1. QUANDO COMEÇA O TRABALHO DE PARTO?

A maioria das grávidas começa a ter alguns sinais de parto pelas 40 semanas, algumas mais cedo outras mais tarde… e porquê?
Toda a família nos pergunta sobre a chegada do bebé, o médico já nos sugere a indução do trabalho de parto e nós achamos que vamos ficar grávidas literalmente PARA SEMPRE! No início da gravidez, o profissional de saúde que nos acompanha, consegue prever aproximadamente a data do parto através da data da última menstruação ou da ecografia (método mais fidedigno) e ficamos com aquela referência temporal que nos vai criando alguma expectativa. Mas existem outros factores muito importantes a ter em conta quando se fala do desencadear do trabalho de parto. A saber:
Cada mulher é uma mulher (o seu corpo é diferente!)
O ritmo e estilo de vida, a bacia, o tamanho do bebé, se é primeiro ou segundo filho… Tudo isto tem uma implicação do desencadear do trabalho de parto. Mais uma vez, não há receitas! Cada filho é um filho, cada gravidez tem as suas características. E não conseguimos, por isso, dizer seguramente que uma grávida vai ter TODOS os seus filhos às 40 semanas. Até porque já se defende que a data limite de gestação pode ser alterada muito em breve, dado que o feto pode ir até 41-42 semanas sem os riscos que se pensava existir.
Desenvolvimento e maturação pulmonar do feto
Este é um aspecto importante, pois a partir das 37 semanas, o feto já tem a sua parte pulmonar desenvolvida e caso o parto seja mais cedo, a sua resistência e capacidade de adaptação ao meio extra-uterino é mais favorável. Por isso, o trabalho de parto começa quando o feto também já está suficientemente desenvolvido a todos os níveis, principalmente a nível respiratório! Por vezes, bebés, cujo parto é induzido às 40 semanas, podem ainda não ter um grau de maturação e desenvolvimento adequado ao meio extra-uterino. O seu bebé é o único que sabe quando vai nascer…
Estádios do trabalho de parto
Há que entender que o trabalho de parto é um processo físico e também emocional pelo qual a mulher passa, tendo várias etapas que não culminam no parto (vai desde a saída do rolhão mucoso, até à expulsão da placenta). Nos filmes associamos sempre que o momento do parto é eminente assim que começam as primeiras contracções ou quando a bolsa de águas rompe… Pois, não é! É um processo longo (pode demorar alguns dias, dependendo de cada mulher e circunstâncias). Mas o nosso corpo vai dando sinais, é preciso escutá-lo!
2. SINAIS E SINTOMAS:
Saída do rolhão mucoso (substância viscosa que parece corrimento, mas em maior quantidade e pode ter uns raios de sangue). É sinal que o colo do útero está a amadurecer. Daqui a uns dias ou horas (depende) vai começar este processo fantástico. É apenas um pequeno aviso! Não é necessário ir para a maternidade a correr. (aconselho a ler ou reler o post sobre sinais de alarme aqui)
Contracções regulares e intensas: no fim da gravidez vai começar a ter contracções de Braxton-hicks que são perfeitamente normais, frequentes (principalmente ao fim do dia) e indolores. Mas as contracções do trabalho de parto são diferentes: são mais intensas e com algum desconforto associado (por vezes, começa com a sensação semelhante à moinha da menstruação ou dor de rins) e são regulares no tempo ao longo do dia. À medida que forem ficando mais intensas e regulares deve dirigir-se à Maternidade.
3. COMO SE PREPARAR PARAO TRABALHO DE PARTO: 
Caminhadas: andar ajuda a controlar o processo de desconforto associado à contracção uterina e também as torna mais regulares.
– Fazer amor: a oxitocina libertada durante o momento de contacto com o nosso parceiro, atua no útero e estimula naturalmente as contracções. Por outro lado, o esperma masculino tem o poder de amolecer o colo do útero ajudando-o a encurtar e progressivamente dilatar.
– Preparar a mala da maternidade: (vejam o post sobre a mala da maternidade aqui)
– Preparar a sua casa: (veja o post sobre como preparar a casa para receber um recém-nascido aqui)
– Plano de parto: convém a grávida pensar neste momento e informar-se das suas opções na maternidade, para poder optar pelo que acredita ser melhor para si e para o seu filho. O momento é de reflexão e informação! Peçam ajuda ao vosso enfermeiro de família ou no curso de preparação para o parto. Pensem em conjunto com o marido e incluam-no nesta decisão. Participem activamente no vosso parto planeando-o!
– Comida condimentada: os condimentos como picante ou caril ajudam a libertar prostaglandinas a nível intestinal para a corrente sanguínea. Na gravidez é muito útil pois provoca a contração uterina, actuando em conjunto com a hormona oxitocina na expulsão do feto.
Desejo a todas “uma hora pequenina” 🙂
E bons preparativos para o vosso trabalho de parto!

Comentários

comentários