O uso da cinta é um tema que ainda não reúne um consenso por parte das equipas de saúde, existindo benefícios associados ao uso, como também algumas contra-indicações. Por exemplo, faz sentido, numa cirurgia como a cesariana, haver algum suporte da parede abdominal para que a mulher se mobilize melhor para cuidar do seu bebé. No entanto, este suporte pode ser dado por esta, mas não só, pois através de uma correcta mobilização da mulher, o seu desconforto abdominal é francamente menor.

Para além disso, o primeiro penso operatório da cesariana é sempre compressivo, pelo que não faz sentido usá-la nas primeiras 24-48 horas. Depois de mudar o penso, SE ACHAR que precisa de um pequeno conforto na zona abdominal, pode, então, optar pelo seu uso após indicação médica. A cinta para além do conforto, pode ajudar também a reforçar a nossa auto-imagem, dado que a barriga ainda vai ficar um pouco distendida após o parto (o útero não fica do tamanho “não-grávido” de um dia para o outro), ajudando-a a disfarçar um bocadinho.

Mas para que tudo isto funcione desta forma, é de extrema importância ter atenção à sua correcta colocação. Uma má colocação  tem impacto no bem-estar da mulher no pós-parto – uma cinta mal colocada vai provocar mais desconforto que a ausência da mesma, acreditem!

COMO COLOCAR:

1º Colocar na cama, com a parte interna para cima (velcro para cima também);
2º Deitar-se sobre a cinta;
3º Pedir apoio ao marido ou enfermeiro para ajudar a fazer (ALGUMA!) pressão quando a fechar.
(Mais à frente, quando se mobilizar melhor, já poderá colocá-la sozinha até mesmo empé).
TOME NOTA:
–  Esta deve estar bem centrada ao nível da sutura operatória, apanhando 3 a 4 dedos da coxa. Caso contrário fará pressão na sutura provocando desconforto;
– Para dormir deve retirá-la;
– A pressão de encerramento da cinta deve ser doseada, não deverá apertá-la muito!
Então e se não usar?
Não tem qualquer problema, pois se precisar de fazer algum esforço com a parede abdominal (como rir, tossir, evacuar ou espirrar) pode (E DEVE!) suster a sutura, colocando a sua mão sobre a mesma, e só depois realizar o esforço. Esta indicação é válida para TODAS AS MULHERES NO PÓS-PARTO!
É importante, reter que a cinta pode não ser uma boa opção para algumas mulheres, por isso, não tomem essa decisão sem antes falar com o vosso médico e saber se para o vosso caso, esta estará indicada.
Se estiver, atenção:
– ao seu uso prolongado. A cinta não ajuda a mobilidade intestinal (mais dificuldade em evacuar) e, por outro lado, não recruta tanto os rectos abdominais (aqueles músculos abdominais internos que distenderam durante a gravidez e agora precisam de ser trabalhado para recuperar);
– à escolha da cinta, invistam numa que esteja, de facto, ajustada ao vosso tamanho e que seja produzida com materiais aconselhados para este uso.
Por isso, reforço: falem sempre com o vosso médico e peçam a sua opinião.





Enfª Carmen Ferreira

Comentários

comentários