeira vez que saímos, ainda levei algum tempo a decidir o que ela iria precisar - se bem que, sendo um bebé que mama em exclusivo, retira-me logo uma série de "utensílios" da bagagem.   No entanto, deixo-vos aqui uma lista dos items que me parecem mais importantes a não esquecer na hora de fazer a mala de um bebé (e não só):  - Fraldas: o que costumo fazer é contar, mais ou menos, o número de fraldas que precisa durante um dia inteiro e multiplicar isso pelo número total de dias que vamos estar fora. - Manta: mais quente ou mais fresca, de acordo com a altura do ano. - Sacos de plásticos: para guardar roupa que se suja (os descuidos das fraldas), roupa molhada, fraldas sujas, se acontecer ter que mudar de urgência, ou no caso de não ter onde deitar fora naquele momento. - Toalhitas: é o mais prático para usar fora de casa. - Produtos de Higiene para o banho: gel de banho, creme hidratante, pomada anti-assaduras; compressas; soro fisiológico; escova ou pente; e perfume (claro!). - Chuchas Extra: não vamos stressar com uma chucha que não conseguimos esterelizar ou passar por água bem quente. - Roupa: podemos pensar em duas mudas por dia, mas, confesso que aqui eu acabo sempre por levar mais (muitas vezes, sem necessidade) e pensem em vesti-los por "camadas", assim evitam andar com casacos atrás e estão sempre prevenidos para temperaturas mais altas ou mais baixas. Junto aqui sempre os babetes e fraldas de pano. - Piscina insuflável (pequena, daquelas da praia mesmo): para dar banho quando são muito pequenos.  - Repelente - Protector solar SPF50+ e, no caso de crianças até aos dois anos, mineral. - Remédios básicos: ben-u-ron e um termómetro. - Sling/marsúpio/pano (se usarem). - E, relativamente às noites, se não houver berço disponível, optamos por dormir todos na mesma cama. Já não nos sobra porta-bagagens para mais nada! :)  Depois, se for o caso de beberem leite em pó e/ou quando já estão na fase dos sólidos, acrescem mais alguns itéms, nomeadamente:  - Biberons, esterilizador e escova para lavar; - Leite em pó e/ou comida (se for por poucos dias, opto por levar boiões de comida e isso não dispenso de levar logo comigo, sei que não se estraga e já existem algumas opções biológicas); - Copo, talheres (os pratos não são indispensáveis); - Termo ou aquecedor de biberons.
A
primeira viagem, as primeiras férias ou, simplesmente, o primeiro fim-de-semana
fora com um bebé pode causar-nos alguma ansiedade, pois, por um lado, não
sabemos ainda muito bem tudo aquilo que é necessário levar connosco, como, por
outro, estamos um pouco ansiosas para garantirmos de não nos esquecemos de nada
– ainda que praticamente tudo possa ser adquirido no destino, dá-nos
alguma segurança saber que saímos de casa com tudo o que o nosso bebé precisa.
 Depois,
consoante as idades: se já não é o primeiro filho; e com a prática, claro, as
coisas vão-se tornando mais fáceis – ou pelo menos, mais automáticas.
Com o Vicente, a logística está, hoje em dia, bastante facilitada,
pois ele come de tudo o que nós comemos, deixou as fraldas para trás (só mesmo
de noite e, ultimamente, já nem em todas), até já decide as coisas que quer
levar consigo e opina (muito) sobre a roupa. Mas, no início, lembro-me que
levei algum tempo a tornar-me uma mãe “desenrascada” e sem precisar
de viajar com a casa inteira praticamente atrás. Mas consegui! Agora, volto a
reviver tudo com a Laura, e a primeira vez que saímos, ainda levei algum tempo
a decidir o que ela iria precisar – se bem que, sendo um bebé que mama
em exclusivo, retira-me logo uma série de “utensílios” da
bagagem. 
No entanto, deixo-vos aqui uma lista dos items que me parecem ser os mais
importantes na hora de fazer as malas: 
Fraldas: o que costumo fazer é contar, mais ou menos, o número
de fraldas que precisa durante um dia inteiro e multiplicar isso pelo número
total de dias que vamos estar fora;
Manta: mais quente ou mais fresca, de acordo com a altura do
ano;
Sacos de plásticos: para guardar roupa que se suja (os descuidos
das fraldas), roupa molhada, fraldas sujas, se acontecer ter que mudar de
urgência, ou no caso de não ter onde deitar fora naquele momento;
Toalhitas: é o mais prático para usar fora de casa;
Produtos de Higiene (e não só): gel de banho, creme
hidratante, pomada anti-assaduras; compressas; soro fisiológico; escova ou
pente; e perfume (claro!);
Chuchas Extra: não vamos stressar com uma chucha que não
conseguimos esterelizar ou passar por água bem quente;
Roupa: podemos pensar em duas mudas por dia, mas, confesso que
aqui eu acabo sempre por levar mais (muitas vezes, sem necessidade) e pensem em
vesti-los por “camadas”, assim evitam andar com casacos atrás e estão
sempre prevenidos para temperaturas mais altas ou mais baixas. Junto aqui
sempre os babetes e fraldas de pano;
Piscina insuflável (pequena, daquelas da praia mesmo): para dar
banho quando são muito pequenos;
Repelente;
Protector solar SPF50+ e, no caso de crianças até aos dois anos,
mineral;
Remédios básicos: ben-u-ron e um termómetro – nunca tinha levado até ser surpreendida a primeira vez com uma otite numas férias.
Sling/marsúpio/pano (se usarem).
– E, relativamente às noites, se não houver berço disponível, nós optamos por dormir todos na mesma cama. Já não nos sobra porta-bagagens para
mais nada! 🙂
Depois, se for o caso de beberem leite em pó e/ou quando já estão
na fase dos sólidos, acrescem mais alguns itéms, nomeadamente:
– Biberons, esterilizador e escova para lavar;
– Leite em pó e/ou comida (se for por poucos dias, opto por levar
boiões de comida e isso não dispenso de levar logo comigo, sei que não se
estraga e já existem algumas opções biológicas);
– Copo, talheres (os pratos não são indispensáveis);
– Termo ou aquecedor de biberons.
No fundo, o importante é ir aprendendo a descomplicar cada vez mais e, à medida que os nossos filhos vão crescendo e tornando-se mais autónomos! E não “panicar” caso se esqueçam de alguma coisa, pois, de certeza, que vão conseguir encontrar igual ou parecido no vosso destino!

Comentários

comentários