Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

Vencedor | Kit de 3 Frigideiras TEFAL

31.05.16 | Vera Dias Pinheiro
Chegou o momento de anunciar o nosso vencedor do passatempo "60 anos TEFAL". Mas antes de mais, quero agradecer a todos os que participaram, pois foi um dos passatempos com maior adesão que aqui lancei no blogue. No entanto, só podemos apurar um único vencedor.  



Muitos Parabéns à Madalena da Silva Almeida, a nossa vencedora! 
Em breve, receberá um contacto por parte da Tefal, afim de confirmar a morada para o envio do seu prémio! Bons e saudáveis cozinhados :)




*O resultado deste passatempo foi apurado, de forma aleatória, via random.org.


Feliz Dia dos Irmãos!

31.05.16 | Vera Dias Pinheiro

Acredito mesmo que a ligação entre ambos criou-se quando a Laura ainda estava na minha barriga. Mais tarde, quando se conheceram pela primeira vez, o Vicente não estranhou aquele bebé tão pequenino e a primeira pergunta que me faz, quando entra pela porta do quarto, ainda na maternidade, é: "A mana está onde, mãe?"
Desde então, essa tem sido sempre a sua primeira pergunta sempre que chega a casa depois da escola ou, então, quando o vou buscar e a irmã não vem comigo.
Eu acredito mesmo que entre estes dois já havia amor, um amor de irmãos, mesmo antes de se conhecerem. Só posso desejar que o saibam preservar para a vida.
Feliz Dia dos Irmãos!
 


As terríveis vacinas!

31.05.16 | Vera Dias Pinheiro

Vacinas! Esse grande tormento das mães (e pais). Já nem me lembrava de como este primeiro ano é tão duro em vacinas e nas idas ao médico. Eu começo com as horas das consultas, que estão sempre em completo desacordo com os horários dos bebés, pelo menos por aqui é assim. Ainda ontem, na consulta dos dois meses, depois de tanto tempo de espera, acabei por ter que dar de mamar à Laura, ela ferrou-se a dormir a seguir e, nessa altura, somos chamadas para a consulta. Lá tive eu que a acordar - coisa que me parte o coração - despi-la - e ela cada vez mais chateada e a chorar cada vez mais - e o médico a fazer o papel dele, que mesmo sendo um amor com ela, não deixa de ter que lhe mexer e remexer para ver se está tudo bem. Depois de muita paciência e colinho, lá a consegui acalmar, adormeceu novamente e, nessa altura, somos chamadas para as vacinas. Mais um aperto no coração de ter que acordar e, desta vez, para uma coisa bem pior. A minha mãe diz-me que sou dura, porque não choro e fico firme. Sim, é verdade que não choro, mas por dentro fico aos pedacinhos. No entanto, não deixo que isso transpareça e, se o fizesse, acho que acabaria por ser bem pior para todos, especialmente para o bebé que é bastante permeável a nós e ao que sentimos!
Ontem, pela primeira vez, não fiquei com a Laura ao meu colo - o Vicente sempre ficou ao meu colo quando era para levar uma vacina - e fez-me confusão ver a Laurinha ali perdida numa maca, a chorar e tentar encontrar uma referência. Na minha opinião, ter-se-ia sentido mais segura estando junto a mim, a sentir o meu calor e o meu cheiro - ou talvez, isso seja apenas o meu coração de mãe a falar mais alto. Ela chorou muito, coitadinha e como não gosta de chucha, só com a ajuda da glicose é que se ia acalmando um pouco.
Depois de chegar a casa, o tempo foi passado entre mimos e colinho, muito colinho! Ao final do dia, lá acabou por ceder e adormeceu, na minha cama, é lá que ela gosta de estar e de dormir. Em dois meses, foram muito poucas as vezes que ela dormiu no seu berço, pois as sestas são feitas na alcofa na sala e as noites são passadas enroladas em mim, como se ainda estivesse dentro da minha barriga.

No entanto, digo-vos que não é esta a idade em que me custam mais as vacinas, para mim é bem pior quando eles já são mais crescidos, já interagem mais connosco e olham para nós fixamente como que a questionar o porquê de os deixarmos passar por aquela tortura sem fazer nada! Depois melhora, na última vacina que o Vicente levou, já consegui falar com ele e explicar-lhe o que ia acontecer - eu disse-lhe logo que a vacina é uma coisa que dói sim, mas que a seguir passava muito rápido. Não vale a pena mentir ou dizer o contrário, para depois eles perceberem que não lhes dissemos a verdade.

Agora temos mais trinta dias de descanso, até à próxima ronda! O Vicente nunca fez reacção às vacinas, nem teve febre  - a única vez, foi com a primeira dose da Bexsero - apenas aquela irritação normal após. Esperemos que com a Laura seja igual.

Bom Dia.


SONDAGEM: Sim ou não?!

30.05.16 | Vera Dias Pinheiro
Preciso da vossa ajuda! Está a aproximar-se o final do ano lectivo e, por aqui, aproxima-se também a transição para o pré-escolar. Para o Vicente, o novo ano lectivo vai trazer-lhe um novo espaço físico, pois vai mudar de instalações; uma nova educadora e auxiliar; novos colegas e mais velhos; outras rotinas e aprendizagens. Por isso, e porque eu não tenho ainda uma grande experiência nestas coisas - este ano lectivo acaba por ser aquele que marca o início do seu percurso escolar a sério - gostava de ter a vossa ajuda!


fim do ano lectivo + o que oferecer às educadoras + escola + frases sobre a escola


Não se inibam, por favor! Preciso de ideias para não ficar com este assunto para a última hora!  E eu gostava, realmente, de lhes oferecer alguma coisa pois, afinal, são duas pessoas com quem o Vicente passa grande parte do seu tempo durante a semana e porque quem ele tem um enorme carinho - e eu sinto que elas também por ele. Obrigada! 

Do nosso fim-de-semana... Bom Dia!

30.05.16 | Vera Dias Pinheiro
fim-de-semana + programas em família + o que fazer em lisboa + cais da pedra + feira do livro + príncipe real

Foi o último fim-de-semana de Maio, que começou da melhor maneira para o nosso filho mais crescido: eu e o meu marido fizemos-lhe uma surpresa e fomos juntos buscá-lo à escola e ainda conseguimos lanchar apenas os três. O Vicente estava radiante, pulava de alegria e repetia vezes sem conta que a mãe e o pai tinham ido os DOIS (!) buscar o Vicente à escola. 
 Já, no sábado, enquanto pai e filho tinham ido à piscina, eu aproveitei para dar uma saída sozinha e fazer umas compras para mim. Enquanto tenho a minha mãe por cá, posso dar-me ao luxo de ter estes bocadinhos, são apenas duas horas, que são sempre muito bem aproveitadas. Eu dou de mamar, certifico-me que ela está satisfeita, pronta a dormir e saio a correr logo de seguida. À tarde, passamos pela Feira do Livro - pelo menos uma vez, gosto de lá ir - e levamos o Vicente, que veio de lá com dois amigos - que é como quem diz, dois livros. Apesar do tempo instável, tivemos sorte e não apanhamos chuva, mas, à cautela, deixámos a Laurinha em casa, pois está meia constipada.
No domingo, depois das muitas tentativas em sairmos os quatro de casa CEDO, obviamente que acabámos por sair já em cima da hora de almoço. Para além disso, não conseguimos ir onde tínhamos planeado e a pressão das horas - e a fome - fez-nos ir até ao restaurante Cais da Pedra, que era dos meus preferidos, no entanto, a ementa já merecia umas novidades para não ser apenas "mais do mesmo". Dali, fomos até ao Príncipe Real, pois de vez em quando, gosto de dar uma volta pelo comércio daquela zona e o jardim é um dos nossos preferidos. O Vicente acabou o dia nos escorregas do parque e a correr atrás das pombas, todo feliz. A Laurinha, que ontem fez dois meses, portou-se lindamente e, aos poucos, já começa a passar mais tempo connosco na rua. Confesso, que adoro sair com os dois e o Vicente adora empurrar o carrinho da irmã.
Hoje começamos o dia com a consulta no pediatra dos dois meses, altura em que vai levar também duas vacinas. Aguenta coração!!! Vamos esperar que não faça reacção e que não haja febre. <3

E, por aí, como foi o vosso fim-de-semana? 

Bom Dia e boa semana.


Dois meses com a minha/nossa Laurinha

29.05.16 | Vera Dias Pinheiro

Dois meses de ti, minha pequenina, e estou curiosa por te levar à consulta dos dois meses, estou curiosa por saber quanto pesas, já que o teu pediatra nos deixou totalmente por nossa conta, sem pressões ou obrigações. E, afinal, a verdade é que não é precisa uma balança para saber se estás bem, basta-me olhar para ti, ver-te bem disposta, a comer quando queres e quanto queres e, se isso não for suficiente, há ainda as tuas roupinhas, nas quais, há uns dias, cabia uma "Laura e meia", agora tu sozinha és capaz de as encher, algumas nem tivemos tempo de estrear, porque já te estão pequenas.

Dois meses de ti, minha pequenina, e já sorris com a tua boquinha doce, palras e chateias-te se não te damos conversa quando tu queres. Também já prendes o teu olhar no meu e reconheces quando estou a chegar para te dar de mamar. O banho já não é um drama, mas adormecer é muito aborrecido para ti... como o teu irmão diz: "esta Laura chora muito". Os nossos fins de dia não têm sido nada fáceis e muitas das nossas noites também não, mas eu sei que vamos conseguir encontrar a tua rotina e que, com o tempo, tudo se tornará mais fácil.

Dois meses de ti, minha pequenina, e eu já não me imagino sem ti, muitas vezes agarro-te, cheiro-te, fecho os olhos e relembro o momento em que nasceste, em que te puxei para mim e me senti a mulher mais realizada e mais feliz deste mundo - e do outro. Estava incompleta desde o nascimento do teu irmão e tu vieste preencher o que estava a faltar e, sem saberes, ajudaste-me também a ser uma mãe ainda melhor para o teu irmão, sabias?

Dois meses de ti, minha pequenina, e continuas a fazer a tua ronha depois de mamar, no teu lugar preferido, o meu peito! Na verdade,  é ali que gostas de dormir, seja de dia ou de noite, gostas de sentir o meu calor, como eu gosto de sentir o teu cheiro. Ando muito cansada, sim, mas também ando muito feliz e, ainda que daí não resulte alguma espécie de equilíbrio, fixo o meu pensamento em que a partir dos três meses tudo melhora. 

Há dois meses atrás ainda estavas dentro da minha barriga e, de repente estás cá fora, e todos têm pressa que te comportes como um bebé crescido... E isso é muito injusto para ti, eu sei! Nós temos toda a paciência para ti, leva o teu tempo a encontrar-te neste "mundo novo", nesta casa e nesta família que te recebeu de braços e coração aberto! 

Parabéns minha pequenina!

Irmãos

27.05.16 | Vera Dias Pinheiro



A extensão de mim, de mãos dadas, à minha frente. Este foi o melhor presente que pude dar a cada um: um irmão! A garantia de que vão ter - para sempre - alguém que lhes vai lembrar as suas aventuras de infância, memórias essas que vão ficar - para sempre - guardadas no coração um do outro.
 Eu sei que a minha interferência naquilo que será a relação entre eles só irá até certo ponto... a partir daí, só posso desejar que, entre os arrufos e as discussões normais, o amor de irmãos saia sempre vencedor!

Boa noite.


Pág. 1/9