Enfrentar o nosso roupeiro nem sempre é tarefa fácil. É sempre mais fácil continuar a comprar aquela peça de roupa que achamos que nos faz falta e continuar a enchê-lo, sem perceber muito bem o que é realmente vestimos (ou o que realmente temos). Por isso, eu acabo por aproveitar esta fase, pós gravidez – em que cerca de oitenta por cento do meu guarda-roupa ficou inutilizado – para dar uma geral, em que, inevitavelmente, acabo por chegar sempre às mesmas conclusões: 
– “Não tenho nada para vestir!”
Ou, então:
– “O que é que eu vestia antes de estar grávida?” 
Ou, ainda:
– “O que é que aconteceu à minha roupa da estação passada, pois agora, eu não encontro nada decente para vestir?”
Sendo assim, aproveito para tirar partido do que esta fase tem de bom: o desprendimento face às minhas roupa e assim, mais facilmente, faço aquela limpeza que andamos sempre a adiar. Aliado a isto, há que aproveitar que a primavera parece ter chegado para tratar também da mudança de estação!
E como nada disto se faz sozinho, eu acabo por ter algumas regras em mente para, primeiro, não desistir a meio e, segundo, porque são fundamentais para a minha organização:

Não tirar tudo de dentro dos armários e das gavetas ao mesmo tempo. Como não sei quando é que poderei ser interrompida e por quanto tempo, o melhor é ir por partes: primeiro, o roupeiro, depois passar às gavetas, uma por uma. Assim, caso tenha que parar a meio e só conseguir retomar no dia seguinte, o caos não ficou instalado. 
Arranjar dois sacos grandes: um para a roupa que vai para o lixo e o outro para a roupa que vou doar. Nesta fase, gosto de experimentar algumas roupas e ver se ainda gosto de me ver com elas vestidas; ou, se estão de acordo com o estilo e com o momento actual que vivo. No entanto, como ainda tenho uns quilinhos para perder, vou saltar essa parte!
Usar e abusar dos cabides! Os cabides são um bom investimento, até podemos ter conjuntos de cabides de várias cores, cada uma para um tipo de roupa – sendo que os cabides gosto de os ver TODOS virados para o mesmo lado.
Procuro que o meu roupeiro esteja organizado por tipo de roupa e por cores, por exemplo: primeiro os vestidos, depois os casacos, as blusas, as camisas, etc… e tudo organizado por cores também, Na hora de pensar no que vou vestir, ter esta visão mais geral e ampla daquilo que realmente tenho, torna a decisão mais fácil e mais rápida.

Durante algum tempo não fazia divisão por estações do ano, porém para manter tudo o mais clean possível, tenho optado por fazer a mudança de estação, deixando, contudo, o que pode ser usado em qualquer altura do ano, seja porque está um dia mais fresco e sabe bem uma camisola; ou porque há uma blusa de alças que fica mesmo bem por baixo de uma camisola de malha ou de uma camisa… 
Ainda assim, o meu guarda roupa acaba por ser muito versátil – para não dizer, básico – em que acabo por ter muitas peças de roupa que uso em qualquer altura do ano, com as devidas adaptações.
E, pronto, este é o meu programa para hoje, enquanto a Laura faz umas sestas e o Vicente saiu com o pai! 
Bom feriado!!!

Comentários

comentários