Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As viagens dos Vs

Mulheres nutridas, famílias felizes

As viagens dos Vs

O último fim de semana antes das férias

30.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Por aqui, começamos a fazer as malas. Na quarta-feira partimos numa nova aventura, em direcção a Lisboa. Digo aventura, porque decidimos que, desta vez, iríamos de carro. Falamos com a pediatra, na última consulta, que liberou o Vicente, desde que cumpridas as devidas paragens de 2h em 2h e o descanso ao fim do dia. Por este motivo, vão ser três dias de viagem.

Eu fiz o percurso inverso (Lisboa-Bruxelas), em dois dias, com o senhor meu marido. É, de facto, cansativo, mas também acaba por ser divertido. Vamos ver como corre agora com o pequeno Vicente. O roteiro da viagem está a ser preparado e assim que tiver pronto,  deixo-vos aqui, pois só vos vou conseguir falar da viagem assim que chegarmos a Lisboa.

Bem, mas, por agora, aproveitou-se o último fim-de-semana em Bruxelas. Para mim, com alguma nostalgia, pois esta última semana foi muito boa e não me apetecia partir já, ou então, ficar tanto tempo ausente (uma vez que, só iremos regressar no final de Agosto). Porém, as nossas famílias esperam-nos, os nossos amigos também e nós esperamos as férias, as primeiras férias em família.

No sábado, o tempo simpático levou-nos até ao centro, para um almoço tardio no Chez Léon, seguido de um crepe, na Maison des Crépes (todos locais dos quais já aqui falei). Tivemos a companhia de um amigo e com uma boa conversa nem demos pelo tempo passar.

No domingo, ficamos pelo bairro, aproveitando que algumas lojas estavam abertas, para dar uma vista de olhos nos saldos. A paragem para almoçar foi no Sablon, no Perroquete. Este restaurante é um daqueles locais de paragem obrigatória. A especialidade são as pitas, mas as saladas são igualmente boas. No entanto, não posso deixar de referir aqui que o atendimento hoje não primou pela qualidade, entre algumas trocas e enganos nos nossos pedidos, ainda tivemos direito a um empregado que acho por bem dar repostas indelicadas aos clientes. Não foi feliz, mas talvez estas situações aconteçam com alguma regularidade por não haver livro de reclamações. Todavia, devo referir aqui que, na minha opinião, não é uma situação/pessoa isolada que deve denegrir a imagem de um estabelecimento. Vamos continuar a dar o beneficio da dúvida... talvez o jovem estivesse apenas num dia mau!

A caminho da casa de uns amigos, ainda paramos para dar uma olhadela na festa portuguesa, que decorreu neste fim de semana, no Parc du Cinquantenaire. Cheirava a sardinhas e ouvia-se a música tipica destes eventos, não a vou classificar, mas vi no cartaz a cantora Ana Malhoa... 
Esta iniciativa, "Le meilleur du Portugal", organizada pelo eurodeputado Nuno Melo, teve como objectivo promover o que de melhor se faz em Portugal, da cultura aos produtos alimentares. E pelo que percebemos teve uma grande adesão.





O outro lado da nossa rua

28.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Já vos dei alguns dos motivos pelos quais gostamos de morar em Bruxelas, mas o que ainda não vos tinha dito é que nós moramos numa das zonas mais movimentadas da cidade, o que também ajuda. 

Pelo bairro de Ixelles, mais concretamente na Avenue Louise, existe de tudo: vários locais para comer, lanchar ou tomar simplesmente um chá ou café e a acrescentar a isso tudo, existe um vasto comércio bastante apelativo, variado e acessível a qualquer carteira (pelo motivo de ser bastante variado, repito!!!).

Passada a festa de aniversário e com o marido em Dublin por três dias, os Vs tiraram esse tempo para namorar muito (e eu para recuperar os níveis de sono, pois sesta de Vicente significa sesta da mãe também), o tempo chuvoso ajudou. O pouco que saímos foi aqui mesmo no bairro e vai daí que resolvemos mostrar-vos aquilo que há do outro lado na nossa rua.

Do outro lado da nossa rua existe uma avenida com dois nomes, coisa que para Bruxelas até muito comum. Assim sendo, de um lado temos a Boulevard de Waterloo e do outro a Avenue de Toison D'Or. E além de nomes diferentes, o ambiente em cada uma dela é também distinto. Na Boulevard de Waterloo temos todas as lojas de artigos de luxo e onde podemos ser sempre surpreendidos com a originalidade de alguns dos designers que ali têm as suas lojas. Podemos mesmo dizer que é o equivalente à avenida dos Champs-Elysées, em Paris, ou mesmo a Quinta Avenida, em Nova York.

Do outro lado, na Avenue de Toison D'Or, encontramos um comércio totalmente diferente, por isso, o que recomendo é fazerem um passeio por ambos os lados e ver as diferenças e as diversidades!

Por hoje, deixo-vos um pouco de glamour com a Boulevard de Waterloo!













Havia muito mais para deixar aqui, mas confesso em algumas das lojas, ficando um pouco inibida, limitei-me a olhar para as montras e sonhar. Sim, podemos sonhar... porque são montras "price free" :)


O dia da festa cá em casa

26.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Já aqui disse algumas vezes que, ao longo deste primeiro ano de maternidade, tudo são motivos para celebrações e, mais do que isso, todos os motivos para festejar, que já tínhamos (como aniversários, natal, páscoa, dia da mulher, da mãe, do pai, etc, etc...), são celebrados com muito mais entusiasmo. Desta vez, foi o aniversário do senhor meu marido!! "Tlinta e tlês" anos de vida!! Ieiiiii :)

E lá foram os Vs preparar-se para mais esse evento. 

Primeiro, foi deixar que o aniversariante dissesse como queria assinalar o dia. E a resposta foi: "com um pequeno lanche cá em casa". Assim de repente, pensei: que óptimo! O Vicente está em casa, pode estar a sua vontade, sem estar confinado no ovo, que a cada dia que passa me faz mais confusão, ainda para mais com o calor que está. E também porque permite às pessoas falar muito mais umas com as outras. Desta forma, eu disponibilizei-me para tratar de tudo, desde o que se iria comer até à sua confecção (sim isso mesmo!!). 

Depois, foi deixá-lo fazer os convites e saber quantos seriam os convidados. Foi nesse momento que eu percebi a verdadeira dimensão do trabalho em que me tinha metido. Eu penso que mais de 40 pessoas nos passaram cá por casa. 

Ainda assim não desisti. Defeito ou não, o facto de ser MUITO organizada, nestes momentos, é aquilo que me vale. Entre fazer as sopas do Vicente, tratar dele, dar papas, cantorolar, mudar fraldas, adormecer quando ele finge que não tem sono, de um dia para o outro, tínhamos uma mesa "decetemente" composta, desde o bolo de aniversário, aos salgados e às frutas. Modéstia a parte, assim para quem viu ficou bonito e a avaliar pelo que sobrou também estava tudo bom.

Mas, acima de tudo, a pessoa em causa estava feliz. O senhor meu marido adora celebrar o aniversário, adora receber pessoas e penso que percebeu que, aqui por Bruxelas, tem umas quantas a quem pode chamar amigos e que fizeram questão de estar presente nesse dia.

Os Vs ficaram contentes, ainda que o Vicente tenha gostado mais de estar no quarto, do que a participar no convivio. Foi difícil aguentá-lo durante o lanche. Mas valeu tudo a pena, aliás, tudo vale a pena para vermos as pessoas que amamos de sorriso no rosto.

Entre uma e outra coisa, lá fomos conseguindo ir mimando o papá para que este primeiro aniversário, enquanto pai e também o primeiro passado em Bruxelas, fosse inesquecível e marcado por muita felicidade. 

Agora aqui entre nós, que foi uma trabalheira foi, mas pior pior, foi ter um montão de loiça para lavar e uma máquina de lavar avariada. Porém, quase no próprio dia conseguimos fazer desaparecer todos os vestigios da festa e da confusão e deixar a casa novamente na tranquilidade a que o Vicente está habituado.

Para o ano há mais!!!


E voilá: Happy B-Day


Os presentes e as surpresas


As mini férias na Madeira

17.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Não, os Vs não se esqueceram de vocês e nem tão pouco estiveram parados. 

A verdade é que os Vs estiveram ausentes porque foram de férias à Madeira, com uma curta passagem por Lisboa. E se antes do Vicente tudo era feito na hora, sem grandes premeditações, a não ser a conjugação das roupas que iria vestir nos próximos dias, o facto, é que, por mais que tentasse ter as coisas organizadas, dei por mim numa correria até entrar no avião. Uff... eram listas e listinhas de coisas a não esquecer, com mil e uma rectificações de última hora.

Mas foram uns dias M A R A V I L H O S O S. 

Foi a primeira experiência de férias com o pequeno V e, apesar de tudo, digo-vos que este miúdo é forte e aguentou-se bem. Foi importante para ver o que podemos ou não fazer e compreender mais um pouco desta nova dinâmica que é ter um filho. E dou-vos alguns exemplos: se, por um lado, deixam de haver noitadas, por outro, o dia começa cedo e acaba por ter outro encanto. O quarto de hotel deixou de ser impessoal, para passar a ter uma chaleira para aquecer água e ainda boiões de comida, colheres de sopa e pratos às cores,  entre outras (mil) coisas que contribuem para a decoração. O romantismo de uma noite, naquela cama grande e fofa, dá lugar a um amor ainda maior, ao ser partilhada a três. 

Podia ter sentido um choque com a mudança, já que os dias na Madeira foram de festa, com um baptizado programado e um casamento surpresa, com direito a comemoração "cigana". Para nós, as festas acabaram a seguir ao jantar e mesmo assim já foi a esticar demasiado o tempo... Mas, mais uma vez, senti que as coisas aconteceram na hora certa. Sinto-me bem neste novo papel e amo de paixão este filho que me surpreende a cada dia.

Bom, mas "lamechices" de mãe à parte, vamos lá mostrar o pouco que consegui registar nesse fim de semana prolongado. Gostava de ter mais para vos colocar aqui, mas os dias foram bastantes absorventes.

Vista do quarto do hotel à chegada,
Hotel Meliã Madeira Mare


Vista do pequeno almoço - piscina!!


Vista do pequeno almoço - piscina!!

Valeu a pena cada segundo de SOL

O pequeno almoço

Vista do Hotel à partida,
Hotel Meliã Madeira Mare


Ficamos hospedados, no Funchal, no Hotel Meliã Madeira Mare. A classificação "hotel 5 estrelas" está bem entregue. Não só o serviço é excelente, como todos os funcionários são bastante simpáticos e onde levar um bebé não levanta problemas.

Fica aqui o site para darem um olhadela: http://www.meliamadeira.com/


Vista do almoço no Hotel Quinta do Furão, Madeira

Vista do almoço no Hotel Quinta do Furão, Madeira

Jardim do Hotel Quinta do Furão, Madeira
Encontramos a Quinta do Furão no topo de uma falésia na Achada do Gramacho, em Santana, a nordeste da ilha da Madeira. Combinando os serviços de Hotel e de restaurante, este espaço oferece a quem os visita, uma generosa vista sobre a ilha. (http://www.quintadofurao.com/


Entrada para o restaurante O Lagar -
A despedida à ilha com direito a espetada

No último dia fomos jantar a Câmara de Lobos, ao restaurante o Lagar, para saborear a tradicional espetada madeirense!
Localização: Entrada n.º3 da Estrada João Gonçalves Zarco (ER229) 478, 9300-167 Câmara de Lobos


Estes dias foram ainda mais especiais porque ir à Madeira significa rever amigas de há muitos anos, com quem partilhei grandes momentos da minha vida. Apesar da distância, o tempo parece não passar por nós. Quando estamos juntas, inevitavelmente, sou remetida para os tempos de faculdade e nos vejo novamente com nos "vintes".


...

04.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Já vos falei aqui dos nossos domingos. O dia de organizar, descansar, não olhar para o relógio... no fundo, carregar as baterias para mais uma semana.

Entretanto, descobrimos um novo ingrediente: as idas o mercado! Não sei como é (ou foi) no vosso caso, mas eu (e também o senhor meu marido), sempre estivemos habituados a ir aos mercados na nossa infância. E fazê-lo aqui em Bruxelas é algo que me faz sentir próxima de casa e das minhas raízes.

Desde que o Vicente começou a comer sopa e fruta, que era nossa preocupação que os ingredientes desta nova etapa fossem os melhores possíveis. Sempre que ia aos supermercados, além de ser tudo muito caro, a qualidade não me satisfazia. E vai daí, soubemos da existência de alguns mercados na cidade, nomeadamente o mercado de Parvis de Saint-Gilles, que acontece todos os fins de semana, sábados e domingos.

Este bairro, que até fica bastante próximo de casa, tem como principal referência a praça da igreja e, apesar de ser uma zona mais periférica da cidade, é aqui que se encontram alguns dos sítios que estão mais na moda. É por todas as ruas do bairro (fechadas ao trânsito) que se vão distribuindo as bancas de venda e onde podemos encontrar de tudo e mais alguma coisa. 

Nós tentamos perceber onde estão os melhores produtos e os melhores preços, e digo-vos que é uma tarefa difícil, tal é a oferta, mas acaba por ser engraçado. Nós lá nos tentamos misturar no meio das pessoas, escolher o que queremos e, ou almoçar por ali ou então comprar alguma coisa já feita, e voltar para casa.

No domingo passado, o Sol ganhou e nós por ali ficamos a saboreá-lo.










instagram: @pereiravera

Localização:
Parvis de Saint-Gilles, 1060, Bruxelas

5 meses de Vicente

03.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Hoje é dia de festa!!!! 

O nosso pequenino faz 5 meses. E, assim de repente, sinto o tempo a passar cada vez mais rápido! 
Mas, se por um lado, ele vai crescendo e deixando de ser o meu bebé, por outro, está cada vez mais esperto, sempre com gracinhas novas, que me derretem.

A última que ele aprendeu foi a atirar as coisas para o chão, quando está sentado na cadeira de comer. E assim passa o tempo enquanto lá está. A nós cabe-nos a paciência de, com ele, descobrir essas pequenas coisas e deixa-lo repeti-las até vir uma nova!

Somos uns pais cheios de sorte!



O nosso dia Mundial da criança

03.06.13 | Vera Dias Pinheiro
Venho retomar as nossas viagens. Temos andado um pouco ausentes, é certo, mas estamos cheios de coisas novas para contar e mostrar.

O Dia Mundial da criança, como o próprio nome nos faz esperar, é que seria mesmo mundial e que o pequeno V ia passar o seu dia numa qualquer festa por estes lados. Mas a verdade é que, em Bruxelas, não tivemos direito a comemoração do dia dos mais pequeninos.

E será que precisamos mesmo de um dia especial para festejar (mais ainda) a alegria que é ter uma criança todos os dias na nossa vida?! Eu penso não. E uma das nossas preocupações, enquanto pais, é a de proporcionar-lhe momentos para que ele tenha novas experiências e estímulos. Os fins de semana são planeados em função disso, até porque com o tempo tão instável ainda, nem sempre temos oportunidade para sair e passear tantas vezes quanto as que desejávamos, durante a semana.

No sábado, apesar de ficarmos pela cidade, tentamos experimentar e passar por sítios que não são muito habituais para nós. E aviso, desde já, que não vou colocar fotografias do que foi o nosso almoço e lanche, porque, numa das raras vezes que acontece, não acertamos uma!!! 

Descemos até ao museu dos Instrumentos Musicais (MIM), que tem um restaurante no topo do edificio. A vista é, de facto, maravilhosa e o espaço também tinha tudo para que tivesse sido um óptimo almoço. Porém, mal chegamos, o responsável, assim que viu que trazíamos um carrinho de bebé, começou a levantar problemas. Em qualquer lugar da sala em que nos sentássemos, iríamos estar a perturbar o trabalho dos empregados (?!). Entretanto, lá nos conseguimos meter num canto, e pedir o menú. Outra desilusão!! E a nossa cara assim que vimos os pratos, foi tão evidente, que até a empregada perguntou se estava tudo bem!! Sem dúvida que esta experiência ficou muito aquém do esperado.

Mas, como nem tudo é 100% mau, aqui ficam as fotografias da vista. 

E, atenção, o MIM vale muito, muito a pena visitar. Além da beleza exterior do edificio, o museu apresenta uma colecção de mais de 1200 instrumentos do mundo inteiro e de todas as épocas. Mas a originalidade, é que nós podemos, de facto, ouvir uma grande parte desses instrumentos.

Vista do terraço do restaurante #1

Vista do terraço do restaurante #2

Vista do terraço do restaurante #3

Vista para o edifício do MIM

Junto ao MIM

Junto ao MIM